Nome do Projeto
Mais Juntas
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
04/05/2020 - 04/05/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Sociais Aplicadas
Eixo Temático (Principal - Afim)
Direitos Humanos e Justiça / Trabalho
Linha de Extensão
Desenvolvimento regional
Resumo
Este projeto tem a preocupação central de fortalecer os três pilares da universidade: ensino, pesquisa e extensão. Pretende-se, a partir do foco em uma situação de vulnerabilidade, criar soluções com vistas a suprir, ao menos em parte, as necessidades dos atores do território, e assim, promover o desenvolvimento regional. De modo a cumprir com o propósito, visa-se inicialmente suscitar a curiosidade epistemológica nos acadêmicos e nos pesquisadores (FREIRE, 1997; 2001; 2004; 2011; CUNHA, 2014; BOLZAN, 2017). Para tanto, a atuação junto aos atores do território eleito para o desenvolvimento do projeto será feita pelos próprios acadêmicos, pesquisadores e professores. A situação de vulnerabilidade sobre a qual se planejam as ações deste projeto é a violência contra mulheres e meninas. A escolha pode ser justificada pela defesa da ONU Mulheres de que uma mulher empoderada, empodera pelos menos quatro futuras gerações. Sob a lente empresarial, a ONU Mulheres (2017) afirma que o empoderamento de mulheres é um mecanismo de promoção de avanço econômico para toda a sociedade. Ações de pesquisa serão realizadas no que tange ao mapeamento acerca da situação de violência, de métodos criados para trabalhar com o público sensibilizado (mulheres em situação de violência) e quanto ao desenvolvimento metodológico para a criação de um Living Lab (LL) (o que gerará um TCC no Curso de Superior de Engenharia de Produção). Ações de extensão serão desenvolvidas junto a comunidade com a oferta de palestras, workshops, consultorias jurídicas e psicológicas, criação de redes sociais do Projeto, disseminação de informações e a própria criação do Living Lab. No que se refere a ações de ensino, workshops oferecidos a comunidade são desenvolvidos pelos alunos (alunos planejarão e desenvolverão workshops sobre empreendedorismo, finanças, estoque sobre orientação de professor), palestras e workshops serão realizados para disseminação de informações na UFPel. É importante explicar que a metodologia de LL, ou de laboratórios vivos, é a constituição de espaços de construção, onde diferentes atores trabalham juntos para cocriar, desenvolver, validar e testar novos serviços, negócios, mercados e tecnologias sociais (ENOLL, 2017). Esta proposta constitui uma união entre organizações não governamentais (ONGs), universidade, governo, iniciativa privada e comunidade. O principal objetivo de um LL é o atendimento das necessidades sociais e humanas, até então não atendidas pelos diferentes atores sociais presentes. Torna importante destacar que a constituição de um LL deve obedecer a cinco critérios: (a) Cocriação; (b) Envolvimento ativo; (c) Abordagem multi-método; (d) Participação de todos stakholders; e, (e) considerar situações reais (ENOLL, 2017). Assim, tem-se a expectativa de obter a escuta ativa das mulheres com vistas a contribuir para o desenvolvimento de tecnologias sociais sustentáveis, de baixo custo e com potencial para replicação, que melhor supram as necessidades dessas protagonistas. Assim, a escuta ativa e o comprometimento possibilitará a cocriação de duas tecnologias sociais, uma delas paliativa e a outra preventiva. Como fim, visa-se o empoderamento das protagonistas e sua inserção no mercado de trabalho.

Objetivo Geral

Esta proposta tem o objetivo geral de promover suporte à mulheres e meninas em situação de vulnerabilidade para o empoderamento dessas, além de sensibilizar a comunidade (em especial a comunidade universitária da UFPel) sobre o assunto.


Como objetivos específicos do Projeto, tem-se:

- Companhas de sensibilização sobre assédio e violência contra a mulher;

- Prover mulheres e meninas de informações a respeito de violência e assédio, bem como formas de denunciar;

- Através da metodologia de Living Lab (LL), compreender e atender as reais necessidades das mulheres em situação de vulnerabilidade e violência, mais especificamente das mulheres vítimas de violência e abuso, a fim de empoderá-las.

- Fortalecer lideranças femininas de comunidades carentes;

- Desenvolver tecnologia social paliativa acerca da situação das mulheres;

- Desenvolver tecnologia social preventiva para a situação de violência e abuso contra as mulheres, junto aos atores do território;

- Empoderar mulheres que foram vítimas de qualquer tipo de violência e/ou de abuso;

- Oferecer programa para potencializar a inserção de mulheres que sofreram violência e/ou abuso no mercado de trabalho (aumentando renda e promovendo desenvolvimento);

- Oferecer programa para potencializar o empreendedorismo e/ou a independência financeira das mulheres.

Justificativa

A inovação social emerge como uma resposta aos crescentes desafios sociais, ambientais e demográficos, muitas vezes considerados insolúveis por conta do fracasso de soluções convencionais e dos paradigmas que permeiam as configurações institucionais em alguns setores da sociedade (NICHOLLS; MURDOCK, 2012). Atualmente, a rede sócio-assistencial brasileira, Rede de Proteção e Atendimento à Mulher, não tem suprido a necessidade das mulheres brasileiras em situação de vulnerabilidade. Neste sentido, são criadas inovações sociais com a intensão de buscar soluções sustentáveis para o sortimento de tecnologias sociais que complementem o atendimento das necessidades dessas mulheres. Deste modo, este projeto se apresenta como uma inovação social necessária ao território que propõe atingir.

Metodologia

Quanto a metodologia, cabe destacar que cada ação apresentará uma metodologia específica para seu desenvolvimento. De maneira geral, em todas ações, haverá um método que possibilite a cocriação da ação, ou seja, a verificação da necessidade da ação e seu melhor dimensionamento; e, em seguida, o método de execução.

A saber:

- Métodos de Verificação utilizados: coleta de dados através de um questionário lançado no Google Forms; Etnografia; Brainstorming (ou tempestade de ideias); Design Thinking e Teatro Fórum.

- Método de Execução: impressão de cartazes e distribuição em murais localizados nos diferentes campus da UFPel; Criação de redes sociais com vistas a disseminar informações; Organização de Palestras e Seminários; Organização e desenvolvimento de agenda para consultas a advogados e psicólogas; Planejamento e execução de workshops à comunidade; Convites a participação de reuniões com vistas a criação de um Living Lab (vale lembrar que a criação de Living Labs deve obedecer a cinco critérios: (a) Cocriação; (b) Envolvimento ativo; (c) Abordagem multi-método; (d) Participação de todos stakholders; e, (e) considerar situações reais (ENOLL, 2017)).

Indicadores, Metas e Resultados

METAS:
Meta 1) Desenvolver pelo menos uma tecnologia social paliativa sustentável, de baixo custo e que possa ser replicada.
Meta 2) Desenvolver pelo menos uma tecnologia social preventiva sustentável, de baixo custo e que posso ser replicada, a cada dois anos do projeto.
Meta 3) Mulheres inseridas no mercado de trabalho e/ou empreendedoras.
Meta 4) Criação de um Living Lab

INDICADOR DE PROCESSO:
IndProc.Meta1) Observação de comportamento;
IndProc. Meta1) Número de participação nas reuniões;

IndProc.Meta 2) Avaliação das ações preventivas.

IndProc.Meta 3) Quantidade de mulheres que participaram das ações.

IndProc.Meta 4) Participação nas reuniões e mudança comportamental.

INDICADOR DE RESULTADOS:
IndRes.Meta 1) Número de denúncias;
IndRes.Meta 1) Número de mulheres que procuraram apoio psicológico ou psiquiátrico e jurídico.

IndRes.Meta 2) Mudança de comportamento e mudança cultural.

IndRes.Meta 3) Número de mulheres economicamente ativas na região.

IndRes.Meta 4) Funcionamento do Living Lab e resultados.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
BRUNO DUTRA RODRIGUES
CARLA KUNDE SOARES
CAROLINE DOS SANTOS SAVEDRA
DANIELA MATTOS FERNANDES
EDUARDA GOMES DA ROSA
Evander Barboza Almeida
ISABEL CORDEIRO BORGES
JULIA BEHLING DE CASTRO
LARISSA MEDIANEIRA BOLZAN19
LUANA BETTIN DOS SANTOS
LUANA PINTO BILHALVA HAUBMAN
LUIZA COUTINHO PEREIRA
MARCELA FALKEMBACH ZAMBRANO2
MARIA ANTONIA AMARAL LERIPIO
MARIA EDUARDA VAZ FERRAZ
PRISCILA PEDRA GARCIA
TON KEVYN BARRETO AMPARO DA SILVA

Página gerada em 29/05/2022 04:48:41 (consulta levou 0.121914s)