Nome do Projeto
Museu Itinerante de Parasitologia: vivenciando os saberes do aprendizado
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
01/07/2019 - 01/07/2022
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Biológicas
Eixo Temático (Principal - Afim)
Educação / Saúde
Linha de Extensão
Saúde humana
Resumo
O ensino de ciências nas escolas abrange diversas disciplinas, as quais devem possibilitar a construção de um conhecimento crítico, dentro e fora do âmbito escolar, de forma que esse seja significativo para o aluno em sua vida em sociedade. Porém, é possível notar que os alunos têm muita dificuldade de estabelecer as relações entre os conceitos aplicados às Ciências da Natureza e o seu cotidiano, área em que o conhecimento, via de regra, é mais voltado para a memorização do que a capacidade de descoberta e criatividade dos alunos, resultando em um desinteresse por parte dos educandos pelas Ciências. Dentre as várias iniciativas de alfabetização científica, como programas na televisão, revistas, filmes, jornais, entre outros, podemos destacar as atividades presentes nos centros e museus de ciências, com o objetivo de aumentar o nível de conhecimento e capacitação do cidadão em ciência e tecnologia, por meio de ação informal. Estratégias interativas de ensino tais como a adoção de maquetes e modelos didáticos, dinâmicas, jogos, entre outras, possibilitam que o aluno identifique situações da sua própria vida, propiciando a geração de diálogos sobre o seu cotidiano, práticas e riscos aos quais está sujeito. Enfim, através da utilização adequada de estratégias educativas é possível promover uma reflexão sobre sua saúde e sua vida, num contexto de troca com os colegas e os mediadores. De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), o tema saúde deveria ser abordado transversalmente ao currículo, no qual se entende Educação para a Saúde como fator de promoção e proteção à saúde e estratégia para a conquista dos direitos de cidadania. Sua inclusão no currículo responde à uma forte demanda social, num contexto em que a proposta constitucional em prática requer o desenvolvimento de consciência sanitária da população, para que o direito à saúde seja encarado como prioridade. Neste contexto, as doenças parasitárias são importantes do ponto de vista social nos educandários, por produzirem déficit orgânico, afetando o desenvolvimento normal das crianças e limitando a capacidade cognitiva em geral. Diante disso, o reforço da educação em saúde no controle das parasitoses é de suma importância, pois é uma estratégia de baixo custo, contudo, capaz de atingir resultados significativos e duradouros.

Objetivo Geral

Objetivo Geral:
- Realizar a divulgação do conhecimento científico sobre os principais parasitos da região e as doenças decorrentes dos mesmos, através de um Museu Itinerante de Parasitologia.

Objetivos específicos:
- Levar informações sobre o ciclo biológico, meios de transmissão e principais sintomas associados aos endo e ectoparasitos explanados;
- Diferenciar os tipos de parasitos e suas respectivas medidas profiláticas;
- Promover a conscientização da comunidade escolar em relação aos bons hábitos de saúde;
- Disseminar o conhecimento aos alunos, para que os mesmos possam se tornar multiplicadores das informações científicas abordadas.

Justificativa

No Brasil, são ainda incipientes intervenções acadêmicas no âmbito do ensino de ciências que considerem o tema saúde pública e doenças (infecções) parasitárias. Há escassez de atividades práticas voltadas para esta temática, contribuindo, deste modo, para um menor interesse dos docentes acerca do tema nas disciplinas curriculares de ciências e biologia. O assunto merece atenção uma vez que em nosso país é notável a escassez de serviços voltados ao saneamento básico, o constitui um fator de risco para aquisição de parasitoses. Ademais, o projeto justifica-se uma vez que diferentes pesquisas realizadas pelo nosso grupo tem identificado elevada prevalência de helmintos e protozoários intestinais em diferentes populações do Rio Grande do Sul, com índices que chegam a ultrapassar 50% de positividade, e o conhecimento de escolares da rede pública da região mostrou-se insuficiente sobre as "verminoses", denotando uma visão pouco prática sobre o assunto. Por fim, considerando que o indivíduo, quando se apodera do conhecimento, torna-se modificador da sua realidade, tal abordagem mostra-se essencial.

Metodologia

O presente projeto será realizado com base na elaboração de um Museu Itinerante de Parasitologia, o qual terá como enfoque educação em saúde através de medidas de intervenções educativas que podem influenciar ações que favoreçam a prevenção de infecções parasitárias.
Participarão desse projeto os alunos do 3º ao 5º ano do Ensino Fundamental, de diferentes escolas públicas municipais de Pelotas- RS (pretende-se atingir, no mínimo, 15 escolas localizadas nas regiões mais carentes de Pelotas). Esta população foi escolhida pelo fato de que, geralmente, tal público constitui um dos mais acometidos, tanto pelas parasitoses intestinais (verminoses e giardíase), quanto pelos ectoparasitos (sobretudo piolhos - Pediculus humanus capitis) além das crianças serem consideradas eficientes replicadores do conhecimento no meio em que vivem.
A estrutura e a apresentação do Museu Itinerante de Parasitologia, consistirá em levar exemplares das espécies parasitárias para, juntamente com auxílio de material em Power Point, será explicado os aspectos morfológicos e patogênicos desses parasitos, com ênfase nos seus meios de transmissão, sinais e sintomas e medidas profiláticas/preventivas. O Museu contará com 02 microscópios e 02 estereomicroscópios (lupas) (equipamentos já disponíveis no Laboratório de Parasitologia Humana), os quais serão acomodados nas salas de aula para que os alunos possam visualizar os parasitos adultos e suas formas infectantes (ovos, larvas, proglotes e cistos). Também farão parte do Museu modelos didáticos e maquetes de alguns parasitos, além de atlas, com o intuito de esclarecer diferentes aspectos destes seres. Os parasitos abordados no projeto serão: Taenia saginata e Taenia solium (solitária), Ascaris lumbricoides (lombriga), Giardia lamblia, Pediculus capitis (piolho) e Aedes aegypti (mosquito transmissor da dengue).
Após essa primeira parte de desenvolvimento do projeto será desenvolvido um jogo didático de tabuleiro, em grupo, com perguntas abrangendo os temas trabalhados.
Cumpre informar que após a apresentação do Museu Itinerante de Parasitologia, será disponibilizada à escola uma cartilha ilustrada sobre as parasitoses abordadas, com enfoque na adoção de medidas adequadas de higiene e ações profiláticas, a fim de contribuir na disseminação/manutenção do conhecimento à toda comunidade escolar. Também será entrega para, cada participante, um folder com as ações essenciais para "combater", prevenir os parasitos visualizados.

Indicadores, Metas e Resultados

- Ampliar o conhecimento teórico e prático dos educandos e professores sobre os principais parasitos que ocorrem em Pelotas e região sul do RS;
- Procurar fazer com que as informações adquiridas mudem alguns hábitos de higiene e comportamentais dos escolares;
- Estimular os educandos a divulgarem o que foi visto/aprendido entre seus amigos e familiares;
- Diminuir a frequência das infecções parasitárias nos grupos contemplados pela atividade.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
AIRAN DE QUEVEDO FERNANDES
ANDREI MORAIS BARBOSA
BEATRIZ DE FREITAS CORRÊA
BRENDA PERES DUTRA
FRANCINE RODRIGUES PEDRA
GABRIELA MEDEIROS FERREIRA
INGRID PAOLA NEVES TUCHTENHAGEN
MARCOS MARREIRO VILLELA
MARIA OTÍLIA FARIAS LOPES DE MOURA
NILSEIA FEIJO DA SILVA
VERÔNICA PORTO GAYER
VINICIO DA SILVA MARTINS JUNIOR
ÍTALO FERREIRA DE LEON

Página gerada em 23/01/2021 20:09:09 (consulta levou 0.099928s)