Nome do Projeto
Identificação de Parasitos em Peixes de Água Doce e Salgada na Região de Pelotas – RS
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
03/10/2016 - 27/03/2018
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Agrárias - Medicina Veterinária
Resumo
Os brasileiros consomem cada vez mais pescado, que é a proteína animal mais saudável e consumida no mundo. Em 2001, a média anual do consumo de peixes no Brasil era de 6,79 quilos por habitante e hoje, o consumo no País apresenta uma média de quase 10 quilos por habitante por ano e a estimativa é que, daqui a pouco chegaremos perto dos 12 quilos anuais por habitante, sendo este o mínimo de consumo preconizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Este aumento no consumo pode ser explicado por uma maior procura no Brasil de pratos feitos à base de pescado cru, como sushi e sashimi, devido à influência da cozinha oriental nos dias de hoje. Baseado nisto, a ictioparasitologia tem adquirido importância nos últimos anos acerca da alimentação humana e no desenvolvimento das indústrias pesqueiras. O conhecimento para o efetivo controle do pescado na origem é uma exigência das grandes entidades mundiais que, através de normas legais, estabelecem o controle obrigatório dos produtos de pesca destinados ao consumo, e a maioria dos países que exporta produtos da pesca in natura ou processados realizam o controle higiênico-sanitário. A presença de parasitos é relativamente frequente e possui consequências diversas relacionadas principalmente com aspectos econômicos e sanitários. Alguns parasitos provocam alta mortalidade nos peixes e por também causar lesão tecidual que ocasiona a perda econômica. A maioria dos parasitos é encontrada nas vísceras que são eliminadas durante o processamento do pescado, porém algumas espécies se alojam na musculatura, podendo causar alguma zoonose caso o pescado seja consumido de forma inadequada. Inicialmente, serão necropsiadas e investigadas do ponto de vista parasitológico diferentes espécies de peixes, de água doce e salgada, características da nossa região. Os peixes serão adquiridos no Mercado Público de Pelotas e em peixarias da região. Primeiramente, será realizada a confirmação da espécie. Durante a necropsia parasitológica, serão removidos e analisados individualmente pele, barbatanas, olhos, brânquias, coração, esôfago, estômago, cecos pilóricos, intestino, fígado, baço, rins, gônadas, vesícula natatória e musculatura. Cada órgão será individualizado em placas de Petri, lavado em tamis (150μm de abertura de malha) e examinados sob estereomicroscópio. Lavados da cavidade celômica e da cavidade nasal também serão analisados. A metodologia utilizada na identificação dos parasitos segue a literatura encontrada.

Objetivo Geral

Geral
Identificar as espécies e/ou gêneros dos parasitos em diferentes espécies de peixe, de água salgada e água doce, comercializadas em estabelecimentos da região de Pelotas-RS.

Específicos
Avaliar os índices parasitários (frequência dos parasitos encontrados) nas espécies de peixe analisadas.
Determinar a importância higiênico-sanitária dos parasitos encontrados devido ao seu potencial zoonótico e/ou aspecto repugnante.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
BIBIANA RODRIGUES DE FREITAS803/10/201603/10/2020
DIEGO MOSCARELLI PINTO203/10/201603/10/2020
FERNANDO DA SILVA BANDEIRA203/10/201603/10/2020
GABRIELA ALINE MELZ803/10/201603/10/2020
TAINÁ ANÇA EVARISTO MENDES CARDOSO803/10/201603/10/2020
VINICIUS FARIAS CAMPOS203/10/201603/10/2020

Página gerada em 25/03/2019 01:05:41 (consulta levou 0.093445s)