Nome do Projeto
Biotec Para Crianças
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
05/06/2023 - 20/12/2024
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Multidisciplinar
Eixo Temático (Principal - Afim)
Saúde / Educação
Linha de Extensão
Saúde humana
Resumo
A Universidade tem um importante papel na divulgação científica, cabendo a ela a função de aproximar da população o conhecimento sobre ciência e fazendo com que esta seja reconhecida em seu cotidiano. Uma das maneiras para isso ocorrer através de atividades de extensão. A Biotecnologia é uma área que aplica o conhecimento científico-tecnológico de forma multidisciplinar, a qual tem como objetivo a obtenção de produtos, processos ou serviços utilizando seres vivos, suas partes ou sistemas funcionais. A falta de informações corretas sobre temas relacionados à biotecnologia pode gerar conceitos errôneos. Dessa forma, visando principalmente desmistificar conceitos e divulgar a biotecnologia enquanto ciência foi criado o projeto de extensão Biotecnologia para Crianças, desenvolvido por docentes e discentes da Universidade Federal de Pelotas.

Objetivo Geral

O objetivo do presente trabalho será difundir a biotecnologia nos seus mais diversos enfoques a partir de temas relacionados com a saúde, usando para isso exemplos de boas práticas de higiene pessoal para as crianças da educação infantil e ensino fundamental. Além disso, pretende-se desenvolver material didático para uso dos professores e assim dar continuidade ao projeto de forma institucionalizada na escola.

Justificativa

A extensão universitária tem papel importante na divulgação científica, contribuindo
para que a população adquira conhecimento científico-tecnológico e identificando
sua presença em seu cotidiano. Segundo Schmidt (2011), programas de extensão
universitária tornaram-se o elo necessário e transformador do compromisso social que
as universidades apresentam com a comunidade.
A Universidade pode colaborar para o entendimento público da ciência e da
tecnologia que devem ser percebidas como necessidades para a humanidade (LORENZETTI
& DELIZOICOV, 2001). Krasilchik e Marandino (2007) apontam que os cidadãos,
além de serem alfabetizados, devem ser educados cientificamente. Sendo assim,
acreditam que não se deve só saber ler e escrever sobre ciência, mas cultivar e exercer
as práticas sociais envolvidas com ela, fazendo parte da cultura cientiífica. Não obstante,
Ribeiro & Benite (2013) refletem sobre a necessidade do cidadão possuir conhecimento,
compreensão e consciência da ciência e da tecnologia na sociedade. Garcia
(2013) destaca a importância do conhecimento científico para os estudantes, e salienta
que há necessidade de que estes devem ser preparados para que consigam posicionar-
se diante de situações e que consigam formular opiniões de maneira fundamentada.
Em seus estudos, o pesquisador Fourez (1994), argumenta a necessidade dos cursos
de ciências na escola básica prepararem os alunos para se relacionarem com a ciência
e tecnologia.
Porém, ainda hoje, a divulgação científica no que tange a aproximar a academia
da comunidade, permanece como um desafio para o profissional Biotecnologista, onde
diversos autores têm demonstrado que a área da divulgação científica caminha em
passos lentos e tímidos.
Uma das formas de apresentar o conhecimento científico na escola é através de
atividades práticas, tendo em vista que elas contribuem para o processo de letramento
científico de ensino-aprendizagem. O processo de formação resulta de experiências que
transcendem o campo teórico e prático, e através de atividades práticas há incentivo à
curiosidade e ao interesse de investigação (BARBOSA, PAULO & RINALDI, 1999).
Segundo Piaget (2003), provocar a atividade prática, estimulando a procura do conhecimento,
é educar.
Dessa forma, visando principalmente a desmistificar conceitos e divulgar a
biotecnologia e suas bases científico-tecnológicas, aproximando a academia da comunidade,
é que atividades de extensão, propostas pelo Projeto Biotecnologia para
Crianças, são desenvolvidas pela Unidade de Biotecnologia do Centro de Desenvolvimento
Tecnológico da UFPel, contando com a cooperação de acadêmicos, professores
e técnico-administrativos do Curso de Bacharelado em Biotecnologia e do Programa de
Pós-Graduação em Biotecnologia.
Apesar de a Biotecnologia ser uma área da ciência em desenvolvimento
há milhares de anos, muitas pessoas têm a percepção de que esta é relativamente
recente e, por isso, a falta de conhecimento sobre o assunto leva a
interpretações equivocadas. Frente a isso, a Biotecnologia abrange de forma multidisciplinar diferentes áreas de aplicação de conhecimento científico-tecnológico e tem como objetivo a obtenção de
produtos, processos ou serviços utilizando seres vivos, suas partes ou sistemas funcionais
(MANFREDI, 2003). As informações provenientes da mídia ainda são muitas vezes
apresentadas sem o devido embasamento, o que tem contribuído para uma incompreensão
definitiva sobre o tema (SILVA et al., 2014). A falta de informações sobre
temas relacionados à biotecnologia gera conceitos errôneos sobre suas aplicações.

Metodologia

O presente projeto será realizado na Escola Municipal de Ensino Fundamental Bibiano de Almeida, que está localizada na cidade de Pelotas – Rio Grande do Sul, no bairro Areal, e oferece à comunidade os níveis de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Programa de Educação de Jovens e Adultos – PEJA, possuindo capacidade de atendimento a mais de 600 alunos.

Participarão das atividades do projeto estudantes do Ensino Fundamental e Educação Infantil, com idades entre 5 anos e 12 anos. As intervenções serão realizadas com discentes de ambos os gêneros, durante o 2º semestre do ano de 2023, com atividades quinzenais.
As atividades iniciais ocorrerão concomitantemente e devem contemplar, primeiramente,
palestras com um viés construtivista, trazendo conceitos e noções sobre higiene
pessoal e saúde pública, a fim de introduzir a área da biotecnologia. Os participantes
serão encorajados a fazer perguntas e expor seus conhecimentos prévios durante a
apresentação. A partir disso, serão feitas pequenas quebras na linearidade do que seria
uma palestra tradicional, tornando a atividade mais dinâmica e atrativa para os
discentes, sendo que os mesmos serão instigados a participar e expor suas dúvidas
sobre o tema abordado.


Para isso, serão desenvolvidas atividades didáticas, incentivando o letramento científico, abordando os temas higiene, saúde e biotecnologia. Para tanto, atividades práticas de visualização em microscopia óptica de vermes parasitas, bactérias e fungos serão realizadas.
Além disso, oficinas de produção de pães, cultivo de bactérias e criação de microrganismos com materiais recicláveis serão estratégias usadas. Como dinâmica, os alunos serão questionados a respeito de hábitos de higiene, saúde e alimentação saudável. Sendo assim, serão levados a refletir sobre a importância de bons hábitos de higiene pessoal, do ambiente onde vivem e sobre medidas de saneamento básico e, em seguida, conceitos sobre biotecnologia e sua relação com os temas abordados anteriormente serão introduzidos.

Para abordar o tema referente a bactérias e fungos, mencionados como “microrganismos
maus” conforme exposto anteriormente, serão utilizadas placas de Petri
contendo meio de cultura, para demonstrar de forma prática a presença de microrganismos
em nosso corpo. Os estudantes serão selecionados conforme as seguintes características:
mãos sujas e mãos lavadas, cabelo lavado e não lavado, unhas compridas e
unhas curtas, boca com dentes escovados e dentes não escovados, para que seja
possível fazer as comparações. Para isso, alguns alunos serão convidados a realizar
esfregaço das amostras anteriormente mencionadas, com auxílio de cotonete previamente
esterilizado. Posteriormente à realização do esfregaço, incubou-se em placas de
petri contendo Ágar nutriente. As placas serão identificadas com o tipo de amostragem
e serão deixadas aos cuidados dos alunos e professoras. Após sete dias, eles devem
observar se houve crescimento de algum tipo de microrganismo e se houve diferença
entre as amostras. Em seguida, as crianças devem relatar sua conclusão para a
professora e fazer um desenho sobre a aprendizagem das mesmas.
Uma nova visita será agendada com a turma para recolher os desenhos e melhor explanar sobre o crescimento microbiológico. Tendo isso em vista, será possível reafirmar a necessidade dos hábitos de higiene pessoal e de saneamento básico, sendo possível correlacionar esse tema com aplicações da Biotecnologia moderna.
Por fim, será realizada uma atividade de montagem de microrganismos com diferentes materiais recicláveis, a fim de disseminar melhor os conceitos relacionados à biotecnologia e proporcionar aos
professores modelos educativos para trabalhar a higiene pessoal com as crianças, principalmente das séries iniciais.

Indicadores, Metas e Resultados

Como indicadores, serão observados o número total de alunos e professores atingidos, turmas e com base nas respostas e material recolhido junto aos alunos espera-se que estes passem a entender a importância dos bons hábitos de higiene, cuidados com a saúde e dos medicamentos produzidos por práticas biotecnológicas.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CAMILA GARCIA DE SOUZA
CHRYSTIAN NUNES GONCALVES
DANILLO DE OLIVEIRA DELLA SENTA
FABRICIO ROCHEDO CONCEICAO1
João Pedro Gomes Greco
LUCIANO DA SILVA PINTO1
Thalita Collares Alves
VILSON BORBA PINTO1

Página gerada em 15/04/2024 18:38:51 (consulta levou 0.166516s)