Nome do Projeto
Jogos Botânicos
Ênfase
Ensino
Data inicial - Data final
01/05/2020 - 01/05/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Biológicas
Resumo
A Botânica é negligenciada no ensino de Biologia para o ensino fundamental e médio. O projeto Jogos Botânicos pretende abordar o ensino de Botânica de forma lúdica, buscando tornar os assuntos relacionados ao reino das plantas mais interessantes e próximos da comunidade. Inicialmente será aplicado um questionário para professores do ensino básico, identificando os assuntos de maior dificuldade encontrados pelos professores, para o ensino de Botânica. Em seguida, jogos didáticos serão elaborados, com o intuito de apresentar os assuntos de forma simples e atraente para os estudantes. A eficiência do ensino de Botânica através dos jogos será avaliada através de questionários simples. Ao final do projeto, os jogos serão aplicados como atividade de extensão no Museu de Ciências Naturais Carlos Ritter.

Objetivo Geral

Promover o ensino de botânica através do desenvolvimento de jogos com temáticas relacionadas à botânica.

Justificativa

Nos últimos anos, as discussões sobre a preservação dos ambientes naturais têm ganhado força. Entretanto, muitas vezes é observada uma séria negligência em relação às plantas, organismos fundamentais para a manutenção dos ecossistemas. Para que estratégias de preservação se tornem mais eficientes, antes, é necessário desmistificar a atual visão negativa da botânica que ainda existe na população. É preciso demonstrar a importância dos organismos vegetais para a manutenção da vida no Planeta, conscientizar de maneira lúdica para um maior entendimento desses processos e, assim, promover a preservação da flora e dos ecossistemas de maneira geral.
Desta forma, um estudo realizado por CAMPOS et al. (2003), demonstra o grande potencial dos jogos didáticos para a aprendizagem significativa, além de promover a interação social entre os alunos, contribuindo assim para a formação cidadã dos mesmos. Alternativas metodológicas para o ensino de Botânica se fazem extremamente necessárias, tendo em vista a dimensão da cegueira botânica.
Quando materiais didáticos foram utilizados nas aulas de Ciências, 97% dos alunos se mostraram interessados na temática Botânica (NASCIMENTO et al., 2017). A má estrutura dos laboratórios, assim como a falta de material didático, são empecilhos que muitos professores encontram quando vão ministrar suas aulas de Ciências ou Biologia. Isto impossibilita a diversificação de metodologias para o ensino.

Metodologia

Diagnóstico

Através de uma revisão da literatura e consulta a professores de diferentes níveis, pretende-se entender as principais dificuldades e demandas mais urgentes para o ensino de botânica e, a partir disso, elencar os temas geradores dos jogos a serem desenvolvidos. Na etapa de consulta aos professores será adotada uma entrevista (Oliveira, 2005). Assim, para contemplar o maior número de temas e professores possíveis, a entrevista será composta por uma única pergunta ampla: “Quais os temas dentro da botânica que, na sua experiência pedagógica, são os mais difíceis de serem abordados?”. Desta forma, o professor terá liberdade para abordar todos os aspectos que julgar necessário. Por fim, com a análise das respostas serão delimitados os temas a serem contemplados pelo projeto. A pergunta será feita tanto presencialmente quanto on-line através de um questionário do Google Forms. Espera-se obter respostas de entre 10 e 20 professores do ensino básico.

Desenvolvimento

Em um primeiro momento, buscando um aprofundamento dos participantes do projeto a respeito dos temas elencados, será realizado um levantamento bibliográfico. Após isso, os participantes serão encarregados de desenvolver os primeiros protótipos dos jogos, buscando tornar os conceitos encontrados na bibliografia mais próximos do público alvo.
Os protótipos desenvolvidos serão apresentados e discutidos pelos participantes do projeto e o professor. Neste momento serão aprimorados detalhes e identificados possíveis falhas no modelo. Com o planejamento dos jogos finalizado, eles serão construídos e testados pelos membros do projeto.

Materiais

Os jogos serão desenvolvidos, sempre que possível, com materiais reutilizados e/ou de baixo custo, a fim de tornar os jogos de fácil confecção nos diferentes contextos da rede de ensino.

Avaliação

Assim que os jogos estiverem prontos, os participantes do projeto farão uma avaliação da sua mecânica e funcionamento. Após isso, juntamente com o coordenador, será realizada uma última revisão dos conceitos abordados pelo jogo.
A adequação dos jogos às necessidades elencadas no início do projeto serão avaliadas pelos participantes juntamente com o coordenador. Além disso, também serão consultados os demais professores, tanto do Instituto de Biologia quanto os da rede básica de ensino.
Nos momentos de aplicação, questionários serão distribuídos aos alunos para uma pesquisa de satisfação simples. A pesquisa consistirá nas seguintes perguntas:

● Você gostou do jogo? Por quê?
● Durante a atividade você aprendeu algo novo sobre as plantas?
● Tem alguma sugestão de como melhorar este jogo?

A partir da análise de todas as etapas de avaliação, será realizada uma reunião com os membros do projeto onde, quando necessário, serão feitas as adequações dos jogos.

Aplicação

Os jogos prontos, testados e avaliados serão aplicados no Museu de Ciências Naturais Carlos Ritter, IB-UFPel em dias de visitação aberta ao público em geral.

Indicadores, Metas e Resultados

De forma específica, o projeto apresenta as seguintes metas:
● Desenvolver jogos que evidenciem as características biológicas dos organismos autotróficos;
● Desenvolver jogos que demonstrem a importância dos organismos vegetais para a manutenção da vida na Terra;
● Aplicar os jogos desenvolvidos no projeto, nas disciplinas correspondentes a cada tema;
● Promover a divulgação dos jogos desenvolvidos no projeto, aplicando-os no Museu de Ciências Naturais Carlos Ritter, IB-UFPel.

Espera-se que ao final do projeto se obtenha pelo menos dois jogos desenvolvidos, testados e aplicados. Com isso, o projeto visa uma melhor capacitação e desenvolvimento profissional dos participantes, aperfeiçoando sua didática e a capacidade de tornar temas complexos mais próximos dos alunos. Além disso, o projeto se propõe a identificar e fornecer subsídios para as principais dificuldades encontradas no ensino de botânica.
Com a aplicação dos jogos em espaços públicos como o Museu de Ciências Naturais Carlos Ritter, espera-se uma aproximação entre a universidade e a comunidade em geral através da divulgação científica. Além disso, o projeto busca uma conscientização e aproximação da população, dos organismos vegetais, combatendo a cegueira botânica e auxiliando assim na conservação dos ecossistemas locais.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CLEISSON SCHOSSLER GARCIA
DEBORA PRESMINI DALZOTTO
FERNANDO FERNANDES DE OLIVEIRA NETO
JOÃO RICARDO VIEIRA IGANCI4
JULIENE LOPES COSTA
LEILA DE FATIMA NOGUEIRA MACIAS
TACIANE SCHRODER JORGE
THAIS GOTUZZO DE MENEZES MEDINA

Página gerada em 03/07/2022 08:37:03 (consulta levou 0.074970s)