Nome do Projeto
PhotoGraphein vai à Escola
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
24/04/2017 - 21/12/2018
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Linguística, Letras e Artes
Eixo Temático (Principal - Afim)
Educação / Cultura
Linha de Extensão
Artes visuais
Resumo
A presente proposta insere-se no âmbito das ações de extensão do PhotoGraphein – Núcleo de Pesquisa em Fotografia e Educação (UFPel/CNPq), levando para a realidade escolar o resultado das pesquisas desenvolvidas no Núcleo. O projeto visa proporcionar um espaço para discussões sobre a fotografia como uma possibilidade de ver o cotidiano sob outra perspectiva, propondo o exercício do olhar crítico e a aproximação efetiva das pesquisas acadêmicas do contexto escolar. Tal prática possibilita abordar na escola de forma lúdica a importância de experiências que propiciam o desenvolvimento de leituras visuais do mundo. Isso, na consideração do papel relevante que as imagens desempenham no cotidiano contemporâneo, suprindo demandas das escolas com relação ao consumo consciente das imagens, e permitindo discussões facilitadoras da construção de um conhecimento teórico-prático em consonância com a realidade. Priorizamos a realização de processos fotográficos artesanais (fotografia pinhole), utilizando câmeras lata-de-sardinha, uma experiência diferenciada e provocadora, em especial para uma geração imersa na instantaneidade dos processos digitais.

Objetivo Geral

Proporcionar aos escolares a construção de conhecimentos no campo de Artes Visuais, tendo como tema propulsor a fotografia, utilizando-a como recurso amplificador do olhar sensível e crítico sobre o cotidiano.

Justificativa

O projeto justifica-se por oportunizar a comunidade escolar a aquisição de conhecimentos sobre a fotografia pinhole, uma expressão peculiar que propicia a criação de imagens ao mesmo tempo análogas e imaginárias. As imagens da lata resultam de procedimentos artesanais que dispensam o uso da câmara fotográfica e isso desperta a curiosidade dos envolvidos, levando-os a refletir sobre os processos de formação das imagens, entendendo-as como resultantes da prática de linguagens comunicativas, não-verbais. Essa é uma discussão de fundamental importância, visto a nossa imersão num cotidiano cada vez mais visual. Entretanto, nem sempre os professores estão preparados para desenvolvê-la. Nesse sentido as atividades do projeto colaboram tanto para a formação dos escolares, assim como a dos professores.

Metodologia

Realização de atividades teóricas e práticas na educação básica explorando a fotografia como objeto instigador e amplificador do olhar, com ênfase numa abordagem que privilegia discussões poéticas acerca das relações do homem contemporâneo com o meio. Elas incluem exposições dialogadas sobre a história da fotografia; apresentação de vídeos e imagens; confecção de câmeras lata-de-sardinha, saídas de campo, montagem de exposições.

Indicadores, Metas e Resultados

A construção de “máquinas” fotográficas artesanais é uma experiência diferenciada e provocadora, em especial, para os escolares acostumados à praticidade e instantaneidade dos processos digitais. Desenvolver este tipo de equipamento artesanal desperta o interesse e a imaginação dos envolvidos, visto que os resultados são sempre inesperados e instigantes. As imagens resultantes são registros criativos que transcendem à condição documental inerente às imagens fotográficas, provocando os olhares e estimulando a reflexão sobre o visto.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
AMANDA RIBEIRO CORRÊA
CLAUDIA MARIZA MATTOS BRANDAO2
DHARA FERNANDA NUNES CARRARA
Guilherme Susin Sirtoli
HELENA DORNELES BARBIERI DE CAMPOS
XENIA JULIANO FIDALGO VELLOSO

Página gerada em 04/12/2022 02:41:20 (consulta levou 0.064971s)