Nome do Projeto
Caminhografia Urbana: experiência do inscrever-se na cidade
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
01/01/2021 - 31/12/2024
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Sociais Aplicadas
Resumo
Reúne pesquisas e estudos que envolvam a caminhografia urbana, na acadêmia, em atividades de pesquisas de graduação e pós-graduação, com o objetivo geral de estimular a prática de experiência urbana a partir do exercício da caminhografia urbana, a fim de potencializar e intensificar a vivência nas cidades da contemporaneidade, criando pistas e novas soluções relacionadas aos modos de vida urbana e arquitetônica emergentes, que qualificam e contradizem as cidades latino-americanas.

Objetivo Geral

Estimular a prática de experiência urbana a partir do exercício da caminhografia urbana (caminhar e cartografar, concomitantemente), a fim de potencializar e intensificar a vivência nas cidades da contemporaneidade, criando pistas e novas soluções relacionadas aos modos de vida urbana e arquitetônica emergentes, que qualificam e contradizem as cidades latino-americanas.

Justificativa

Percebe-se nas últimas décadas, a contingência das chamadas cartografias sensíveis, como outras concepções teóricas e práticas emergentes para experienciar e reivindicar um discurso processual sobre as cidades. A fim de intervir, projetar, identificar, potencializar e suscitar algumas pistas sobre os atores hegemônicos e não hegemonizados que desconstroem e reproduzem o urbanismo, essas metodologias abertas vêm conformando uma possibilidade de investigação aberta. A partir de um mapeamento dinâmico, menor e não verticalizado, a pesquisa com esse intuito tem desdobrado os discursos sobre a cidade ao desvelar a multiplicidade inerente à construção do cotidiano urbano.

Propondo o resgate da experiência de cidade, prevendo o encontro com a alteridade, essa proposta de pesquisa compromete-se com a transdisciplinaridade, e acolhe diferentes pontos e modos de experienciar a vida urbana. Abrindo-se a estudantes de diferentes áreas, planejadores, e curiosos que queiram acompanhar as dinâmicas urbanas, a pesquisa extrapola o âmbito acadêmico e vai ao encontro da rua. Entende-se a rua como um lugar de polivalência, palco de movimentos de consenso e conflito, controle e resistência, que estabelecem um território que é contraditório em si mesmo.

A experiência se propõe à ativação e à proximidade - o tocar e o pisar, na terra, na grama, nas calçadas. Ir ao encontro das urgências cotidianas e aos acontecimentos significantes. Entrar em contato com o outro – a comunidade – conversando, ouvindo, agindo ou resistindo. Subvertendo o planejamento vertical e distante, que ignora as demandas pulsantes e evidentes na vida que ocorre na justaposição de realidades.

Metodologia

Unindo os diversos processos que buscam, a partir da experiência, o contato com as potências emergentes da cidade, essa pesquisa se estrutura no encontro transdisciplinar entre arte, arquitetura, filosofia, geografia e antropologia. Busca mapear essa outra cidade-lugar, caminhando e desenhando mapas que expressam as brechas e a diferença, expressas pelo encontro entre a cidade planejada e a cidade vivida, o exterior e o interior, o material e o virtual, o objetivo e o subjetivo . Alicerça-se nas propostas cartográficas de Gilles Deleuze e Félix Guattari e no caminhar errante de Paola Jacques e Francesco Careri.

A caminhografia (caminhada + cartografia) é proposta como uma inovação metodológica, que construiu-se a partir da revisão dos estudos situacionistas, do giro etnográfico das artes, e das metodologias já adotadas em pesquisas de mestrado desenvolvidas dentro do grupo de pesquisa Cidade+Contemporaneidade. Todos na busca por mapear uma outra cidade-lugar, caminhando no processo “desenhando” mapas de trajetos e encontros, na coexistência do instante da contemporaneidade, do vivido e sentido na pele do pesquisador corpo-arquiteto-urbanista-cidade.

Indicadores, Metas e Resultados

Meta 1: Revisar as referências conceituais e práticas já realizadas pelo Grupo de pesquisa CNPQ Cidade+Contemporaneidade, em experiências passadas (pesquisas coletivas, dissertações de mestrado, revista pixo “Caminhografia urbana I e II”, Mesa “Caminhografia Urbana” no ENANPARQ 2020, etc.). Indicador 1: organizar um arquivo com os estudos de referência, sistematizados e que demonstrem as variações de procedimentos metodológicos adotados.

Meta 2: Realizar “caminhografias urbanas”, a partir de variações encontradas na Meta 1, por cidades latino-americanas. Indicador 2: produção de registro do processo “caminhográfico” em: mapas, fotografias, vídeos, etc.

Meta 3: Metodologizar as “caminhografias urbanas”. Indicador 3: organizar um relatório com as variáveis utilizadas nas experiências e que demonstrem os procedimentos metodológicos adotados.

Meta 4: Analisar os dados obtidos nas Metas 1, 2 e 3; observando as suas variações (temporais, espaciais, corporais, procedimentos, etc.). Indicador 4: organizar um relatório e infográficos sistematizando as informações e agenciando com referenciais teóricos.

Meta 5: Comunicar em tempo real as ações do processo de pesquisa. Indicador 5: criação de um website, reunindo as experiências metodológicas realizadas e as etapas da pesquisa.

Meta 6 : Divulgar a metodologia “Caminhografia Urbana”. Indicador 6: Organizar e editar um livro sobre as pistas metodológicas da “caminhografia urbana”.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALINE NASCIMENTO DOS SANTOS
ANDREWS DUBOIS JOBIM
CAROLINA FRASSON SEBALHOS
DANIELA CRISTIEN SILVEIRA MAIRESSE COELHO
EDUARDO ROCHA40
GABRIELE VARGAS DA SILVA
GABRIELE VARGAS DA SILVA
HUMBERTO LEVY DE SOUZA
ISABELLA KHAUAM MARICATTO
ISABELLA KHAUAM MARICATTO
LAÍS DELLINGHAUSEN PORTELA
MARCIA REGINA PEREIRA DE SOUSA5
NATÁLIA LOHMANN D'ÁVILA
PAULA PEDREIRA DEL FIOL
RAMAIANA CABRAL DE MELLO MESKO
SHIRLEY TERRA LARA DOS SANTOS5
TAÍS BELTRAME DOS SANTOS
VALENTINA MACHADO
VANESSA FORNECK

Página gerada em 10/04/2021 16:36:25 (consulta levou 0.075812s)