Nome do Projeto
Mulheres que viajam sozinhas: um estudo de gênero, raça e sexualidade no Turismo
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
06/05/2019 - 31/12/2020
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Sociais Aplicadas - Turismo
Resumo
Esta proposta de pesquisa insere-se nos estudos feministas e de gênero no Brasil, está vinculado ao Grupo de Pesquisa D’Generus (UFPel), e trata da experiência de mulheres brasileiras viajando sozinhas ou sem companhia masculina em destinos nacionais e internacionais, utilizando redes colaborativas de viagens e hospedagens, predominantemente, femininas. O objetivo deste trabalho é investigar os limites e as possibilidades do Turismo e das viagens no empoderamento de minorias sociais e superação de estereótipos a partir da experiência das redes colaborativas de viagens entre mulheres viajantes e anfitriãs. Segundo Antonioli (2015), durante muito tempo, incidiram sobre as mulheres e suas liberdades de deslocamento fatores relacionados, além de condições financeiras e gostos de classe, constrangimentos intrinsecamente atrelados ao fato de serem mulheres, fato que persiste ainda hoje. Em se tratando de mulheres brasileiras em viagens internacionais, elas ainda estão sujeitas às violências relacionadas ao estigma de um “corpo colonial” alvo da opressão dos colonizadores, um corpo visto como disponível (GOMES, 2013). Nesse sentido, emerge a questão central desta pesquisa: em que medida o Turismo pode contribuir para o empoderamento de minorias sociais e superação de estereótipos a partir da experiência das redes colaborativas de viagens entre mulheres viajantes e anfitriãs? Para tal, pretende-se realizar uma pesquisa descritivo-exploratória em hashtags, blogs e grupos colaborativos de viagens, bem como a realização de entrevistas semiestruturadas, em que serão abordados temas relativos a estereótipos, empoderamento de minorias, visibilidade, representações sociais em termos de gênero, raça, etnicidade, nacionalidade e sexualidade, dificuldades e peculiaridades em se viajar sozinha ou sem companhia masculina, o estabelecimento de laços com anfitriões ou outras mulheres viajantes. Tais etapas serão realizadas associadas a leituras sobre feminismo, mulheres viajantes, reflexões sobre a imagem e o imaginário da mulher brasileira e, por fim, estudos sobre migrações e turismo a partir de uma visão pós-colonial.

Objetivo Geral

Objetivo geral:
Investigar os limites e as possibilidades do Turismo e das viagens no empoderamento de minorias sociais e superação de estereótipos a partir da experiência das redes colaborativas de viagens entre mulheres viajantes e anfitriãs.

Objetivos específicos:
 Compreender as representações sociais em termos de gênero, raça e sexualidade que permeiam as viagens turísticas realizadas por mulheres brasileiras que viajam sozinhas ou sem companhia masculina, em destinos nacionais e internacionais.
 Analisar as experiências de viagens de mulheres brasileiras, seus perfis sociais e suas percepções sobre gênero, raça, sexualidade e estereótipos no Turismo;
 Analisar os limites e as possibilidades na construção de redes colaborativas de viagens entre mulheres viajantes e anfitriãs, a partir da experiência de plataformas e grupos colaborativos de viagens e hospedagens femininas, tais como: Woman Trip, “Na Estrada com as Minas”, SisterWave, “Couch das mina e trans”, “Couchsurfing das Minas”, “Mulheres que viajam e Mochileiras”, “Mulheres Viajantes Solidárias”, entre outras.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANDRÉIA SKUPIEN BIANCHINI606/05/201931/12/2019
HELENA DE JESUS ALMEIDA406/05/201931/12/2020
INARA DE OLIVEIRA DA LUZ119/08/201916/08/2020
ISADORA RIBEIRO AVILA419/08/201916/08/2020
KETRIN CRISTINA GABRIEL406/05/201931/12/2020
MARCUS VINICIUS SPOLLE206/05/201931/12/2020
NATHALIA FABIANE DA CRUZ LEAL506/05/201931/12/2020

Página gerada em 23/01/2021 20:56:04 (consulta levou 0.094369s)