Nome do Projeto
Patrimônio, Turismo e Cultura
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
27/08/2017 - 27/06/2019
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Multidisciplinar - Interdisciplinar
Resumo
Este projeto visa elaborar um acordo de cooperação entre a Escola de Artes, Comunicação e Cultural da Universidade de São Paulo e o Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural da Universidade Federal de Pelotas. A discussão contemporânea sobre patrimônio não pode estar dissociada de outras que envolvam noções de usos do passado e regimes memoriais (Hartog e Revel 2001) e de busca identitária e reinvenção do passado (Dimitrijevic 2004), noções essas que adquirem sentido num contexto de hipertrofia do passado, tal como aponta Joël Candau(2009) ao associar memória, identidade narrativa e patrimonialização como partes indissociáveis do processo designado por ele como de mnemotropismo. Nessa reiteração do passado, entendido como comum a um determinado conjunto social, o movimento de patrimonialização inscreve o objeto patrimonial em uma tradição que autentica e legitima a crença em um compartilhamento. Nessas condições o passado assume um valor de ser “nosso”, entendido como um bem comum em cuja defesa age então o grupo ao qual se vincula. Essa relação com o tempo patrimonial se expressa a partir de diversas modalidades discursivas como o conjunto de lembranças compartilhadas por uma determinada sociedade, por um sentimento de pertencimento a um todo coerente e pela estabilidade que esse sentimento confere frente às profundas alterações impostas pelo presente. O patrimônio, essa expressão política da memória, constitui-se, portanto, a partir dessa relação com o passado e com sua gestão no presente. Tendo como base o sentimento identitário, é permanentemente ressignificado e reconstruído por meio de dispositivos de diferentes ordens tais como as emoções que a ele vinculam-se. Já distante da noção de patrimônio como elemento de afirmação do Estado-Nação (Choay, 2001), a busca patrimonial contemporânea reveste-se de engajamentos coletivos, embates e sensibilidades. O movimento patrimonial reage diante da ameaça de perda e dissolução dos traços do passado e essa reação se faz observar através daquilo que Jean-Louis Tornatore e Noel Barbe (2006) denominam como “emoção patrimonial”. Para os autores, a emoção patrimonial coloca-se como uma reação frente ao ameaçador espectro da perda, e leva ao engajamento dos indivíduos na recuperação/reapropriação do objeto desaparecido ou em vias de dissolução.

Objetivo Geral

.1.Realizar estudos sobre a relação patrimônio, turismo e desenvolvimento sustentável a partir de experiências no sul e sudeste do Brasil.
2. Estabelecer critérios de análise e avaliação de experiências turísticas envolvendo patrimônio cultural e turismo.
3. Inserir dados da pesquisa em disciplinas ministradas em ambas as pós-graduações.
4. Desenvolver orientações, co-orientações e artigos conjuntos.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ARIADNE KETINI COSTA DE ALCÂNTARA527/08/201727/06/2019
DARLAN DE MAMANN MARCHI527/08/201728/02/2019

Página gerada em 10/08/2022 02:33:39 (consulta levou 0.039811s)