Nome do Projeto
Utilização da saliva como ferramenta de análise no Carcinoma Espinocelular (CEC) Oral - impacto de seu diagnóstico e tratamento no domínio emocional, qualidade de vida e sintomas depressivos dos pacientes afetados e associação com os níveis de cor
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
01/07/2020 - 28/06/2024
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
A saliva, um importante e complexo fluido corporal, mantém a saúde bucal e pode apresentar alterações diversas em presença de lesões orais e doenças sistêmicas. O carcinoma espinocelular (CEC) é a neoplasia maligna mais comum da cavidade oral e apresenta um comportamento agressivo e invasivo. Devido a isto e à baixa sobrevida acaba tendo um grande impacto na qualidade de vida dos afetados. A coleta salivar em indivíduos poratdores de CEC poderia fornecer uma fonte importante de biomarcadores associados com as variáveis emocionais, especialmente o cortisol salivar. A síndrome de ardência bucal (SAB) é uma condição crônica caracterizada por uma sensação de queimação na boca sem achados clínicos ou laboratoriais que justifiquem esse sintoma. A insuficiência renal crônica é um grande problema de saúde pública no Brasil, que leva à perda progressiva, irreversível e bilateral da função renal, levando consequentemente a complicações minerais e ósseas. As mudanças sistêmicas relacionada com a IRC e o seu tratamento podem se refletir no meio bucal, levando a alterações na composição e fluxo salivar, aumento dos níveis de ureia, potássio, fosfato e diminuição nos níveis de cálcio, magnésio e mudanças no pH salivar, capacidade-tampão, com aumento da mesma produzindo elevada formação de cálculo dentário. A pandemia da Doença do Coronavírus (Covid-19) é o maior desafio global da saúde para o mundo desde a Segunda Guerra Mundial. Em 11 de fevereiro de 2020, a OMS nomeou a nova pneumonia viral como COVID-19, enquanto o Comitê Internacional de Taxonomia dos vírus (ICTV) sugeriram o nome de coronavírus como “SARSCoV-2 ". As rotas de transmissão comuns do COVID-19 incluem transmissão direta (tosse, espirro e inalação de gotículas) e por de contato com as vias oral, nasal, mucosas oculares. Tem sido demonstrado também que o vírus pode ser transmitido direta ou indiretamente pela saliva. O diagnóstico rápido e preciso da COVID-19 é crucial para controlar a pandemia mundial e evitar as mortes devido as complicações sistêmicas que os infectados apresentam. Amostras salivares, além de ser um método de coleta não invasivo e de simples obtenção, minimizam assim o risco de contágio devido à possibilidade de autocoleta. Além disso, evidências atuais indicam que a saliva pode ser útil na detecção da doença em estágios iniciais e em pacientes assintomáticos. A saliva poderia oferecer uma excelente alternativa no diagnóstico deste vírus e na avaliação do contágio pelos profissionais da área de saúde, como os dentistas, em meio à pandemia mundial. Desta forma, este projeto guarda-chuva, pretende avaliar a utilização da saliva como ferramenta de análise em diferentes doenças sistêmicas e orais, como: Carcinoma Espinocelular (CEC) Oral, Síndrome da Ardência Bucal (SAB), Insuficiência Renal Crônica (IRC) e Doença do Coronavírus (COVID-19), realizando testes de análise proteica, imunológica, eletrolítica, do fluxo e ainda verificando a sua associação com características clínicas e histopatológicas.

Objetivo Geral

Avaliar a utilização da saliva como ferramenta de análise em diferentes doenças sistêmicas e orais, como: Carcinoma Espinocelular (CEC) Oral, Síndrome da Ardência Bucal (SAB), Insuficiência Renal Crônica (IRC) e Doença do Coronavírus (COVID-19), realizando testes de análise proteica, imunológica, eletrolítica, do fluxo e ainda verificando a sua associação com características clínicas e histopatológicas.

Justificativa

A saliva constitui um dos fluidos corporais mais versáteis e complexos do corpo. É secretada principalmente pelas três glândulas salivares maiores e está composta por uma variedade de eletrólitos, pequenos compostos orgânicos, proteínas, peptídeos, entre outros elementos. A saliva possui propriedades físicas, químicas, bioquímicas e biológicas fundamentais para manter a saúde bucal. A ciência médica tem focado em encontrar métodos alternativos o diagnóstico de doenças de diferentes enfermidades. Neste sentido, a saliva representa uma possibilidade como meio auxiliar de diagnóstico, dada a sua facilidade de obtenção e avaliação, pouca invasividade e menor risco aos profissionais da área da saúde na sua coleta, e, especialmente, devido à baixa complexidade de obtenção de biomarcadores, cuja presença e/ou níveis no conteúdo salivar, podem indicar a existência de um processo patológico, risco do seu desenvolvimento ou até a resposta a um tratamento em particular. O rastro científico apresentado pela pesquisadora coordenadora e seus colaboradores nesta linha de pesquisa que envolve as metodologias associadas à análise da saliva como fluido corpóreo fonte de biomarcadores, componentes bioquímicos, anticorpos e eletrólitos, justifica a escolha do tema para as múltiplas investigações propostas neste projeto. Deste forma, este projeto guarda-chuva, pretende avaliar a utilização da saliva como ferramenta de análise em diferentes doenças sistêmicas e orais, como: Carcinoma Espinocelular (CEC) Oral, Síndrome da Ardência Bucal (SAB), Insuficiência Renal Crônica (IRC) e Doença do Coronavírus (COVID-19), realizando testes de análise proteica, imunológica, eletrolítica, do fluxo e ainda verificando a sua associação com características clínicas e histopatológicas.

Metodologia

O detalhamento das metodologias de cada um dos subprojetos que compõem este projeto guarda-chuva está presente no ítem Ações, para :
Salina no CEC
Saliva na SAB
Saliva na IRC
Saliva na COVID-19

Indicadores, Metas e Resultados


Carcinoma Espinocelular (CEC):
Devido à importância da avaliação e tratamento multidisciplinar dos pacientes com CEC e considerando o aspecto emocional muitas vezes negligenciado, mediante a associação entre os níveis de cortisol salivar e os escores dos questionários aplicados, nós pretendemos divulgar os resultados mediante uma publicação de alta qualidade para que as repercussões sociais e emocionais dos pacientes com CEC avaliadas com um biomarcador orgânico objetivo, possam ser consideradas para nortear terapias mais efetivas e abrangentes nesta doença, visando possibilitar uma melhora na qualidade de vida dos afetados.

Síndrome de ardência bucal (SAB):
Segundo os resultados da pesquisa clínica e da revisão sistemática da tese do então candidato ao estágio Pós-Doutoral Juan Pablo, as caraterísticas qualitativas como os biomarcadores orgânicos e inorgânicos salivares poderiam determinar ou refletir a ação de fatores neuropáticos, fatores inflamatórios, emocionais, imunológicos e hormonais na síndrome de ardência bucal. Porém, a análise dos eletrólitos salivares não foi realizada em pacientes com SAB e poderiam ser de grande utilidade na avaliação da etiologia e do estado sistêmico, na progressão e até na orientação de terapias mais eficazes dessa síndrome ainda enigmática.

Doença Renal Crônica:
Considerando as características vantajosas da saliva no monitoramento de doenças sistémicas, a análise do fluxo, pH e composição bioquímica (ureia, creatinina, sódio, cloreto, potássio, cálcio) na saliva em pacientes com insuficiência renal submetidos à hemodiálise poderia ser essencial para monitorar e entender os efeitos sistêmicos da hemodiálise de uma forma pouco invasiva, podendo desta forma, evitar complicações sistêmicas severas. Além disso os pacientes atendidos na unidade de hemodiálise serão instruídos no cuidado da sua saúde bucal. Pela análise do cortisol salivar, poderíamos ter uma medida objetiva para avaliar a qualidade de vida desses pacientes que devem fazer sua terapia 3 vezes por semana e muito deles pela vida toda. Além disso, a análise dos íons salivares e outras caraterísticas salivares poderiam ser de utilidade no entendimento das manifestações bucais mais frequentes associados com o desenvolvimento da doença.

COVID-19:
Os dentistas pelo fato de atender a potenciais pacientes assintomáticos e pelo risco implícito no exercício da profissão ao contágio, podem tornar-se fonte de propagação viral. A utilização da saliva pela técnica do auto-coleta e posterior detecção da produção de anticorpos pela técnica ELISA, pode oferecer um método diagnóstico complementar da doença neste grupo de profissionais expostos. A detecção da IgM indicando a infecção pelo SARS-CoV-2 na saliva em um grupo de cirurgiões-dentistas expostos à doença, além de salientar a utilização deste fluido como uma fonte de diagnóstico altamente sensível e específico, permitiria dimensionar realmente o contágio profissional assintomático, o que permitiria ajudar na tomada de decisões e determinação das medidas para evitar a propagação viral na população e também neste grupo de profissionais da área da saúde. Nós acreditamos que estes resultados, em conjunto com as pesquisas que atualmente são realizadas na UFPel, com a finalidade de estabelecer a real dimensão do contágio da pandemia, poderiam ajudar a potencializar o papel desta universidade em nível nacional na pesquisa desta doença, facilitando a compreensão e estágio de disseminação do vírus e determinando de forma mais exata, a duração do tempo de confinamento e distanciamento social.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ADRIANA ETGES4
ANA CAROLINA UCHOA VASCONCELOS4
ANA PAULA NEUTZLING GOMES4
ISADORA VILAS BOAS CEPEDA
JANINE SACCO ZAMBENEDETTI
JUAN PABLO AITKEN SAAVEDRA
MARIANE DUTRA JOANOL
RAFAEL DE ALMEIDA
SANDRA BEATRIZ CHAVES TARQUINIO2

Página gerada em 28/11/2020 22:54:07 (consulta levou 0.110695s)