Nome do Projeto
Desempenho e características da carne de ovinos terminados em duas estações climáticas
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
12/08/2020 - 08/08/2024
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Resumo
O trabalho será desenvolvido em duas fases: de maio a agosto de 2020 e de outubro a janeiro de 2021, envolverá um total de 40 ovinos da raça Texel: 20 cordeiros machos castrados e 20 ovelhas adultas. Os cordeiros e ovelhas serão divididos em dois lotes ao acaso: T1- 10 animais criados e abatidos na estação quente; T2 -10 animais criados e abatidos na estação fria. A terminação dos animais será realizada nas dependências do Colégio Politécnico da Universidade Federal de Santa Maria-RS em regime de confinamento. Os cordeiros serão alimentados com 50% de silagem de milho e 50% de concentrado (isoprotéico). As ovelhas por sua vez receberão 60% da mesma silagem e 40% de concentrado, atendendo as exigências nutricionais. A sobra será de 10% do total da ração. A alimentação será fornecida duas vezes ao dia 08 h e às 16 h. As sobras de alimento serão coletadas para pesagem e amostradas a cada 21 dias e armazenadas congeladas para análises posteriores. Os animais serão pesados no início do trabalho e a cada 21 dias. O abate dos animais será determinado em ovelhas quando estiverem no mínimo na condição corporal “3”. Os cordeiros por sua vez serão destinados ao abate na mesma condição corporal e peso médio de 32 kg, ou seja, 60% do peso da ovelha adulta. Variáveis analisadas: a) Desempenho dos animais: Consumo de matéria seca, ganho médio diário, conversão alimentar, eficiência alimentar e escore corporal; b) Comportamento dos animais: Tempo de alimentação, tempo de ruminação, tempo de ócio, tempo consumindo sal e nº de vezes que o animal bebe; c) Resposta fisiológicas: temperatura da região ocular, temperatura retal, frequência respiratória, teor de glicose sanguínea; d) Avaliações nas carcaças: Peso da carcaça quente, peso da carcaça fria, perda de peso no resfriamento, rendimento de carcaça, rendimento dos cortes comercias da carcaça, grau de engorduramento, determinação da quantidade de músculo, osso e gordura das carcaças; Avaliações na carne: pH0, pH3 e pH24, cor da carne, força de cisalhamento, perda de água no cozimento, comprimento do sarcômero, atividade de água. O delineamento experimental será o Inteiramente Casualizado. Os dados serão submetidos à análise de variância (ANOVA) tendo a idade dos animais como efeito fixo. As médias dos tratamentos serão comparadas entre si através do Teste de t. Para a comprovação das hipóteses será utilizado em todos os casos um nível de significância P<0,05.

Objetivo Geral

Determinar o efeito da estação do ano sobre ovinos de corte no período de cria, terminação e na etapa do pré-abate.
- Avaliar o efeito da estação do ano (fria e quente) no desempenho de cordeiros e ovelhas de descarte.
- Estudar o efeito da estação do ano no comportamento dos cordeiros e ovelhas criados e terminados em regime de confinamento.
- Quantificar o efeito da estação do ano nas características da carcaça de cordeiros e ovelhas de descarte criados e terminados em regime de confinamento.
- Estudar o efeito da estação do ano nas respostas fisiológicas dos cordeiros e ovelhas de descarte.
- Avaliar o efeito da estação do ano na qualidade da carne de cordeiros e ovelhas de descarte.

Justificativa

A solicitação da prorrogação do referido projeto está baseada na falta de análises laboratoriais e sensoriais da carne bem como da realização da análises estatísticas para a publicação dos resultados. Os dados desempenho animal em confinamento foram bastante promissores de resultados relevantes na qualidade da carne deste animais, buscando colocar no mercado um produto de melhor qualidade e com maior aceitação, visando o aumento do consumo de carne ovina. Este trabalho foi realizado em parceria como colégio politécnico de Santa Maria e a Universidade federal de Santa Maria (UFSM), com os custo de animais e de instalações e alimentação sendo todos por parte da UFSM. Desta forma, algumas variáveis estão em atraso por não estar sobre o nosso controle. O projeto já publicou um artigo na revista Small Ruminant Research: Thermal comfort and performance of feedlot lambs finished in two climaticcondition 174 (2019) 163 - 169 e está em tramitação outro artigo na revista Livestock Science: Carcass traits and meat quality of lambs slaughtered during different climaticconditions, bem como uma Revisão Bibliográfica aprovada na revista Medicina Veterinária de Recife (Estresse térmico e o desempenho produtivo de ovinos). O projeto tem potencial para mais publicações, além de uma tese de Doutorado e uma dissertação de mestrado, trabalho de conclusão de curso e vários outros resumos para congressos de iniciação científica. O projeto já tem recurso liberado pela FAPERGS para execução novamente do trabalho.

Metodologia

Os trabalhos experimentais serão desenvolvidos numa primeira fase de outubro de 2020 a janeiro de 2020 e numa segunda fase de maio a agosto de 2021, envolverá um total de 40 ovinos (Ovis aries): 20 cordeiros machos castrados com idade média de 50 dias (desmamados) e 20 ovelhas adultas (de descarte). Animais da raça Texel de uma única origem (proprietário). Os cordeiros serão divididos em dois lotes ao acaso, a saber: T1 - 10 animais criados e abatidos na estação fria (maio - agosto); T2 - 10 animais criados e abatidos na estação quente (outubro - janeiro). As ovelhas serão divididas em dois lotes, a saber: T1 - 10 fêmeas terminadas e abatidas na estação fria (maio - agosto); T2 - 10 fêmeas terminadas e abatidas na estação quente (outubro - janeiro).
A criação e terminação dos animais será realizada nas dependências (instalações) do Colégio Politécnico da Universidade Federal de Santa Maria-RS em regime de confinamento de forma individualizada. Cada animal será colocado em uma baia com 2,70 m2 elevada em relação ao solo com piso ripado em galpão coberto. A UFSM localiza-se na região fisiográfica denominada Depressão Central, com altitude de 95 m, latitude de 29º43’ Sul e longitude de 53º42’ Oeste (RIO GRANDE DO SUL, 1979). O clima da região, segundo a classificação de Köppen é do tipo subtropical – Cfa (MORENO, 1961).
Os cordeiros serão alimentados com 50% de silagem de milho e 50% de concentrado (isoprotéico). As ovelhas por sua vez receberão 60% da mesma silagem e 40% de concentrado, atendendo as exigências nutricionais conforme NRC (1985). A sobra será de 10% do total da ração recebida de modo a garantir o consumo voluntário máximo dos animais. A alimentação será fornecida duas vezes ao dia 08 h e às 16 h. As sobras de alimento serão coletadas para pesagem e amostradas a cada 21 dias e armazenadas congeladas para análises posteriores.
As amostras de alimentos e sobras serão acondicionadas e armazenadas em freezer (- 18ºC) para posterior análise nutricional (determinação dos teores de matéria seca (MS), cinzas, fibra em detergente neutro (FDN), a fibra em detergente ácido (FDA), proteína bruta (PB) e extrato etéreo (EE), etc.).
No início do experimento nas diferentes estações, os animais serão identificados numericamente com tinta na garupa, tratados com vermífugo e vacinados contra clostridiose.
Os animais terão livre acesso a água e ração (um cocho por animal). Todos os animais serão colocados por 10 dias iniciais para aclimatação ao manejo, instalações e alimentação. As ovelhas durante o período experimental terão comprimento de lã variando de 2,0 a 3,0 cm. Os animais serão pesados no início do trabalho e a cada 21 dias.
O abate dos animais será determinado em ovelhas quando estiverem no mínimo na condição corporal “3” (MORAES et al. 2005). Os cordeiros por sua vez serão destinados ao abate na mesma condição corporal e peso médio de 32 kg, ou seja, 60% do peso da ovelha adulta, conforme recomendação de Butterfield (1988).
O transporte para o abatedouro será feito em caminhão tipo boiadeiro a uma distância de 20 km. Chegando ao abatedouro os animais serão desembarcados e alojados em currais próprios para jejum e dieta hídrica por 6h. No abate serão seguidos os procedimentos do Regulamento Técnico da Inspeção Tecnológica e Higiênico-Sanitária do Ministério da Agricultura e Abastecimento. O abate do cordeiros e ovelhas será realizado em abatedouro com inspeção municipal, obedecendo as normas técnicas do RIISPOA.
A avaliação instrumental será tomada da metade esquerda da carcaça. Com a metade direita far-se-á a determinação de rendimento dos cortes comerciais e composição de músculo, osso e gordura.
Variáveis analisadas: a) Desempenho dos animais: O desempenho dos cordeiros e das ovelhas será feito avaliando-se as seguintes variáveis: - Consumo de matéria seca (MS) obtido pela diferença entre a quantidade oferecida e a sobra. - Ganho médio diário (GMD) por período e por tempo total, obtido pela diferença de peso dos animais nos períodos considerados dividido pelo total de dias do período. - A eficiência biológica será avaliada pela conversão alimentar (CA), pela eficiência alimentar (EF), pelo índice nutricional multivariado biológico (INMB), pela relação de Kleiber (RK) e pelo consumo alimentar residual (CAR) conforme Mello, et al. (2010). - Escore corporal (EC), obtido conforme técnica recomendada por MORAES et al. 2005).
b) Comportamento dos animais: O comportamento dos cordeiros e das ovelhas será feito num período de 24 h (uma avaliação a cada período de 21 dias) utilizando a técnica de registro periódico em intervalos de cinco minutos nos seguintes pontos após filmagem dos animais no período: - Tempo de alimentação (ta) - Tempo de ruminação (tr) - Tempo de ócio (to) - Tempo consumindo sal (ts) - Número de vezes que o animal bebe.
c) Resposta fisiológicas: - Temperatura da região ocular (TO), obtida por meio de uma câmara com dispositivo infravermelho (Modelo HTTI 3000). - Temperatura retal (TR), obtida através de termômetro digital. - Frequência respiratória (FR), obtida através de gravação contando os movimentos ao longo de um flanco por um período de 15 seg., em seguida convertido em respirações/min. (MAAJOUBI et al. 2014). - Teor de glicose sanguínea (TG), obtida com amostra se sangue na região da orelha do animal (Modelo..ACCU-CHEK Ative). Estas medidas serão tomadas a cada 21 dias e no momento de jejum e dieta hídrica dos animais no frigorífico.
d) Avaliações nas carcaças: - Peso da carcaça quente (PQ), obtido por pesagem da carcaça logo da sua obtenção na linha de abate no abatedouro. - Peso da carcaça fria (PF), obtido pela pesagem da carcaça resfriada por 24 h na temperatura de 4ºC. - Perda de peso no resfriamento (PR), obtida por diferença de peso entre carcaça quente e carcaça fria. - Rendimento de carcaça (RE), obtido entre a diferença de peso após jejum e dieta hídrica no abatedouro e o peso de carcaça quente. - Rendimento dos cortes comercias da carcaça (RC), obtido pela pesagem dos cortes comerciais destacados da carcaça fria, conforme Osório & Osório (2005). - Grau de engorduramento, conforme metodologia de Osório & Osório (2005). - Determinação da quantidade de músculo, osso e gordura das carcaças, através de dessecação da paleta, conforme Osório & Osório (2005).
e) Avaliações na carne: - pH0, pH3 e pH24, obtidos no músculo Longissimus toraccis entre a 9ª e 12ª vértebra torácica através de pHmetro portátil (Modelo EPC-70). - Cor da carne, determinada na seção transversal do músculo Longissimus toraccis fresco 24 h após o abate utilizando um Minolta Mater CR-310 (Minolta Co. Ltd, Japão) (WEGLARZ, 2010). - Força de cisalhamento, obtida através de amostras do músculo Longissimus toraccis na forma de bifes cozidos em chapa elétrica até temperatura de 71ºC internamente e retirada após resfriamento amostra de cada bife (1,3 cm de diâmetro) respeitando o sentido das fibras do músculo e com um texturômetro (Modelo XTPlus com aplicativo Exponent.6.1.5.0 – Stable Mycrosystems Ltd., Survey, Ingland) medida a força de cisalhamento médio de cada bife (GRUBER et al, 2014). - Perda de água no cozimento, obtida por meio de amostras de carne (bifes de 150 g com 2,5 cm de espessura) colocados dentro de sacos de polietileno em banho de água à 70ºC. As amostras serão cozidas por 90 min. E resfriadas em refrigerador (2 a 3ºC) uma noite. Após serão cuidadosamente secas e separadas para determinar a perda no cozimento (KANDIM, et al. 2004). - Comprimento do sarcômero, obtido conforme metodologia utilizada por Hopkins et al. (2011). - Atividade de água (Aw), através de aparelho Aqualab (Modelo 4-TVE).
Controle ambiental: A temperatura e a umidade relativa serão medidas a uma altura de 0,50 m nos currais de criação dos animais. Para tanto usar-se-á dois Data logger (Modelo HT-500 da Instrutherm) que farão registro contínuo durante todo o período de execução dos experimentos. Demais dados climáticos serão coletados na Estação Meteorológica de Santa Maria - UFSM. Os dados climáticos serão utilizados na determinação do Índice de Temperatura e Umidade (ITU) conforme Buffington et al (1981) e assim quantificar o desconforto térmico dos animais.
Determinação do tamanho da amostra: Para a determinação do tamanho da amostra (r) levou-se em consideração o coeficiente de variação (CV) da s principais variáveis que estarão sendo avaliadas no trabalho, tendo por base trabalhos de pesquisa anteriores e assim considerando um CV máximo de 30%. Assim o número de repetições conforme a metodologia de cálculo de Pimentel (1981) é de 10 animais para trabalhos experimentais com dois tratamentos.
Análise estatística: O delineamento experimental será o Inteiramente Casualizado. Os dados serão submetidos à análise de variância (ANOVA) tendo a idade dos animais como efeito fixo. As médias dos tratamentos serão comparadas entre si através do Teste de t. Para a comprovação das hipóteses será utilizado em todos os casos um nível de significância P<0,005.
Cada experimento (o de verão e o de inverno) serão analisados inicialmente de forma individual e para ampliar a abrangência dos resultados proceder-se-á análise conjunta dos dados verificando assim a possível existência ou não de efeito da idade dos animais, da estação do ano e a interação destas. O
O projeto de pesquisa terá como base de apoio para execução das análises o Laboratório de Carnes do Colégio Politécnico da Universidade Federal de Santa Maria e dos Laboratórios de Físico Química de Alimentos e do Núcleo Integrado de Análises Laboratoriais – NIDAL do Departamento de Tecnologia de Alimentos da mesma universidade.

Indicadores, Metas e Resultados

Os experimentos poderão trazer informações relevantes quanto ao efeito das condições
climáticas (estresse térmico) na fase de crescimento e terminação de cordeiros e ovelhas em
confinamento e na fase de pré-abate dos referidos animais. Estes resultados poderão sugerir
alternativas de criação, e/ou de manejo dos animais e das condições ambientais para
diminuição de perdas produtivas quando se tratar de condições ambientais e seu efeito no
bem-estar animal.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
GABRIELA MAIA DE AZEVEDO
OTONIEL GETER LAUZ FERREIRA1
RICARDO ZAMBARDA VAZ
ROGER MARLON GOMES ESTEVES2
STEFANI MACARI2

Página gerada em 29/05/2022 05:59:46 (consulta levou 0.288839s)