Nome do Projeto
CASA BIOCLIMÁTICA NZEB E QUALIDADE DO LUGAR: Entrelaçando Experiências – Portugal e Rio Grande do Sul/BrasilCasa Bioclimática NZEB: Compartilhando Experiências para o caso Brasileiro
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
01/08/2018 - 31/07/2019
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Sociais Aplicadas - Arquitetura e Urbanismo - Tecnologia de Arquitetura e Urbanismo
Resumo
Objetiva-se, com os conhecimentos adquiridos, contribuir para o conhecimento da busca pela construção de edificações passivas de baixo consumo energético e baixas emissões de CO2, de elevado conforto e passíveis de construção a custos acessíveis. O projeto desenvolvido é a sequência da pesquisa Casa Bioclimática NZEB: Compartilhando Experiências para o caso Brasileiro fruto do edital CAPES/FAPERGS 12/2013 - Internacionalização da PPG/RS, por intermédio da qual estão sendo analisadas as possibilidades de adaptação do padrão Passivhaus ao contexto da Zona Bioclimática 2. Nessa pesquisa, além da adaptação ao contexto das Zonas Bioclimáticas 1 e 3, o método de pesquisa será aprimorado com o objetivo de estender a análise à viabilidade técnico-financeira de uma Passive House ao contexto bioclimático para as Zonas Bioclimáticas 1, 2 e 3. O método de pesquisa é caracterizado resumidamente na sequência com a apresentação das seis etapas de trabalho. Na primeira etapa foi desenvolvido o projeto de uma residência unifamiliar bioclimática observando os preceitos preconizados na Passive House Standard. Nessa etapa, já realizada para a Zona Bioclimática 2, observando preceitos bioclimáticos como implantação da edificação no eixo Leste-Oeste, permeabilidade da edificação no que diz respeito à ventilação natural e controle de radiação solar, como também os preceitos da Passive House, observando a baixa transmitância térmica do envelope, minimização das pontes térmicas, esquadrias de alto desempenho e ventilação mecânica com recuperação de calor, foi desenvolvido o projeto de uma residência unifamiliar. Embora no desenvolvimento de um projeto de arquitetura as questões referentes ao lugar sejam determinantes e muito particulares em cada projeto, a proposta definida para ser implantada no Campus Anglo da Universidade Federal de Pelotas, próxima às margens do Arroio São Gonçalo, Pelotas, RS, será analisada também para as Zonas Bioclimáticas 1 e 3. Na segunda etapa é analisado o desempenho da edificação projetada para as três zonas bioclimáticas observando os indicadores de desempenho caracterizados na Passive House Standard.Na terceira etapa será realizada a simulação termodinâmica da edificação para as três zonas bioclimáticas observando o RTQ-R como parâmetro de configuração.Na quarta etapa será realizado um estudo paramétrico observando a variação da transmitância térmica do envelope.A quinta etapa é a análise de viabilidade.

Objetivo Geral

Considerando a obrigatoriedade da certificação energética de edifícios no Brasil (a partir de agosto de 2014 para edifícios públicos em nível federal) e a tendência para que se construam futuramente Nearly Zero-Energy Buildings (nZEBs), aliada à necessidade de produção de unidades habitacionais com elevado conforto e de muito baixo consumo energético, pretende-se com este projeto atingir o seguinte objetivo geral:
• Verificar as possibilidades de adaptação do padrão Passivhaus ao contexto das zonas bioclimáticas 1, 2 e 3;
Como objetivos específicos, destacam-se:
• Incrementar e desenvolver soluções construtivas adaptando os requisitos e conceitos Passivhaus às zonas bioclimáticas brasileiras 1, 2 e 3;
• Comparar a eficiência energética das edificações nas três zonas bioclimáticas brasileiras 1, 2 e 3 com base nos indicadores da Passive House e do RTQ-R;
• Desenvolver e analisar, sob o ponto de vista econômico, da implementação destas medidas na construção de forma a torná-las eficientes e que respondam às necessidades locais;
• Criar uma base de dados de detalhes construtivos adaptados à realidade brasileira, incluindo os sistemas de ligações dos vários elementos e componentes construtivos que visem a compatibilização e consequentemente a eliminação de perdas energéticas (eliminação de pontes térmicas lineares);
• Divulgar os resultados em periódicos e eventos (nacionais e internacionais), a fim de fomentar a troca de experiências acadêmicas no tema;
• Envolver os discentes dos cursos de Arquitetura e Urbanismo (graduação e pós-graduação) e de Engenharia Civil (graduação), através de sua participação em projetos de Iniciação Científica ligados à Pesquisa; e também da atualização de conteúdos em disciplinas obrigatórias e eletivas ligadas aos assuntos “Sustentabilidade no ambiente construído”, “Desempenho Térmico”, “Arquitetura Bioclimática” e “Eficiência Energética” (Arquitetura) e Certificações nas Edificações (Engenharia Civil);

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
AMANDA ROSA DE CARVALHO2001/08/201831/07/2019
ANTONIO CESAR SILVEIRA BAPTISTA DA SILVA101/07/201530/06/2016
CAROLINA MACHADO BELTRAME1201/07/201631/07/2017
CELINA MARIA BRITTO CORREA101/07/201530/06/2016
FRANCIÉLE PETRI DE FREITAS2001/08/201831/07/2019
ISABEL TOURINHO SALAMONI101/07/201530/06/2016
MEGAN POLNOW GNUTZMANN2001/08/201831/07/2019
RENATA DALBEM401/08/201731/07/2018
RODRIGO KARINI LEITZKE2001/08/201831/07/2019
STIFANY KNOP1001/08/201831/07/2019

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
FAPERGS (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul)R$ 235.000,00

Página gerada em 14/11/2019 20:01:53 (consulta levou 0.081606s)