Nome do Projeto
O ensino de História sobre a ditadura brasileira na Educação Básica: abordagens, práticas e atravessamentos no tempo presente
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
30/06/2020 - 31/12/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas
Resumo
A presente investigação visa analisar como o nosso passado recente tem sido ensinado nas escolas de Educação Básica, tendo como recorte específico a abordagem sobre o último período ditatorial no Brasil (1964-1985). A ditadura civil-militar se constitui em um tema sensível e controverso, tendo em vista as diferentes memórias em disputa sobre esse passado e os atravessamentos do tempo presente. Neste sentido, a investigação busca identificar os diferentes discursos e sentidos produzidos sobre esse período ditatorial na sociedade brasileira e examinar como eles atravessam os materiais didáticos e as abordagens desenvolvidas nas aulas de História do Ensino Fundamental e Médio. Ainda que a abordagem do tema esteja prevista nos documentos curriculares e na própria Base Nacional Curricular Comum, são muitos os relatos de professores/as da Educação Básica que revelam as dificuldades e os receios de tratar do tema em sala de aula em função do incremento dos discursos negacionistas nos últimos anos e das tentativas de controle sobre os/as professores/as e sobre o currículo protagonizada por diferentes atores sociais. Este receio tem produzido recuos e interdições no que se refere ao tratamento de temáticas vinculadas a nosso passado ditatorial em sala de aula. A pesquisa busca ainda estabelecer uma análise comparativa com o ensino de História desenvolvido no Uruguai e na Argentina acerca das ditaduras que marcaram a história recente destes países, de forma a traçar algumas aproximações e diferenças no que se refere a abordagem de tais temas na escola e às formas pelas quais cada uma dessas sociedades tem lidado com este passado traumático.

Objetivo Geral

Investigar alguns elementos vinculados ao ensino da História sobre o último período ditatorial brasileiro (1964-1985) nas escolas de Educação Básica, estabelecendo algumas relações com as abordagens realizadas nos sistemas educativos argentino e uruguaio.

Justificativa

A ditadura civil-militar brasileira (1964-1985) se constituiu em um tema bastante sensível. Nos últimos anos, especialmente a partir da criação e atuação da Comissão Nacional da Verdade, que publicou em 2014 o seu Relatório Final, emergiram com maior intensidade discursos negacionistas e/ou que relativizam a experiência ditatorial. Tais discursos tem aderência de uma parcela significativa da população, que tende a reproduzi-los, estabelecendo uma série de limites para o conhecimento sobre este passado traumático. Este processo se desdobra em uma série de atravessamentos no que se refere ao ensino de História vinculado a tais temáticas. Professores/as do Ensino Fundamental e Médio, ao abordarem a ditadura na escola, precisam lidar com tais discursos e com a dificuldade em se tratar de um tema cujas memórias – individuais, familiares e coletivas – são controversas e ainda estão em disputa. Neste sentido, a presente investigação busca contribuir na compreensão dessas dificuldades no abordagem da temática, na disparidade entre a produção acadêmica sobre o assunto e as limitações para trabalhar com essas pesquisas em sala de aula. Entende-se que ao refletir sobre as diferentes narrativas produzidas sobre o período ditatorial e qualificar a abordagem destes temas sensíveis ou difíceis na Educação Básica, se fortalecerá uma cultura de respeito aos valores democráticos e aos direitos humanos, além de oferecer informação e conhecimento sobre o período e sua importância para não repetição dessas situações passadas. Para aprofundar as reflexões sobre o tema, busca-se também estabelecer uma abordagem comparativa acerca dos saberes e práticas pedagógicas desenvolvidas na Argentina e no Uruguai e que se vinculam à construção do conhecimento sobre seus passados ditatoriais.

Metodologia

A metodologia prevista para a investigação envolve diferentes abordagens e fontes de pesquisa, entre as quais se destacam:
- mapeamento de discursos negacionistas acerca do passado ditatorial que se direcionam à professores/as, às escolas ou à estudantes e suas famílias, como é o caso dos materiais publicados pelo Escola Sem Partido;
- Análise de materiais educativos produzidos acerca do período ditatorial entre 2014 e 2020 (livros textos, paradidáticos, sites educativos, vídeo-aulas de youtubers sobre História, etc). A partir da seleção e análise destes materiais, será elaborado um quadro-síntese, onde serão identificadas as abordagens, temas e conceitos mais recorrentes, as lacunas e silenciamentos; os tipos de atividades propostas e se há alguma vinculação com a perspectiva de uma educação para os direitos humanos;
- entrevistas com professores/as de História do Ensino Fundamental e Médio, que buscarão identificar como tais professores/as abordam temas vinculados à ditadura em sala de aula, os materiais utilizados por tais docentes, se fazem uso de conceitos para abordar o tema (e quais são estes conceitos), as dificuldades enfrentadas em sala de aula, a recepção dos estudantes acerca de tais temas e as percepções que estes revelam na sala de aula;
- análise de bibliografia especializada e de materiais educativos produzidos no Uruguai e na Argentina;
- produção de textos e relatórios de pesquisa, que se desdobrarão em publicações futuras;

Indicadores, Metas e Resultados

A pesquisa buscará produzir dados e reflexões acerca do ensino sobre a ditadura na Educação Básica no Brasil, que serão apresentados e discutidos em eventos científicos e que se desdobrará na publicação de artigos acadêmicos. Da mesma forma, a partir da pesquisa buscaremos desenvolver atividades de formação continuada voltadas a professores/as do Ensino Fundamental e Médio, que buscam oportunizar espaços de partilha entre os saberes produzidos no mundo da escola e na universidade, aproximando assim a pesquisa acadêmica da sala de aula da Educação Básica.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALESSANDRA GASPAROTTO3
ANA MARÍA SOSA GONZÁLEZ2
CAMILA DA ROSA DA SILVA
DARLISE GONÇALVES DE GONÇALVES
MARVIN SOUZA SILVA

Página gerada em 23/07/2024 08:52:14 (consulta levou 0.092217s)