Nome do Projeto
Identificação da flora dos jardins do Museu Municipal Parque da Baronesa, Pelotas, RS
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
01/09/2020 - 31/08/2022
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Biológicas
Resumo
O patrimônio cultural e paisagístico ligado aos jardins históricos diz muito sobre a história de um lugar, de uma época e de uma cultura, por isso conhecê-los se faz tão importante para a sua preservação. O Museu Municipal Parque da Baronesa, antiga Chácara do Barão dos Três Cerros, é considerado patrimônio histórico e cultural, localiza-se no bairro Areal, município de Pelotas, RS. A antiga residência datada de 1863 possui um terreno de aproximadamente 7 hectares e em 1978, o prédio e a área foram doados à Prefeitura Municipal de Pelotas. A propriedade, juntamente com os jardins, demonstrava o poder econômico e gosto estético de seus primeiros proprietários. No entorno da antiga morada projetava-se uma paisagem pitoresca, ainda hoje pode-se observar detalhes paisagísticos de inspiração francesa com chafariz, canteiros simétricos e traçado geométrico; e outro de influência inglesa, com extenso gramado, gruta com pedras de quartzo, canaletes, pontes, ilha e um local para criação de coelhos na forma de um pequeno castelo. O presente trabalho tem como principais objetivos identificar e descrever as espécies vegetais utilizadas na arborização do Parque da Baronesa, como também, tentar buscar o histórico das plantas utilizadas no paisagismo do local. Atualmente o local recebe milhares de visitantes todos os anos, sendo um dos principais parques do município, além de representar um marco histórico e turístico da cidade de Pelotas, por guardar a memória da sociedade pelotense, que viveu o apogeu econômico e cultural durante o início do século XX.

Objetivo Geral

O presente trabalho tem como objetivo geral conhecer as interferências paisagísticas na idealização dos jardins do Museu Municipal Parque da Baronesa, através do levantamento da vegetação atual do Parque e a busca do histórico das plantas utilizadas no paisagismo.

Justificativa

No Brasil a discussão acerca da valorização dos jardins históricos é assunto recente, como importante referência em 2010 foi elaborada a Carta de Juiz de Fora que visa discutir questões referentes à preservação e gestão dos jardins históricos (IPHAN, 2010), com olhar voltado para as especificações do país o documento estabelece definições, diretrizes e critérios para a defesa e salvaguarda dos jardins históricos brasileiros. Assim, mesmo de forma pontual, o trabalho propõe contribuir para o debate sobre como são tratados os espaços verdes, planejados para emoldurarem e complementarem o conjunto de edificaçôes do Parque da Baronesa. Essa atividade é de grande importância para a área de valorização de espaços verdes em meios urbanos, bem como, a preservação de bens patrimoniais. Os jardins históricos podem ser considerados como obras de arte que se relacionam com a época de sua elaboração, representam os reflexos do autor que os projetou, dos estilos empregados em sua criação e das técnicas utilizadas em sua execução. As espécies vegetais escolhidas os tornam únicos, bem como o contexto sociocultural em que estão inseridos. Nesse sentido, preservar um jardim histórico envolve tanto o compromisso de evocá-lo como evidência de um tempo, ou ainda, como potencializá-lo enquanto um bem cultural a ser usufruído, motivando no presente relações com o passado, visando desse modo, um diálogo para o futuro. Esta concepção demanda intenções e comprometimentos, a inserção aleatória de vegetais que não fazem parte do projeto inicial de um jardim histórico pode comprometer, por exemplo, suas características e principalmente, sua originalidade. Os jardins são paisagens culturais, ambientes cenográficos criados para desempenhar papéis em uma determinada cultura, esses lugares-cenários surgem com características peculiares e podem desempenhar diferentes funções. Estas áreas muitas vezes tornam-se refúgios nos perímetros urbanos, a importância de áreas verdes influencia na qualidade de vida dos habitantes das cidades e metrópoles, mas muitas vezes estes espaços são invisíveis à população e até mesmo ao poder público.

Metodologia

Local de Estudo
O trabalho será realizado no Parque Municipal Museu da Baronesa, localizado no bairro Areal, no município de Pelotas, RS, área com aproximadamente 7 hectares.

Levantamento da Vegetação
Será realizado o levantamento da vegetação das espécies arbóreas e arbustivas que ocorrem no Parque da Baronesa. O inventariamento será feito através de caminhadas e para facilitar essa abordagem, o Parque está dividido em 11 zonas diferentes, esse mapeamento permitirá auxiliar na localização das espécies vegetais, para que todas sejam amostradas.
As espécies serão identificadas no menor nível taxonômico possível e organizadas seguindo o sistema de classificação APG IV (2016), além disso, será contabilizado o número de indivíduos de cada espécie; serão classificadas quanto à sua origem (nativa ou exótica a flora brasileira) e quanto á síndrome de dispersão (anemocórica, zoocórica, autocórica). Amostras férteis dos espécimes vegetais serão coletadas, herborizadas e posteriormente, incorporadas ao Herbário PEL.
A partir dos dados levantados no presente estudo será feita uma comparação com dos dados já existentes na administração, sobre a flora do Parque. Assim poderá ser verificada se a existências das espécies levantadas por funcionários e se o número de indivíduos ainda é o mesmo, além disso, haverá o auxílio na confecção de placas de identificação para as espécies arbóreas, com o nome cientifico e nome vulgar.

Levantamento Histórico Paisagístico
Para resgatar as informações sobre a criação dos espaços verdes, quem foi o paisagista ou o responsável pela criação dos jardins, quais as espécies originais, serão feitas pesquisas e revisões bibliográficas em trabalhos sobre o Parque, e em outros tipos de documentos. Caso houver este registro será realizado um comparativo dos originais com o que se encontra hoje na área do Parque, observando como foi sua manutenção, interferências, aproximações e afastamentos do projeto original até o presente momento.

Indicadores, Metas e Resultados

Ao término do estudo espera-se:
- Documentar a vegetação atual existente no Parque da Baronesa e algumas características ecológicas;
- Averiguar informações históricas sobre a vegetação dos jardins do Parque e suas mudanças ao longo do tempo;
- Proporcionar aos alunos vivência nas etapas fundamentais de estudos sobre a flora e sua importância;
- Contribuir na formação de recursos humanos;
- Divulgar as informações geradas em eventos científicos, periódicos e comunidade.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CAROLINE SCHERER2
ISADORA DIAS ROMAGNOLI

Página gerada em 25/04/2024 07:41:47 (consulta levou 0.150313s)