Nome do Projeto
Memórias do Projeto Popular Desáfio Pré-Universitário
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
01/08/2020 - 01/08/2024
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas
Resumo
O projeto será desenvolvido com colaboradores e alunos do Projeto Desafio Pré-Universitário Popular que foi criado em 1993, para alfabetizar jovens e adultos através dos princípios freirianos, quatro anos depois passou a ser um projeto de extensão da UFPel, e desde então vem preparando grupos de alunos para entrar na universidade. Ao longo dos anos a memória, deste que é o mais antigo curso popular do RS, vem se perdendo, principalmente das pessoas que por ali passaram. O objetivo desse projeto é a partir das narrativas de histórias de vida, e da organização de um memorial virtual , elucidar a relação entre o espaço e a vida social, avaliando como se constitui essa significação do Desafio entre os diferentes sujeitos sociais. estas ações se constituem em importantes elementos de positivação das identidades e construção de espaços de memória.

Objetivo Geral

Recuperar, através da metodologia de histórias de vida dos educadores e de ex-educandos do Projeto Desafio Popular, a trajetória social desses sujeitos e sua relação com o projeto;.

Justificativa

O Projeto Desafio foi criado em 1993, por iniciativa de alunos da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), com o objetivo de alfabetizar jovens e adultos de baixa renda. Alinhavam-se ao pensamento de Paulo Freire, onde é fundamental o comprometimento e participação direcionada às comunidades que estão à margem da sociedade, respeitando o conhecimento pré-existente e acolhendo as suas necessidades. A participação ativa do educando na sua formação e a aprendizagem horizontal são características essenciais desta teoria pedagógica.(FREIRE, 1996).
Em 1997, o Desafio é institucionalizado, e passa a ser um projeto de extensão vinculado à Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (PREC). Neste momento o foco passa a ser o vestibular, no entanto, o projeto continua alinhado a Educação Popular voltado a população de baixa renda, buscando a transformação social. Cursos populares, também chamados de alternativos ou comunitários, tem como objetivo principal diminuir problemáticas referentes à desigualdade existente no acesso ao ensino superior, além de aplicar o conceito de educação popular na formação do cidadão (ZAGO, 2009).
Atualmente, o Desafio é um projeto de extensão da UFPel e ocupa uma parte do campus Sallis Goulart, contando com 2 salas de aula com capacidade para 50 educandos e educandas cada, uma sala de leitura com apostilas e livros literários e didáticos para empréstimo e uma sala para secretaria e coordenação. Os espaços de convivência e banheiros são compartilhados com o público universitário. Atualmente a equipe é formada por 7 (sete) bolsistas, que realizam atividades administrativas e dão o suporte necessário ao bom funcionamento do curso, e mais de 80 educadores voluntários.
Tendo em vista a sua longevidade como projeto a comunidade interna e externa a UFPel é bastante grande e variada com trajetórias de vida muito distintas, hoje encontramos algumas destas pessoas como professores universitários na s instituições de ensino de Pelotas, mas outros se dispersaram com o tempo .
O objetivo desse projeto é a partir das narrativas de histórias de vida de alguns colaboradores, observar a relação entre as possibilidades de superação das desigualdades na busca do ensino superior e a vida social, buscando saber como se constitui essa significação do Projeto entre os diferentes sujeitos sociais.
O acesso aos depoentes se dará através da redes de contatos de antigos e atuais colaboradores. Projetos dessa natureza já foram largamente experenciados em vários lugares e circunstâncias e, a título de exemplo vale citar o projeto de Preservação do Patrimônio Cultural da Região do Anglo, que vem sendo desenvolvido desde 2009 com moradores dos Bairros Balsa e Navegantes.
O trabalho de memória nos bairros faz com que se aborde o morador como sujeito, através do qual se pode apreender representações de múltiplos, heterogêneos e complexos universos. Os moradores se transformam, através de suas narrativas, os porta-palavras da história e identidade da comunidade.
No caso em particular desses dois bairros, a demolição dos grandes conjuntos fabris e instalação de um campus universitário coloca a questão de novas fraturas identitárias e a problemática reconstrução pessoal.
Assim, a valorização das histórias de vida e testemunhos como documentos de história e transmissão de conhecimentos pode vir a se constituir num importante elemento de positivação das identidades e construção de espaços memoriais.

Metodologia

-Mapeamento das pessoas a serem entrevistados- Nessa primeira fase do projeto serão levantados as pessoas que fizeram parte do Desafio Pré-Universitário, tanto como educadores como educandos.
-Formação de entrevistadores- Serão apresentados os princípios fundamentais do projeto e em conjunto com os colaboradores serão realizados estudos sobre histórias de vida e educação popular.
-Identificando os narradores mais significativos na comunidade- A partir desse momento a abordagem dar-se-á diretamente com os sujeitos identificados, utilizando-se a metodologia da História de Vida como forma de apreensão e organização dos relatos orais.
Ao se falar de histórias de vida estamos nos reportando á questão da experiência, traduzida aqui como essas vivências individuais, mas necessariamente vinculadas a um contexto social. Na narrativa o sujeito dá a ver essa forma como traduz e interpreta a realidade.
A história oral e mais precisamente a história de vida tem possibilitado um avanço significativo na análise da experiência histórica através da introdução de temas fundamentais como as migrações, o mundo do trabalho, as questões de gênero, a construção de identidade étnicas, a violência nas sociedades contemporâneas, dentre outros.
A busca e registro por testemunhos orais traz ao domínio do conhecimento acadêmico as vozes dos meios populares e subalternos. Assim a entrevista joga um papel importante na produção dessas fontes orais levando-se em conta a questão da interação pesquisador-pesquisado, uma vez que se trata de encontros de subjetividades; a memória não como uma recriação perfeita do passado, mas como uma reconstrução sempre problemática do mesmo e a forma de interpretar os dados advindos dessas fontes orais.

Indicadores, Metas e Resultados

Indicadores de Progresso ao final de cada 6 meses de projeto:

- Mapeamento dos possíveis entrevistados
-Sensibilização dos colaboradores
-Formação de colaboradores
-Realização das entrevistas
-Análise do material e formulação de dados
-Transcrição das entrevistas


Indicadores de resultados ao final do projeto:

- Identificação dos ex-educadores e educandos do Desáfio
-Organização e sistematização das entrevistas
-Organização de um Memorial Virtual com o material coletado durante a pesquisa

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANA PAULA MARTINS LEAL
LUCIA MARIA VAZ PERES2
MARGARÉTE GARCIA DALLEGRAVE
MARIA WALESKA SIGA PEIL MARTINS
NORIS MARA PACHECO MARTINS LEAL2

Página gerada em 28/05/2022 05:09:03 (consulta levou 0.406591s)