Nome do Projeto
Caracterização de microrganismos associados à otite externa canina
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
06/06/2017 - 30/09/2017
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Medicina Veterinária Preventiva
Resumo
A otite externa canina (OE) é a inflamação, aguda ou crônica, do meato acústico externo com o envolvimento de diferentes agentes etiológicos e fatores predisponentes e perpetuantes. A OE é um dos problemas mais comuns apresentados ao clínico de pequenos animais, com incidência aproximada de 20% em cães apresentando morbidade alta e mortalidade e letalidade baixas. As causas que levam à OE podem ser subdivididas em fatores predisponentes, primários e perpetuantes. Os fatores predisponentes em geral são ambientais e anatômicos, predispondo à produção de uma inflamação inicial, criando um microambiente ideal para colonização de microorganismos oportunistas comensais da pele. Os fatores primários são aqueles capazes de iniciar uma inflamação nas orelhas normais, como distúrbios de hipersensibilidade de contato alérgico e irritante, farmacodermia, corpos estranhos, infestação por Otodectes cynotis, disqueratose e distúrbios das glândulas sebáceas (otite ceruminosa ou seborréica) e doenças auto-imunes. Já os fatores perpetuantes são aqueles responsáveis pela continuação da resposta inflamatória, tais como colonização por infecção bacteriana, por Malassezia sp. e alterações patológicas crônicas progressivas, como hiperqueratose, hiperplasia e edema. Dentre as diversas causas de OE, os principais são a M. pachydermatis e O. cynotis, com o envolvimento de bactérias. Contudo, não há estudos correlacionando esses agentes em casos de OE. Dessa forma, este projeto visa avaliar a relação entre esses agentes no desenvolvimento da OE e a participação isolada de cada um no desenvolvimento da doença.

Objetivo Geral

- Avaliar a prevalência de leveduras em casos de OE.
- Avaliar a prevalência de parasitas em casos de OE.
- Avaliar a prevalência de bactérias em casos de OE.
- Comparar a prevalência de leveduras, parasitas e bactérias em casos de OE.
- Identificar fatores predisponentes que favoreçam o desenvolvimento de OE por leveduras.
- Identificar fatores predisponentes que favoreçam o desenvolvimento de OE por parasitas.
- Identificar fatores predisponentes que favoreçam o desenvolvimento de OE por bactérias.
- Identificar correlação entre leveduras, parasitas e bactérias no desenvolvimento da OE.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANGELITA DOS REIS GOMES106/06/201730/09/2017
ANNA LUIZA SILVA106/06/201730/09/2017
CARLA DE ANDRADE HARTWIG106/06/201730/09/2017
DENISE DIEGUEZ FABRES206/06/201730/09/2017
DIEGO MOSCARELLI PINTO106/06/201730/09/2017
FELIPE GERALDO PAPPEN106/06/201730/09/2017
FERNANDA TEIXEIRA SILVA206/06/201730/09/2017
GRAZIELE SILVEIRA DA COSTA206/06/201730/09/2017
JÉSSICA JUNCKES206/06/201730/09/2017
MAIRANA VENZO206/06/201730/09/2017
MARIO CARLOS ARAUJO MEIRELES106/06/201730/09/2017
MÁRCIA KUTSCHER RIPOLL106/06/201730/09/2017
NATÁLIA SOARES MARTINS106/06/201730/09/2017
NICOLE FERNANDA ESQUINATTI206/06/201730/09/2017
OTAVIA DE ALMEIDA MARTINS106/06/201730/09/2017
RENATA COSTA SCHRAMM106/06/201730/09/2017
RENATA OSORIO DE FARIA106/06/201730/09/2017
SIMONE BATISTA206/06/201730/09/2017
STEFANIE BRESSAN WALLER106/06/201730/09/2017
TATIANA DE AVILA ANTUNES106/06/201730/09/2017
TÁBATA PEREIRA DIAS206/06/201730/09/2017
VANUSA DOS SANTOS RAMOS206/06/201730/09/2017

Página gerada em 14/12/2019 06:27:50 (consulta levou 0.084542s)