Nome do Projeto
Jornada de História Antiga
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
01/03/2020 - 01/03/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas
Eixo Temático (Principal - Afim)
Educação / Cultura
Linha de Extensão
Divulgação científica e tecnológica
Resumo
Em 1992, em uma parceria com o Simpósio de História Antiga da UFRGS e com a área de Antiga da FURG, foi organizada a I Jornada de História Antiga - JHA/UFPel, que consolidou uma das principais marcas do encontro: a integração inter-institucional e a cooperação acadêmica. Na década em curso, consolidaram-se parcerias interinstitucionais contínuas com a UFRJ (PPG - Letras Clássicas), UERJ (Núcleo de Estudos da Antiguidade) e USP (Taphos - Laboratório de Práticas Mortuárias e LARP - Laboratório de Arqueologia Provincial Romana. O objetivo da Jornada foi sempre fomentar o estudo da Antiguidade, com o foco na História, mas sempre com um intenso diálogo com as disciplinas irmãs, com o Latim, a Filosofia, o Direito e, destacadamente, com a Arqueologia. Trazer a Pelotas pesquisadores relevantes, de escala estadual, nacional e internacional, foi sempre um dos objetivos. Assim para os eventos, já vieram, para citar alguns exemplos de pesquisadores vinculados a instituições estrangeiras, o assiriólogo Johannes Renger (1994, Universidade Livre de Berlim), referência internacional nos estudos hammurabianos, Jean Andreau (2012, École des Hautes Études en Sciences Sociales), autor referencial nos estudos da Economia romana, e Jean-Michel Carrié (2013, École des Hautes Études en Sciences Sociales), respeitado historiador francês da Antiguidade Tardia, ex-editor da revista Annales, a historiadora Denise Bloch (2013, Paris X - Nanterre), discípula do Henri-Irinée Marrou; o epigrafista português José de Encarnação (2003 e 2008, Coimbra). Na última edição, em 2019, participaram seis palestrantes estrangeiros (do Uruguai, Argentina, Itália e França), entre eles, Christophe Vendries (Univ. Rennes, Fr.), Sylvain Perrot (CNRS), Eleonora Rocconi (Univ. Pavia, It.) e Daniela Castaldo (Univ. del Salento, It.) Em termos nacionais, Emanuel Bouzon, Neyde Theml, Maria Beatriz Florenzano, Norma Musco Mendes, André Leonardo Chevitarese, Pedro Paulo Abreu Funari, Norberto Guarinello, Margaret Bakos, Marina Cavicchioli, Katia Pozzer, Anderson Martins, para citar apenas alguns. A integração com a área de Medieval marcou duas edições: 1994 e 2010. Em 1994, veio a Pelotas Hilário Franco Júnior. Em 2010, com a organização conjunta da colega Rejane Barreto Jardim, trouxemos alguns medievalistas brasileiros, como Andréa Frazão. Em algumas edições, a jornada se irmanou à realização de eventos nacionais, como o Congresso da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos, em 2003, e o Encontro Nacional de História Antiga, vinculado ao GTHA-ANPUH, em 2008. Mas as Jornadas também tiveram o objetivo de estimular nossos estudantes a desenvolverem e exporem suas pesquisas na área. Inicialmente, em nível de Iniciação Científica ou TCC. Mais tarde, alguns fizeram especialização ou mestrado na área. Hoje, com o Mestrado de História, temos mestres pesquisadores na área de História Antiga na UFPel. Tudo isto sempre estimulou a, no ano seguinte, juntar forças para uma nova jornada. Sempre contamos com apoio do departamento e dos técnicos administrativos da unidade. A Jornada sempre se preocupou em promover o diálogo entre a academia e os setores externos à universidade, como a comunidade escolar (professores e estudantes), promovendo inclusive atividades artístico- culturais com o escopo de explorar outras linguagens de abordagem dos estudos da Antiguidade.

Objetivo Geral

Objetivo geral:
1. Divulgação e promoção da pesquisa focada na História Antiga

Objetivos específicos
1. Capacitação e atualização de professores da rede de ensino;
2. Estímulo aos estudantes de graduação para o estudo da História Antiga;
3. Integração, na área, com pesquisadores e estudantes de universidades brasileiras e estrangeiras;
4. Oportunizar contato com pesquisadores destacados, de nível nacional e internacional;
5. Fomentar publicações resultantes das pesquisas acadêmicas de graduação e pós-graduação;
6. Estimular os diálogos interdisciplinares no interior da própria UFPel;
7. Aprofundar os debates sobre as conexões entre o Mundo Antigo e o Mundo Moderno;
8. Atender a demanda de público em geral com interesse pela área.
9. Promover estratégias de integração aos cursos pré-universitários populares existentes em Pelotas e região.

Justificativa

O interesse pela História Antiga, evidenciado ao longo dos 28 anos de história e vinte edições precedentes do evento, realizadas desde 1992, justifica a transformação da jornada em um evento permanente do Departamento de História. Diversas demandas somam-se para justificar este interesse:
1) capacitação de professores de História e áreas afins da rede de ensino local e regional;
2) atualização de egressos do curso de História da UFPel e outras universidades regionais;
3) fomento ao estudo e pesquisa em Antiguidade entre alunos do ensino superior;
4) aprofundamento da perspectiva interdisciplinar nos estudos do Mundo Antigo na UFPel e região, havendo um histórico de parceria e diálogo na área com professores de Direito, Filosofia, Arqueologia, Artes, Letras e Música, além da interface com a rede escolar.

Por outro lado, o avanço da grande área de Ciências Humanas na UFPel, com a criação e consolidação de vários PPGs (História, Letras, Filosofia, Memória & Patrimônio, Antropologia & Arqueologia, Ciências Sociais, Ciência Política, Arquitetura, Artes, Educação) traduz um crescimento e valorização destas áreas em nossa universidade, tornando ainda mais importante a institucionalização de eventos que já se tornam tradicionais e
de reconhecimento nacional, dada a sua regularidade e qualidade da programação.
O Laboratório de Estudos da Cerâmica Antiga, projeto de extensão permanente, tem a estrutura de apoio e equipe qualificada para a organização das edições vindouras da JHA.

Metodologia

1. Alternância entre dois formatos: jornadas nacionais e jornadas internacionais, desde a década de 1990.
a) Jornadas Internacionais: sistema fechado, de apresentação de trabalhos por meio de convite a esquisadores consolidados e renomados. Inclusão de palestrantes internacionais. Visa a oportunizar o contato com pesquisadores de renome internacional e nacional, com a pesquisa de ponta. O formato inclui:
- Mesas-redondas com palestrantes locais, regionais e nacionais;
- Conferências com pesquisadores internacionais;
- Minicursos.
b) Jornadas Nacionais: sistema aberto à inscrição de trabalhos, sob forma de comunicações ou mesas redondas. Visa a estimular estudantes de graduação e pós-graduação a apresentarem trabalhos, promovendo o
diálogo entre estudantes de diferentes universidades e professores pesquisadores convidados. O formato inclui:
- Minicursos;
- Sessões de comunicações com trabalhos inscritos por estudantes, com aval de orientadores;
- Mesas redondas com palestrantes regionais e nacionais, convidados ou mediante proposta;
- Conferências com pesquisadores nacionais renomados.

2. Com o objetivo de articular os diferentes públicos alvo do evento, a organização da jornada recorre a diferentes estratégias:
- divulgar junto a professores da rede, por meio de contato com a SMED e 5a CRE;
- divulgar junto a estudantes de diferentes cursos da área de Humanas da UFPel, por meio das redes sociais;
- articular na organização e programação professores de diferentes cursos da Universidade com interesse potencial pela área, nomeadamente Letras, Direito, Filosofia, Artes, Música e Arqueologia;
- divulgar nos cursos de História da região (nomeadamente FURG, UNIPAMPA e UFSM) que tradicionalmente encaminham alunos e professores ao evento; - articular com professores dos cursos de História da região para participarem como palestrantes.
3. Atividades complementares: Uma vez que a jornada é concebida como um evento amplo, em que seus conteúdos e aprendizados extrapolam as situações e momentos formais do evento, a organização procura proporcionar atividades paralelas, como apresentações artístico-culturais ligadas ao conteúdo do evento, ou tour com os visitantes (estudantes e professores) junto ao patrimônio cultural local.

Indicadores, Metas e Resultados

Indicadores:
1. publicação de cadernos de resumo on line indexado com ISSN/ISBN;
2.publicação de dossiês temáticos com papers provenientes das jornadas em periódicos científicos avalizados e mínimo estrato médio em Qualis B3 (novo A4/B1).
3. nas edições internacionais, publicação de coletânea sob forma de livro em editora universitária;
4. direcionar produção discente para periódicos discentes ou publicação em coautoria.
5. que estudantes que participem do evento realizem TCC, dissertação ou doutorado na área.

Metas:
1. Atingir professores da rede de ensino e estudantes do nível médio.
2. Promover contato entre estudantes e pesquisadores locais com estudantes e pesquisadores de outras instituições, brasileiras e estrangeiras.

Resultados esperados:
Público: média de 20 professores da rede; 10 estudantes de ensino médio; 150 estudantes universitários de graduação, destes 20% de outras universisdades; 30 estudantes de pós-graduação, destes 30% de outras universidades.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
AMANDA BASILIO SANTOS
ANA JULIA DOS SANTOS
CAROLINA KESSER BARCELLOS DIAS
CAROLINE MELO ARMESTO
DANIEL INACIO BECKER
DANIELE GALLINDO GONCALVES2
EDWARD DUTRA DOS ANJOS
FABIO VERGARA CERQUEIRA3
ISABELLE BRANCAO CHAVES
ISADORA LEBEDEFF CAMARGO
JESSICA ESPIRITO SANTO DA SILVEIRA
JOAO PEDRO VITORIANO FABRI
JOÃO GOMES BRAATZ
JÉSSICA RENATA SANTOS SILVA
MANOEL LUIS CARDOSO VASCONCELLOS1
Milena Rosa Araújo Ogawa
Milena Rosa Araújo Ogawa
PAULA BRANCO DE ARAUJO BRAUNER1
PEDRO GILBERTO DA SILVA LEITE JUNIOR1

Página gerada em 26/09/2021 05:51:15 (consulta levou 0.109550s)