Nome do Projeto
Etnologia Ameríndia e Mitologia: Uma análise sobre a diversidade religiosa, as relações interétnicas e as políticas públicas do ponto de vista dos povos autóctones na América Latina, na América e noutras partes do mundo
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
08/01/2018 - 18/12/2020
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Humanas - Antropologia - Etnologia Indígena
Resumo
Baseado em estudos realizados por folcloristas, literários, cientistas e, sobretudo, americanistas, além do método etnográfico, o presente projeto de pesquisa visa desenvolver a partir das áreas de Etnologia Ameríndia e de Mitologia uma análise da diversidade religiosa (xamanismo), das relações interétnicas e das políticas públicas, para isso, tomando o ponto de vista dos povos autóctones sobre tais concepções e sobre as ações dos Estados nacionais. Tratando-se do universo de pesquisa, o mesmo abrangerá, de início, os Kaingang, os Mbyá-Guarani, os descendentes Charrua, Minuano, Guarani-missioneiros e Tapes (índio, pelo duro, pecuarista tradicional, gaúcho, peão, crioulo, mestiço, mestizo, criollos, changadores, paisanos, campesino, etc.), além de afrodescendentes, pescadores artesanais (marítimos e ribeirinhos) e demais coletivos tradicionais que habitam com ênfase na América do Sul. A partir da experiência etnológica e mitológica desses coletivos, esse projeto dialogará com as concepções e as práticas de outros povos originários que habitam na América e noutras partes do mundo. Esse projeto de pesquisa se vincula à linha de pesquisa “Comunidade, Rede e Performance” do Programa de Pós-Graduação em Antropologia (PPGAnt), e às linhas “Cosmologia, Mitologia e Memória”, “Relações Interétnicas, Etnicidade e Território” e “Universidade, Educação e Ações Afirmativas” do Núcleo de Etnologia Ameríndia (NETA).

Objetivo Geral

GERAL: Aprofundar os estudos etnológicos e mitológicos sobre a diversidade religiosa (xamanismo), as relações interétnicas e as políticas públicas delineadas pelos Estados nacionais, a partir do ponto de vista dos Kaingang, Mbyá-Guarani, descendentes Charrua, Minuano, Guarani-missioneiros e Tapes, além de afrodescendentes, pescadores artesanais e demais coletivos tradicionais que habitam com ênfase na América Latina, além de considerar a contribuição dos demais povos originários que vivem na América e noutras partes do mundo, valendo-se para tanto dos estudos realizados por folcloristas, literários, cientistas e, sobretudo, americanistas, além do método etnográfico. ESPECÍFICOS: Estudo das categorias dotadas de propriedades específicas que tornam possível o estabelecimento de determinadas conexões no pensamento sensível e mitológico dos povos ameríndios, considerando também os coletivos afrodescendentes, pescadores artesanais e demais coletivos tradicionais que habitam na América do Sul, além de considerar a contribuição dos demais povos originários na América e noutras partes do mundo. A partir da realização de etnografias, estudo da visão de mundo, estilo de vida, manejo dos espaços e territórios, cultura material e imaterial, divisão do trabalho por gênero e geração, a fim de revelar e de compreender a presença e a continuidade de uma matriz ameríndia entre tais coletivos. Apresentar e analisar as constelações mitológicas e astronômicas (presentes nos mitos) baseadas na origem e no devir de humanos, não-humanos e sobre-humanos em seus espaços e territórios, bem como, das manifestações religiosas e políticas, aspectos que serão reveladores do pensamento sensível dessas pessoas e das suas demandas por políticas públicas específicas. Estudar a situação sócio-econômica que se encontram essas pessoas em suas aldeias, vilarejos, espaços e territórios, bem como das formas de trabalhos que eles se vinculam. Conhecer as estratégias cotidianas dos ameríndios, afrodescendentes, pescadores artesanais e demais coletivos tradicionais em restabelecerem a continuidade temporal, apesar das rupturas e descontinuidades vivenciadas ao longo de suas trajetórias históricas, sociais e individuais. Subsidiar projetos, estudos de caráter científico e na implementação de políticas públicas (fundiária, saúde, ambiental, hídrica, saneamento básico, alimentação, educação, cultural, etc.) estabelecidas pelo Estado a tais coletivos.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALESSANDRO BARBOSA LOPES108/01/201818/12/2020
ANDRESSA SANTOS DOMINGUES108/01/201818/12/2020
CAROLINA AMORIM DA SILVA BITTENCOURT108/01/201818/12/2020
DIEGO FERNANDES DIAS SEVERO208/01/201818/12/2020
FELIPE NUNES NOBRE108/01/201818/12/2020
JOSIANE ABRUNHOSA DA SILVA ULRICH208/01/201818/12/2020
LORI ALTMANN108/01/201818/12/2020
MARIA HELOISA MARTINS DA ROSA108/01/201818/12/2020
RODRIGO OTÁVIO GOMES PEREIRA DO AMARAL GURGEL108/01/201818/12/2020
ROJANE BRUM NUNES108/01/201818/12/2020

Página gerada em 12/11/2019 11:42:10 (consulta levou 0.066784s)