Nome do Projeto
A influência da qualidade do ar no desenvolvimento econômico dos estados brasileiros
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
01/09/2020 - 31/12/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Engenharias
Resumo
A hipótese da curva de Kuznets deriva do trabalho inicial de Kuznets (1955) que revelaram uma relação em forma de U invertido entre desigualdade de renda e produtividade. A hipótese da curva atraiu muita atenção significativa nos anos 90 após o trabalho seminal de Grossman e Krueger (1991), o qual revelou que a deterioração ambiental e a renda per capita seguem na forma de U invertido. Estudando a ligação entre qualidade do ar e desenvolvimento econômico, Grossman e Krueger (1991) encontraram uma relação em forma de U invertido entre poluentes do ar (dióxido de enxofre e fumaça) e renda per capita, confirmando, portanto, a validade da Hipótese da Curva Ambiental de Kuznets, cunhado por Panayotou (1993). Seu estudo revelou um aumento nas concentrações de poluentes do ar, à medida com nível de renda aumenta, mas as concentrações de poluentes do ar caíram em níveis mais altos de renda. Este projeto busca identificar relações de causa e efeito entre qualidade do ar e desenvolvimento econômico em estados brasileiros com vistas a auxiliar na promoção de políticas públicas que assegurem um equilíbrio entre crescimento econômico e a qualidade ambiental no país.

Objetivo Geral

O objetivo deste projeto é examinar as relações causais entre poluição do ar, medido pelo monóxido de carbono (CO), dióxido de carbono (CO2) dióxido de nitrogênio (NO2), dióxido de enxofre (SO2), partículas inaláveis (PM10) e o desenvolvimento econômico (medido pelo PIB) dos estados brasileiros e vice-versa.

Justificativa

A qualidade do ar é uma das questões ambientais essenciais para a saúde pública, o meio ambiente e o crescimento econômico (HAO et al., 2018). A hipótese da Curva Ambiental de Kuznets (EKC) data de décadas e ainda é atual devido a sua importância na formulação de políticas ambientais (SARKODIE e STREZOV, 2019). Existem várias revisões sistemáticas da hipótese em que diversos autores têm demonstrado a existência de uma relação causal entre qualidade do ar e o desenvolvimento econômico (DINDA, COONDOO e PAL, 2000; DINDA, 2004; NARAYAN e NARAYAN, 2010; SHAHBAZ; LEAN e SHABBIR, 2012; LAU, CHOONG e ENG, 2014; AL-MULALI; SABOORI e OZTURK, 2015; DOGAN e TURKEKUL, 2016; PABLO-ROMERO e DE JESÚS, 2016; SHAHBAZ e SINHA, 2019; SARKODIE e OZTURK, 2020). Percebe-se uma troca entre desenvolvimento econômico e qualidade do meio ambiente, havendo um fluxo causal (bidirecional) entre as variáveis.
A degradação ambiental e o declínio da qualidade ambiental tornaram-se uma preocupação global e atraíram atenção significativa de toda a sociedade, uma vez que as emissões antrópicas de gases de efeito estufa aumentaram significativamente entre 1970 e 2010 (SARKODIE e STREZOV, 2019). Os gases com efeito de estufa, em 2010, cresceram 330% na Ásia, 70% no Oriente Médio e África, 57% na América Latina, 22% nos países de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e 4% nas economias em transição (IPCC, 2014).
Ademais, o aquecimento global de 1,5°, apontado pela Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC), tem demonstrado que atividades humanas causaram o aquecimento da terra em cerca de 1,0°C, em comparação com o período pré-industrial. Tal variação de temperatura tem gerado impactos ambientais ao redor do mundo, como mudanças climáticas e aumento do nível dos mares em razão do derretimento das calotas polares (DESTEK et al., 2020).
Chen et al. (2017) destacam que desde a reforma e a abertura, a economia chinesa cresceu a uma velocidade notável. Entretanto, a poluição ambiental também se tornou cada vez mais significativa nesse país. Percebe-se que nos últimos anos, a contradição entre desenvolvimento econômico e meio ambiente se intensificou, o que ameaçou seriamente o desenvolvimento sustentável da China. Por conseguinte, entende-se que a queima de biomassa (QB): em Inglês, biomass burning (BB) é uma fonte significativa de poluição do ar, com impactos globais, regionais e locais na qualidade do ar, na saúde pública e no clima.
Segundo Destek et al. (2020) os autores, as emissões de CO2 são responsáveis por 75% das emissões dos gases de efeito estufa, as quais têm sido uma das fontes mais significativas de aquecimento global e mudanças climáticas (ATASOY, 2017). Apesar dos diversos esforços, tais como o Protocolo de Kyoto, a queima de combustíveis fósseis, com o objetivo de alcançar altos níveis de crescimento econômico, tem aumentado as emissões de CO2 (CHURCHILL et al. 2018).
Portanto, o impacto do crescimento econômico sobre o meio ambiente tornou-se uma das questões mais debatidas para ambientalistas e economistas. Sarkodie e Strezov (2019) comentam que vários fatores afetam as emissões de gases de efeito estufa que variam desde a produção per capita, passando por crescimento do consumo, crescimento populacional, obsolescência tecnológica e inovação, assim como comportamento de consumo dos indivíduos.
As emissões de dióxido de carbono relacionadas a combustíveis fósseis para geração de calor e eletricidade aumentaram consistentemente nas últimas quatro décadas (SARKODIE e STREZOV, 2019). A busca para garantir a disponibilidade e acessibilidade do fornecimento de energia a preços acessíveis para atender à crescente demanda de energia e um desenvolvimento econômico sustentado levou à dependência excessiva de fontes de energia de combustíveis fósseis (SARKODIE e OWUSU, 2016).
Nota-se, portanto, íntima relação entre desenvolvimento econômico e qualidade do meio ambiente, como postula a Hipótese da Curva Ambiental de Kuznets. Esta hipótese postula que os estágios iniciais do desenvolvimento econômico caracterizam-se por um alto uso de recursos que inevitavelmente reduzem a biocapacidade e aumentam a pegada ecológica, levando assim a um rápido crescimento dos níveis de poluição (PANAYOTOU, 1993; SARKODIE e STREZOV, 2018).
Existe um enorme escopo de literatura internacional que se utiliza da hipótese da Curva Ambiental de Kuznets. No entanto, poucos estudos são direcionados à realidade brasileira, em especial destaque à utilização de dados em painel com enfoque aos estados brasileiros. Neste sentido, esta pesquisa busca responder a seguinte pergunta: há fluxo causal entre a qualidade do ar dos estados brasileiros e o PIB (Produto Interno Bruto) destes estados? Investiga-se, portanto, como o crescimento econômico impacta na qualidade ambiental e também como a qualidade ambiental afeta o crescimento econômico na base de hipótese teórica da Curva de Kuznets (EKC).

Metodologia

A presente pesquisa caracteriza-se como quantitativa, explicativa e causal, utilizando-se dados em painel. Para que a análise, e ajuste do modelo econométrico sejam feitos corretamente, Gujarati (2009) ressalta a importância da realização de etapas pré-definidas. Para responder o problema de pesquisa, inicialmente, realizar-se-á o teste de raiz unitária, com o objetivo de verificar a estacionariedade das séries. Após realizar-se-á o teste cointegração de Johansen e finalmente realizar-se-á o teste de Causalidade de Granger. O teste de raiz unitária busca verificar a estacionariedade de cada série. Gujarati (2009) comenta que um problema de raiz unitária é observado quando se tem uma série temporal não estacionária. Segundo Gujarati (2009), e Tsay (2005), para se ter certeza se a série é ou não estacionária, aplica-se o teste de raiz unitária Dickey-Fuller Aumentado (ADF), em que se realiza três diferentes estimativas de testes de hipóteses nulas (passeio aleatório, passeio aleatório com deslocamento e passeio aleatório com deslocamento em torno de uma tendência determinística).
Os testes de cointegração, assim como o de raiz unitária, segundo Gujarati (2009), servem para verificar se os resíduos gerados pela regressão das séries são estacionários ou não. Com o intuito de evitar uma regressão espúria, a cointegração é utilizada como um teste prévio de para a verificação do relacionamento de curto e longo prazo entre as variáveis. Além dos testes de cointegração, da Silveira-Bueno (2008) ressalta a necessidade de se observar a causalidade existente entre as variáveis, com o intuito de se descobrir a causa e a direção da influência.
Neste trabalho utilizar-se-á a Variação Percentual da Média Anual de Monóxido de Carbono (CO), Variação Percentual a Média Anual de Partículas Inaláveis (PM10), Variação Percentual da Média Anual de Dióxido de Enxofre (SO2) e Variação Percentual da Média Anual de Dióxido de Nitrogênio (NO2) e Variação Percentual do PIB dos estados brasileiros. A coleta de dados dar-se-á junto às secretarias estaduais, na eventual inviabilidade de contato, ou baixa qualidade das informações, utilizar-se-á as informações disponíveis no sitio do Intituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Nesta pesquisa utilizar-se-á o software livre R, distribuindo gratuitamente, sem ônus à Universidade Federal de Pelotas.

Indicadores, Metas e Resultados

Levantamento de da qualidade do ar das regiões metropolitanas brasileiras
Levantamento do PIB dos estados Brasileiros
Realização de modelo econométrico identificando as relações de causa e efeito entre as variáveis
Publicação de artigo em periódico internacional.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALEJANDRO MARTINS RODRIGUEZ10
EVERTON ANGER CAVALHEIRO20
Frantzso Pierre
LEONARDO ROSA ROHDE20

Página gerada em 02/03/2024 11:20:36 (consulta levou 0.539745s)