Nome do Projeto
Efeito da suplementação com enzimáticas fibrolíticas na dieta de vacas leiteiras sobre comportamento alimentar, perfil metabólico, produção e composição do leite.
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
03/03/2022 - 17/07/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Resumo
Maximizar a produção e aumentar a produtividade por vaca aumenta a necessidade nutricional desses animais, sendo o o alimento um dos fatores mais importantes dentro do sistema de produção, e também o mais oneroso. Sabendo-se que as forragens caracterizam-se por ser a base da alimentação de ruminantes, uma vez que estes animais tem a capacidade de aproveitar os componentes da parede celular vegetal (celulose, hemicelulose) como fonte de energia para o metabolismo e desempenho, bem como, por promover a atividade motora do rúmen. Essa capacidade dos ruminantes de transformar fibras de baixa qualidade em proteínas de alto valor biológico, devido à síntese e secreção de enzimas dos microrganismos presentes no rúmen que atuam promovendo a hidrólise da parede celular vegetal, porém, os constituintes da parede celular podem sofrer resistência ao ataque enzimático realizado pelas bactérias ruminais, limitando a digestibilidade da fibra e a energia disponível para o animal que, em condições ótimas, pode atingir até 70% da digestibilidade. Portanto, maximizar a utilização de forragens é essencial para manter a sustentabilidade do sistema, levando em consideração que a alimentação representa a maior proporção dos custos de produção. Diante disso, as enzimas fibrolíticas exógenas (EFE), que possuem como mecanismo de ação a atuação sinérgica de hidrólise das ligações específicas da fibra juntamente com as bactérias ruminais, se tornam uma alternativa interessante para o maior aproveitamento da fração fibrosa da dieta. dessa forma, o presente estudo busca avaliar os efeitos da suplementação de um produto comercial, composto de enzimas fibrolíticas na dieta de vacas leiteiras.

Objetivo Geral

Avaliar o efeito da inclusão de enzimas fibrolíticas exógenas sobre o comportamento alimentar, a digestibilidade, o desempenho produtivo e qualidade do leite, o comportamento animal e parametros metabólicos de vacas no pico de lactação.

Justificativa

Em produção de ruminantes, a dieta é um dos fatores mais importantes dentro do sistema de produção, e também um dos mais onerosos. Para diminuir os custos de produção e alcançar a máxima eficiência produtiva, tem-se intensificado o uso das forragens as quais configuram-se como a base da alimentação dos ruminantes, uma vez que estes animais tem a capacidade de aproveitar os componentes da parede celular vegetal (celulose, hemicelulose) como fonte de energia para o metabolismo e desempenho, bem como, por promover a atividade motora do rúmen. Esse aproveitamento só é possível devido a atividade microbiana contida no rúmen (bactérias e enzimas fibrolíticas), que tem papel fundamental no processo fermentativo de digestão do alimento ingerido.
Porém esse processo de degradação da fibra no sistema digestivo dos ruminantes não é completo, atingindo apenas 70% mesmo em condições ideais de pH e temperatura. Essa limitação na digestão da fibra indica que há um limite na secreção endógena de enzimas fibroliticas ou dificuldade dessas em digerir totalmente a fração fibrosa da dieta. Neste sentido, o uso de enzimas fibrolíticas exógenas é uma biotecnologia que vem sendo estudada para otimizar a digestibilidade ruminal das fibras, complementando a atividade das enzimas fibrolíticas endógenas, expondo sítios da parede celular à aderência bacteriana que permitirá uma digestão mais eficiente da dieta, melhorando a utilização do alimento pelos ruminantes. Sendo assim, este estudo busca avaliar o efeito da suplementação dietética com enzimas fibrolíticas exogenas sobre a digestibilidade dos nutrientes da dieta, o comportamento alimentar e o perfil metabólico, produção e qualidade do leite de vacas leiteiras no pico de lactação. Para isso, serão utilizadas 36 vacas multíparas da raça holandês, entre 40 a 70 dias em lactação (DEL), com peso médio de 700kg, distribuídas aleatoriamente em dois grupos, sendo esses categorizados em: Grupo Controle (GC) e Grupo Suplementado com 10g de produto enzimático fibrolitico (GS), ambos os grupos com 18 animais, acompanhadas durante um período de 23 dias. Durante este período, serão realizadas coletas de sangue para avaliação de parâmetros bioquímicos relacionados com o sistema hepático e energético. Além disso, será realizada coleta de leite para análises de composição (gordura, proteína, lactose e sólidos totais) e qualidade do leite (contagem de células somáticas (CCS), bem como, avaliação do consumo e comportamento alimentar. Semanalmente será coletados amostras de dieta para análise bromatológica e de digestibilidade.

Metodologia

Instalações
O experimento será realizado junto ao setor da Pecuária Leiteira da Granja Quatro Irmãos, localizada no município de Rio Grande/RS, onde a produção de leite é realizada em sistema de confinamento, em galpão compost-barn.

Recursos Humanos
Tanto para a condução dos procedimentos experimentais quanto para a análise técnica dos resultados, estará disponível toda a equipe do NUPEEC, composta por professores doutores em Veterinária, Zootecnia, Biotecnologia e Farmácia, além de Médicos Veterinários, Zootecnistas, Farmacêuticos que realizam pós graduação (mestrado e doutorado) junto à equipe.

Animais e manejo
Serão utilizadas 36 vacas da raça holandês, homogêneas quanto ao peso, produção de leite e fase de lactação, a partir dos 40 dias pós- parto e distribuídas em delineamento inteiramente casualizados, divididas em dois grupos:
 Grupo Controle (GC), dieta base composta por silagem de milho, pré-secado, grão-úmido e concentrado;
 Grupo Suplementado (GS), dieta base mais 10g/vaca/dia de “Maxfiber”;
O experimento terá duração de 23 dias. A alimentação será fornecida em duas refeições diárias, às 9h e
21h, permitindo-se sobras de, aproximadamente, 10% de MS. o suplemento enzimático será fornecido uma vez ao dia junto ao trato da manha.

Coletas e Análises

Serão realizadas coletas semanais da dieta ofertada, sangue e leite para posteriormente análises de digestibilidade aparente, parâmetros metabólicos e composição do leite, respectivamente.

Leite, consumo e comportamento
A produção de leite e consumo individual de alimento serão avaliados diariamente, através do sistema eletrônico de ordenha (DeLaval®) e através de alimentadores inteligentes (Intergado®), respectivamente, associados à atividade animal verificada através das coleiras de monitoramento CowMed (ChipInside®). Amostras de leite serão realizadas nos dias 0, 14, 19, 23 do periodo experimental para análise de composição (gorura, proteína, lactose e sólidos totais) e qualidade do leite (CCS)

Coletas de sangue para análises bioquímicas
Serão realizadas coletas de sangue por punção da veia coccígea
utilizando sistema Vacutainer (BD diagnostics, SP, Brasil) a cada cinco dias 0, 14, 19 e 23 totalizando 4 coletas por animal. As amostras de sangue serão coletadas em dois tubos: um com fluoreto de sódio, para obtenção de plasma para avaliar os níveis de glicose outro com sílica (ativador de coágulo) para obtenção do soro e realização das análises de ureia, albumina, proteínas totais (PPT), betahidroxibutirato (BHB) e ácidos graxos não esterificados (NEFA).
A leituras dos teores séricos de ureia, albumina, PPT, BHB, NEFA, e glicose, será realizada em analisador bioquímico automático Labmax Plenno (Labtest, MG, Brasil).

Avaliação zootécnica
Será realizada a pesagem e avaliação do escore de condição corporal (ECC) dos animais nos mesmos dias das coletas de sangue.

Análise bromatológica
Serão realizadas análises bromatológicas dos componentes da dieta, para determinar os teores de matéria seca (MS), proteína bruta (PB), fibra bruta (FB), extrato etéreo (EE) e matéria mineral (MM). Para análises da fibra detergente neutro (FDN) e fibra detergente ácido (FDA) será empregada a metodologia proposta por Van Soest et al. (1991).

Análise de Digestibilidade
Semanalmete será coletado uma amostra da dieta para realizar a digestibilidade in vitro da dieta, que será determinada pelo procedimento de Tilley & Terry (1963), com dois estágios de incubação de 48 horas, realizadas no Laboratório de Nutrição Animal da Universidade Federal de Santa Maria (LABRUMEN).

Indicadores, Metas e Resultados

Será possivel observar o efeito do produto enzimático fibrolítico sobre a digestibilidade dos nutrientes da dieta, o comportamento alimentar e o perfil metabólico, e seu reflexo na produção e qualidade do leite. Como resultados esperados, espera-se produzir trabalhos cientificos de qualidade que posteriormente serão publicados em revistas científicas da área.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CARLA AUGUSTA SASSI DA COSTA GARCIA
CAROLINE DA SILVA WRAGUE
CASSIO CASSAL BRAUNER2
CRISTIANE AMANDA DE OLIVEIRA
EDERSON DOS SANTOS
EDUARDO SCHMITT1
FRANCISCO AUGUSTO BURKERT DEL PINO1
JOSIANE DE OLIVEIRA FEIJÓ
LEONARDO MARINS
MAGNA FABRÍCIA BRASIL SAVELA
MARCIO NUNES CORREA2
MARIA CAROLINA NARVAL DE ARAUJO
MILENE LOPES DOS SANTOS
MURYLLO BOTELHO MEDEIROS
Michelle da Luz Munhoz
RITIELI DOS SANTOS TEIXEIRA
VANESSA DA SILVEIRA PEREIRA

Página gerada em 06/07/2022 23:02:30 (consulta levou 0.097183s)