Nome do Projeto
Associação entre local de moradia e uso dos serviços odontológicos públicos em uma coorte de nascimentos em 2004 no município de Pelotas, Rio Grande do Sul.
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
30/10/2020 - 28/05/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
Uma das mais importantes aplicações da análise espacial refere-se aos estudos ecológicos, que tem como objetivo destacar medidas de incidência ou prevalência calculadas em áreas (áreas de ponderação, setores censitários ou quarteirões) em função de covariáveis socioeconômicas e de serviços de saúde, entre outras, medidas nestas mesmas áreas. Com isso, é importante salientar que a saúde bucal não decorre apenas das características clínico-epidemiológicas, mas envolve uma complexa rede de circunstâncias, atores sociais, conjuntura política, que influenciam o processo saúde-doença e são capazes de serem georreferenciados. A relação entre o local de moradia dos adolescentes e o uso dos serviços odontológicos poderia elucidar a influência da localização dos serviços odontológicos públicos e do formato de organização dos mesmos no uso destes serviços. Com isso seria possível avançar na busca do acesso universal e igualitário e a reorganização dos sistemas, além de possibilitar aos gestores um melhor planejamento dos recursos. Assim o objetivo deste estudo é verificar se existe associação entre o local de moradia dos usuários da subamostra de nascidos em 2004 no município de Pelotas-RS, que fizeram o acompanhamento de saúde bucal aos 12-13 anos de idade, em relação uso regular dos serviços odontológicos públicos disponíveis.

Objetivo Geral

Verificar se existe associação entre o local de moradia dos usuários da subamostra de nascidos em 2004 no município de Pelotas-RS, que fizeram o acompanhamento de saúde bucal aos 12-13 anos de idade, em relação uso regular dos serviços odontológicos públicos disponíveis.

Justificativa

A relação entre o local de moradia dos adolescentes e o uso dos serviços odontológicos poderia elucidar a influência da localização dos serviços odontológicos públicos e do formato de organização dos mesmos no uso destes serviços. Com isso seria possível avançar na busca do acesso universal e igualitário e a reorganização dos sistemas, além de possibilitar aos gestores um melhor planejamento dos recursos.

Metodologia

Delineamento
Será realizado um estudo analítico, do tipo transversal com participantes da Coorte de nascimentos de 2004.

Local do estudo
O município de Pelotas está situado na região sul do estado do Rio Grande do Sul, a 250 km de Porto Alegre, capital do estado. É, segundo o último Censo (2010), o terceiro município do estado em população, apresentando 321.818 habitantes (IBGE, 2012a). As crianças de 10 a 14 anos representam 7,87% (25.813) da população total, sendo que 93,8% (23.993) estão na zona urbana. Sendo 50,40% (13.011) do sexo masculino e 49,59% (12.802) do sexo feminino. O índice de desenvolvimento humano é de 0,739 (IBGE, 2012b).
Os serviços odontológicos estão presentes em 45 UBS das 50 existentes no município de Pelotas, incluindo a zona rural. O número de profissionais que realizavam o atendimento odontológico à população no ano de 2017 era de 48 cirurgiões-dentistas. Em relação aos modelos de atendimento dos profissionais de saúde bucal, Thurow (2014) observou a existência de dois existentes no município de Pelotas. No Modelo Tradicional, o profissional cirurgião-dentista tem carga horária de 20 horas semanais e trabalha de forma isolada, enquanto no Modelo de ESB a carga horária é de 40 horas semanais e o cirurgião-dentista tem à disposição auxiliar de saúde bucal, com a mesma jornada de trabalho. Em relação ao tipo de UBS, elas podem ser classificadas como tradicionais ou com equipes de ESF. Nas UBS onde atuam as ESF com a presença de cirurgiões-dentistas alguns atuam no Modelo Tradicional enquanto outros no Modelo ESB. Para isso, as informações serão obtidas após consulta ao Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde.

Amostra
Para a Coorte de Nascimentos de 2004, todas as mães de crianças nascidas nas maternidades da cidade de Pelotas-RS, residentes em Pelotas ou bairro Jardim América, no Capão do Leão, foram convidadas a participar do estudo. Em 2009, foi realizado o primeiro acompanhamento de saúde bucal, com uma subamostra de participantes da coorte de 2004 (1.303 indivíduos), na qual foram investigadas questões referentes à: opiniões da mãe/responsável sobre cuidados com a criança, orientação de saúde bucal, higiene bucal da criança, alimentação, consultas com o dentista, satisfação e problemas bucais, autopercepção de saúde bucal da mãe e condições de saúde bucal materna, além da realização de exame clínico bucal da criança (BARROS et al., 2006).
Os dados utilizados no trabalho serão retirados do acompanhamento de saúde bucal realizado em 2017, com a subamostra de participantes da coorte de 2004, que estavam com 12 e 13 anos de idade, dos quais 1.000 foram examinados, e teve como objetivo investigar questões relacionadas ao uso de serviços odontológicos, além de outros. Neste acompanhamento, o instrumento utilizado foi um questionário contendo 139 questões divididas nos seguintes blocos: identificação, uso de serviços odontológicos, bruxismo, questões direcionadas à mãe sobre higiene e uso de serviços odontológicos, funcionalidade familiar, estresse parental, escala estilos educativos, senso de coerência, hábitos de higiene bucal e uso de fluoretos do adolescente, hábitos alimentares, percepção relacionada à saúde bucal. Os entrevistadores foram treinados e calibrados. Das 1.000 entrevistas realizadas 884 foram respondidas pela mãe biológica ou adotiva do adolescente. Das 992 entrevistas realizadas com os adolescentes, sete não puderam ser respondidas, pois o mesmo apresentava déficit cognitivo que inviabilizou a aplicação e, além disso, houve uma recusa do adolescente, totalizando amostra final de 990 adolescentes entrevistados (BARROS, 2017).
Os dados dos serviços odontológicos públicos disponíveis serão solicitados à Secretaria Municipal de Saúde de Pelotas, contendo as seguintes informações: UBS com atendimento.
3.4 Variáveis
Este estudo será de investigação de base territorial e apresenta como variáveis dependentes o local de atendimento (posto de saúde), entendida como a proporção de indivíduos que consultaram com cirurgião-dentista na rede pública e uso do serviço odontológico regular (sim ou não), para o desfecho será considerado o uso dos serviços odontológicos na rede pública. As variáveis independentes serão: sexo (masculino ou feminino), cor da pele (branca, preta, parda ou outros), escolaridade (até 4 anos, de 5 a 8 anos, de 9 a 11 anos ou maior de 12 anos), renda em quintis (Q1, Q2, Q3, Q4 ou Q5), frequência escolar (sim ou não), já ter consultado com dentista alguma vez na vida (sim ou não), tempo da última visita ao dentista (menos de 1 ano, entre 1 e < 2 anos, entre 2 e < 3 anos, mais de 3 anos), consulta com ortodontista (sim, não ou não sabe), mãe utiliza o serviço odontológico de forma regular (sim ou não), modelo de trabalho da unidade de saúde (ESF ou tradicional) e modelo de trabalho do cirurgião-dentista (tradicional, tradicional inserido na ESF ou ESB), endereço e CEP (Código de Endereçamento Postal) da residência dos participantes da subamostra da coorte de 2004, utilizando os CEP será realizada a geocodificação, que é o processo de conversão de endereços em coordenadas geográficas (SKABA et al., 2004). A partir das coordenadas do local de moradia dos indivíduos da coorte será gerada uma variável, identificando se mora ou não em território de ESF. Sendo assim, nos resultados não será possível fazer a localização do endereço dos participantes da amostra.
O desenvolvimento metodológico desta pesquisa explicita a necessidade do uso de diferentes ferramentas para o tratamento dos dados cartográficos e temáticos, que incorporem técnicas da análise espacial, para o planejamento de saúde. Assim, pretende-se utilizar a plataforma de Sistemas de Informação Geográfica (SIG), com auxílio do software QGIS para elaboração dos mapas e ainda do programa Excel para tabulação dos dados e resolução de equações ou outras funções não realizadas no SPSS.
As análises exploratórias das distribuições geográficas, serão feitas com a agregação das informações sobre uso dos serviços odontológicos públicos de forma regular, modelo de trabalho da unidade de saúde e modelo de trabalho do cirurgião-dentista. A partir disso será realizada a elaboração de mapas temáticos por meio da distribuição dos indivíduos que fizeram o uso regular do serviço odontológico, relacionando com a oferta destes serviços, com um esquema de cores.
Quanto à coleta de dados cartográficos para a construção dos mapeamentos, utilizou-se o recorte da cidade de Pelotas com diferentes camadas de informações armazenadas em arquivo do formato shapefile. Os dados cartográficos coletados no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) compreendem as seguintes camadas: limite municipal; setores censitários urbanos e rurais. Os dados coletados nas Secretarias da Prefeitura Municipal de Pelotas: Regiões Administrativas urbanas; Meso-regiões e subregiões urbanas; Áreas de abrangência das ESF de Pelotas, localização das UBS do município. As camadas de polígonos foram integradas e avaliadas por meio da consistência topológica.
Análise dos dados
Serão elaboradas duas planilhas no programa Microsoft Office Excel versão 2016 com os dados dos examinados no acompanhamento realizado em 2017, sendo uma com as informações dos indivíduos e outra com a caracterização dos serviços.
A partir dessas planilhas, será feita a análise estatística utilizando o Programa Stata versão 12 para os testes estatísticos de associação.
Para análise dos dados espaciais, cada UBS/USF que possuir atendimento odontológico no modelo tradicional em apenas um turno será considerado para abrangência de uma população adstrita de 2.000 pessoas, já quando possuir dois turnos a abrangência será de 4.000 pessoas. Já em relação às ESF/ESB a abrangência populacional considerada será de 3.000 pessoas, conforme o indicador número 2 do Ministério da Saúde em relação ao cálculo de cobertura estimada da população residente pelas equipes de saúde bucal da atenção básica, conforme cálculo utilizado para o Índice de Desempenho do Sistema Único de Saúde – IDISUS (BRASIL, 2015).

Aspectos éticos
Os dados utilizados neste estudo fazem parte de um banco do projeto “Condições de saúde bucal aos 12 anos de idade na Coorte de Nascimentos de Pelotas de 2004: determinantes socioeconômicos, psicossociais, comportamentais e de acesso a serviços odontológicos ao longo do ciclo vital”, realizada por Aluísio Jardim Dornellas de Barros, que foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Medicina, da Universidade Federal de Pelotas, conforme Parecer no 1.841.984 de 27/10/2016.
Como se tratam de dados secundários, serão respeitados os princípios da Resolução Conselho Nacional de Saúde 466/2012, garantindo que os resultados encontrados estejam livres de fraude, sem a divulgação nenhum dado individual. Ainda, justifica-se a solicitação de dispensa de obtenção de Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, pois o termo foi aplicado no momento da coleta de dados.
Para utilização dos dados, foi feita uma solicitação aos responsáveis pela Coorte pedindo a autorização e ciência dos mesmos em relação aos objetivos do projeto (Anexo A).


Indicadores, Metas e Resultados

Espera-se encontrar diferença estatisticamente significativa no uso de serviços odontológicos públicos de ESB com ESF e sem ESF por adolescentes de 12 e 13 anos, nascidos em 2014, no município de Pelotas-RS.
Os resultados serão publicados em periódico da área.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALEXANDRE EMIDIO RIBEIRO SILVA1
EDUARDO DICKIE DE CASTILHOS2
ERIKA COLLISCHONN1
LETYCIA BARROS GONÇALVES

Página gerada em 30/06/2022 17:20:37 (consulta levou 0.084624s)