Nome do Projeto
V Seminário Internacional Design Tradição e Sociedade: DESIGNAÇÕES EMERGENTES
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
03/05/2021 - 22/11/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Sociais Aplicadas
Eixo Temático (Principal - Afim)
Comunicação / Cultura
Linha de Extensão
Artes integradas
Resumo
DESIGNAÇÕES VISUAIS EMERGENTES configura a temática para execução da quinta edição do Seminário Internacional Design, Tradição e Sociedade (SIDTS) estruturada a partir de três eixos transversais complementares, a saber: 1. Des | Materialização do Design, 2. Memória e Identidade das Artes Gráficas e, 3. Gestão e Tecnologias da Informação. Evento transdisciplinar, nesta edição de 2021, integra os parceiros pesquisadores do Projeto Institucional de Pesquisa Design e Desenvolvimento Territorial, vinculado ao Polo Morro Redondo - Cátedra UNESCO - Instituto Politécnico de Tomar - IPT (Portugal), a Universidade de Cádiz - Faculdade de Ciências Sociais e Comunicação (Espanha) e ao Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural - UFPEL (Nota 5 CAPES). Sua concepção, desenvolvimento e avaliação está sob a coordenação co-partilhada do Grupo de Pesquisa Memória Gráfica: Design, Tradição e Sociedade - CNPq, originado pelo Projeto de Pesquisa Memória Gráfica de Pelotas: um século de design. Prevista para os dias 01, 02 e 03 de setembro de 2021, o 5ª SIDTS debruça-se sobre o contexto das crises pandêmicas e nas ações emergenciais que o Design assume e opera nas novas condições de espaços, de tempo, de técnicas, tecnologias e dos seus respectivos impactos nas identidades, economia, processos, agenciamentos e estéticas (cultura visual) praticadas, possibilitando avaliar seus aspecto de agenciamento e permanência, de gestão e memória. Como fomento à reflexão acerca da velocidade na qual os setores de ensino, pesquisa, extensão, incluindo as iniciativas privadas (mercado de trabalho), foram obrigados a buscarem estratégias de permanência de atuação, Designações Visuais Emergentes destina-se a identificar as tipologias e características das peças produzidas neste período de crise sanitária, compreendendo seus resultados também como artefatos de potência representativa do social na sua mais pura relação entre local - global e global - local, imaginários do novo paradigma da globalização pela revolução informacional. Palavras-Chave: design emergencial; design digital; design gráfico; artes gráficas; memória e identidade; gestão e tecnologia da informação

Objetivo Geral

Propor uma reflexão sobre as ações emergenciais realizadas através do Design no contexto de pandemia e isolamento social, especialmente no que tangencia a COVID-19;


Discutir a desmaterialização das artes gráficas e das relações humanas que passam a ser mediadas pelas telas;

Refletir sobre a preservação da memória e identidade das artes gráficas no cenário atual;


Conhecer e avaliar diferentes estratégias utilizadas no cenário de pandemia e isolamento social para reorganizar o espaço e o fluxo de informação voltados à permanência da memória e do patrimônio gráfico.;

Oferecer um espaço de memória para preservar as ações emergentes realizadas durante a pandemia do COVID-19;


Proporcionar inter-locução entre pesquisadores, profissionais e acadêmicos da área específica e afins,

Desenvolver instrumento de extroversão do conhecimento com os resultados do evento, que registrem e apresentem um panorama das reflexões atuais sobre as ações emergentes na/da área do Design em tempos de crises, pandemias e isolamento social, publicável e distribuído nas Redes Municipais de Educação.  


Justificativa

A produção de fóruns temáticos acerca da Memória Gráfica, a partir de suas manifestações estilísticas, como patrimônio cultural e memória, com resultados diretamente relacionados às suas técnicas empregadas, representam uma parcela importante no desenvolvimento social.
Investigações acerca do impacto da comunicação visual na sociedade tem sido tema recorrente em pesquisas, principalmente no que diz respeito àquelas dedicadas a mapear a história da técnica de produção ou reconhecer as orientações estilísticas que, não rara às vezes, foram advindas das referências da Europa e/ou dos Estados Unidos da América.
Os esforços direcionados ao mapeamento do seleto grupo de artistas-intelectuais reunidos em Recife entre 1954 e 1961 (segundo Silvia Steinberg), pautado em obra O Gráfico Amador de Guilherme Cunha Lima e, posteriormente, com a formação do grupo Memória Gráfica Brasileira e sua convergência de esforços no mapeamento e organização da obra de J. Carlos em Revista e/ou de Aloísio Magalhães, bem como as investigações do grupo Memória Gráfica Capichaba de Leticia Pedruzzi Fonseca, a partir da Revista Vida Capichaba, demonstram a vontade política e os resultados já alcançados por algumas instituições e profissionais da área das Ciências Sociais Aplicadas, Artes e Humanas, bem como impulsionam novas perspectivas a pesquisas, sejam para o tratamento arquivístico ou de conservação, quanto para aspectos técnicos/conceituais de processos produção e de resultados estéticos nesta vertente de investigações.
Relevante também se registrar os interesses acerca da retórica dos meios de escrita e seus respectivos processos de leitura. A partir desse binômio, indica-se potencialmente algumas possibilidades de identificar identidades e culturas: a exemplo dos clichês utilizados nos Almanachs de Pelotas ou dos anúncios ilustrados encontrados no mesmo periódico, assim como os resultados parciais dos estudos acerca do jornal local Diário Popular – impressos que circularam na cidade de Pelotas-RS, localizada ao sul do Rio Grande do Sul, município que sediará o evento em pauta.
Como substrato significativo à sociedade que se escreve e que se lê, as edições do periódico Diário Popular, desde sua origem (27 de agosto de 1890), ilustram uma parcela representativa do cenário gráfico local. Ferramentas e técnicas são identificáveis nos seus exemplares, assim como o pensamento gráfico gerado no âmbito cultural/econômico também pode ser analisado pelos tipos e composições, associados ao contexto dos ateliers e tipografias.
Considerando a velocidade das transcrições do analógico para o digital, e, ainda, as tecnologias do hipertexto, a sociedade da informação e o futuro da memória eletrônica registram-se como reflexão indispensável para a compreensão não só do destino desses artefatos, que cada vez mais carecem de critérios para duplicação e acesso, mas também dos seus desdobramentos relacionados aos processos de criação, atualização, acesso, distribuição, colaboratividade, de autoria e agenciamento.

Estratégia para a qualificação de pesquisas e preservação da memória visual na/da pandemia COVID-19, Designações Visuais Emergentes impulsiona ainda à formação de público para o design comprometido com seu contexto, com a devida reflexão crítica à tradição e à sociedade do “novo normal".
Atualmente, a partir de 2020 em especial, as referências de mundo foram reinventadas formatando novas maneiras de pensá-lo e, consequentemente, de representá-lo. O estado de emergência imposto pela COVID-19, além de gerar novos comportamentos (regras sanitárias, isolamento social e uso de máscaras), exige o uso de termos e o reconhecimento de lugares, bem como uma busca de repertórios para representar essas informações em formato visual, bem como a reflexão sobre as possibilidades de influências e inspirações que esta realidade promove, em especial, àquelas voltadas aos processos criação, de métodos e técnicas, como estratégia para "escrever” visualmente o mundo em que vivemos. Para tanto, Designações Visuais Emergentes encontra lastro nas experiências pedagógicas do Curso de Design, UFPEL, durante o ano de 2020, através da disciplina compartilhada pelo seu corpo docente intitulada Design na Pandemia, com tópicos específicos sobre os temas, a saber: Perspectivas do Design de Interação em tempos de pandemia; As múltiplas imagens na/da pandemia; Design e feminismo em tempos de crise; Design socialmente responsável (em tempos de pandemia); Educação à distância no Design em tempos de pandemia; ISOTYPE COVID-19, entre outros, bem como os recentes trabalhos de Giselle Beiguelman, a exemplo da sua obra de NetArt CORONAVIDA, acessível pelo hiperlink http://www.desvirtual.com/coronavida-pandemia-cidade-e-cultura-urbana/ .
Fonte de informações acerca das práticas “das artes gráficas” em contextos de crise, a proposta compreende as especialidades do Design como verdadeiros repositórios de informações técnicas, de reconhecimento de processos de criação, produção e respectivos resultados estéticos, bem como indícios para se pensar e criar estratégias eficazes para o enfrentamento das fragilidades que a pandemia da COVID-19 impôs ao ofício do Design Gráfico e Digital.

Metodologia

A referida proposta identificará, classificará e analisará as práticas do Design Gráfico e Digital no contexto da COVID19, refletindo acerca dos seus processos de criação, produção e veiculação dos seus resultados, objetivando a devida compreensão dos impactos da COVID-19 nos seus contextos sócio/técnicos/culturais na Comunicação Visual, Ciências Sociais Aplicadas.

Evento virtual desenvolvido em três dias, apresentando um elenco nacional e internacional de convidados em mesas temáticas e conferências prevê, além de oportunizar a inscrição de trabalhos no formato de comunicação e pôsteres, a publicação de seus resultados.
Durção de 03 dias de evento:
10h às 12h - Apresentações de Comunicações - permanecerá disponível após o evento
14h às 16h - Conferências: Internacional e Nacional - permanecerá disponível após o evento
16h - Abertura da ExpoGráfica, exposição de Pôsteres no Site do Evento - permanecerá disponível após o evento


A. Conferências - São os conteúdos de destaque do evento e que devem contribuir pela experiência do conferencista e produção teórica.
B. Sessões de Comunicação - serão selecionadas a partir de edital, desdobradas através do tema principal pelos coordenadores das sessões, que serão convidados pela equipe. A ementa de cada sala e o processo de inscrição e seleção também será coordenado pelos convidados mediadores.
C. ExpoGráfica - Exposição de “cases" a partir pôsteres, acompanhados de Resumos Expandidos, selecionados por edital. Objetivam diversificar os pontos de vistas e os relatos sobre aspectos transversais ao tema geral


Conferencistas Internacionais Confirmados

Dr. Juan Salamanca
University of Illinois at Urbana-Champaign 
Urbana-Champaign (Illinois)
Estados Unidos
smartartifact.com - jsal@illinois.edu
Dr. Juan Salamanca é pesquisador e designer de interação. Possui mais de 15 anos de experiência, tanto na indústria quanto na academia com experimentos com questões estéticas de produtos e tecnologias de informação. Sua área de atuação é uma intersecção entre design, ciências sociais e informática. Sua pesquisa investiga  as condições sociais e materiais necessárias para fomentar – ou dificultar – a cooperação e a colaboração em práticas coletivas, como o deslocamento urbano. Suas publicações recentes discutem o conceito de viscosidade social e introduzem o uso da Modelagem Baseada em Agentes (Agent-Based Modelling) como uma ferramenta para o estudo da interação social. Além disso, ele explora a análise visual de grandes conjuntos de dados para a realização de objetivos coletivos não planejados dentro de um contexto de uma cidade inteligente. Atualmente, ele é Professor Assistente (assistant professor) na School of Art + Design, na University of Illinois at Urbana-Champaign (EUA).

Dr. Stan Ruecker
University of Illinois at Urbana-Champaign 
Urbana-Champaign (Illinois)
Estados Unidos
https://publish.illinois.edu/designconceptslab/ - sruecker@illinois.edu
Dr. Stan Ruecker é professor de Design na University of Illinois at Urbana-Champaign. Por muitos anos ele pesquisou sobre o futuro da escrita, onde desenvolveu e testou junto com seu time dezenas de protótipos com esse fim. Atualmente, ele está explorando interfaces físicas para trabalhos conceituais complexos, como análise de textos, modelagem e design de experiências. Além disso, é o pesquisador responsável pelo Design Concepts Lab, o qual utiliza a abordagem do Design para desenvolver modelos operacionais de ideias abstratas. Por fim, Dr. Stan Ruecker já realizou inúmeras palestras internacionais e também atua como consultor para o desenvolvimento de programas de doutorado em Design.

Dra. Milena Radzikowska
Mount Royal University 
Calgary (Alberta)
Canadá
http://milenaradzikowska.com/ 
Dr. Milena Radzikowska possui mais de 75 publicações e apresentações como co-autora  em visualização de dados (data visualization), Interação mediada por computador (HCI) e Design de Informação, incluindo o livro Visual Interface Design for Digital Cultural Heritage (Routledge Publishing, 2011) e as publicações no prelo: Design + DH e Prototyping Across the Disciplines: Designing Better Futures (Intellect Books, 2021). Ela já projetou mais de 36 ferramentas e interfaces interativas e, em 2018, ganhou o prêmio canadense de educadora de design (Design Educator of the Year Award da associação Registered Graphic Designers of Canada). Dr. Radzikowska é professora plena (Full Professor) de Design de Informação na Mount Royal University.


Dr. Francisco Providência
PROVIDENCIADESIGN
Portugal
http://www.fprovidencia.com

Dr. Francisco Maria Mendes de Seiça da Providência é Professor Associado convidado na Universidade de Aveiro. Nasceu em Coimbra em 1961 e formou- se em Design de Comunicação na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto em 1985. Assistente de Design e Fotografia na Faculdade de Belas Artes do Porto de 1985-1986, de Desenho na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto de 1986-1997 e depois como Professor Auxiliar Convidado de Projecto em Design, no Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro 1997-2006. É doutorado em Design, sob o tema da Poética como inovação em Design. Possui atelier próprio desde 1985, e foi distinguido em 1999 com o Prémio Nacional de Design nas áreas da Comunicação, do Produto e do Ambiente, pelo Centro Português de Design. É consultor do Centro Português de Design e sócio fundador da loja e editora de design “Sátira design” (Porto). Ao longo da sua actividade profissional verifica-se particular atenção à construção de identidades autárquicas, nomeadamente pelo redesenho das suas insígnias, como é o caso de Coimbra, Guimarães, Ílhavo, Sa Ma da Feira, S. João da Madeira entre outras. Tem publicado diversos artigos sobre design, nomeadamente na colectânea da GG “Arte? Diseño” orientada por Anna Calvera (2003); está representado em “Tráfego, antologia crítica da nova visualidade portuguesa” e tem participado em diversas exposições colectivas internacionais de design.


Conferencistas Nacionais Confirmados

Dra. Helena de Barros
ESDI - UERJ
Rio de Janeiro
Dra. Helena de Barros é graduada em 1994, seu trabalho de conclusão ganhou o prêmio Carmem Portinho de Arte e Cultura. Trabalha com design de impressos e design de exposições, com tratamento de imagem digital para grandes formatos, e com pré-produção. Destacam-se projetos desenvolvidos para o Anima Mundi, Museu do Índio, Anna Bella Geiger, Centro Cultural da Light e CCBB-RJ. Como artista digital assina-se Helenbar (www.helenbar.com), trabalhando com fotomontagens e autorretratos manipulados digitalmente. Participou da exposição coletiva internacional Eu me desdobro em muitos: a auto-representação na fotografia contemporânea (FotoRio 2011, Centro Cultural Banco do Brasil - RJ). Lecionou Materiais e Processos Gráficos I e II na ESDI/UERJ como professora substituta.


Dra. Maria de Fatima Waechter Finizola
UFPE
Pernambuco
Dra. Maria de Fatima Waechter Finizola é mestre em Design pelo Programa de Pós-graduação em Design da UFPE. Designer gráfico com graduação em Desenho Industrial / Programação Visual (1996) e Especialista em Design da Informação (2001) pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Professora Adjunta do Curso de Design da Universidade Federal de Pernambuco - Campus do Agreste, onde também desempenha a função de Coordenadora do Núcleo de Design e Comunicação. Sócia fundadora da Corisco Design, onde atuou por 15 anos como designer sênior nas áreas de projeto gráfico, identidade visual, projeto editorial, sinalização, tipografia digital, entre outros. Curadora da 9ª Bienal de Design Gráfico ADG da categoria 'Vernacular, Popular e Regional' e júri da 12ª Bienal de Design Gráfico ADG na categoria de Tipografia Experimental. Coordenadora do Laboratório de Tipografia do Agreste da UFPE-CAA (2016-2019). Membro da diretoria da Associação dos Designers Gráficos do Brasil - ADG Brasil -, gestão 2010-2011 e gestão 2012-2013. Integrou o Grupo de Pesquisa PROCAD/CAPES 'Memória Gráfica Brasileira'. Atualmente é uma das lideres dos grupos de pesquisa do CNPq 'Tipo-grafias: estudos sobre desenho e produção de letras' e 'LDGraf: linguagens do design gráfico'. Tem como principais áreas de interesse acadêmico: memória gráfica e design e tipografia vernacular.


Dra. Paula Vivana de Rezende e Valadares
UFPE
Pernambuco
Dra. Paula Vivana de Rezende e Valadares é graduada em Desenho Industrial (1995) e mestre em Design (2007) pela UFPE. Integra o corpo docente da UFPE do curso de Design do Campus do Agreste e é membro colaborador do Laboratório de Tipografia do Agreste (LTA) dessa instituição. Leciona disciplinas como: História do Design; História da Tipografia; Design, Sociedade e Cultura; Fundamentos do design; Identidade Visual; e Memória Gráfica do Agreste. Possui experiência prática em áreas de design gráfico: identidade visual, projetos editoriais, capas de discos, campanhas publicitárias e em design de exposições. Membro do grupo de pesquisa LDGraf - Linguagens do Design Gráfico. Como linha de pesquisa atua nos campos de: linguagem gráfica, tipografia, história e memória gráfica relacionados à cultura brasileira, investigando as representações visuais.

Indicadores, Metas e Resultados

Com a formação de um grupo sistematicamente orientado às ações de Preservação e Conservação de documentos de perfil histórico, qualificados pelo intercâmbio de profissionais proporcionado pelo evento SIDTS, identificou, catalogou e analisou as fontes bibliográficas e os dados sobre o desenvolvimento do Design Gráfico em Pelotas durante o século XX a partir das fontes locadas no Acervo da Biblioteca Pública Pelotense, organizando seus respectivos resultados em eventos internacionais e Publicações Impressas e Eletrônicas. A equipe do projeto, nesta instância de pesquisa, promoveu a produção científica e cultural aplicada, nesse caso, ao acesso da Coleção de Impressos do Acervo da Biblioteca Pública Pelotense, disponibilizado em fórum eletrônico, acessível pela URL http://www2.ufpel.edu.br/iad/memoriagraficadepelotas/ . No referido portal encontram-se duplicados digitalmente, exemplares significativos dos fundos/coleções da Bibliotheca Pública Pelotense, bem como artigos científicos resultantes das investigações acerca da Memória Gráfica: Perspectivas Técnicas e Estilísticas; A Gráfica Diário Popular Ltda. de Pelotas como palco da produção gráfica local; Análise Gráfica do Album Litterário de 1875; Das in/ex pressões em resgate a um século de Design em Pelotas: a pertinência de um estudo interdisciplinar; Design gráfico e memória: as peças gráficas do Parque Souza Soares- Pelotas; Design, Tradição e Sociedade; Litografia: uma Genial Invenção; O design como suporte de memória e a busca por uma identidade da área; Tradição gráfica em Pelotas: Estudo de mapeamento da indústria gráfica com base nos anúncios publicados no Álbum de Pelotas 1922 e Almanach de Pelotas 1920- 1929; entre outros.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALVARO RITTER QUEVEDO
AMANDA PACCANARO MARINO
ANA DA ROSA BANDEIRA
ANA JULIA TEIXEIRA DE OLIVEIRA
ANGELICA DIAS GONCALVES DUARTE
ANGELICA KNUTH
AUGUSTO ANDRE WIEGAND
BIBIANA BRANCO
BRUNA PADILHA BORBA
CAMILA NIEMANN LOPES
CAROLINA ABUKAWA
CAROLINA CABREIRA MAGALHÃES FALCÃO
CAROLINA VARIZI CORREGIO
CASSIA MARIGLIANO
CHRIS DE AZEVEDO RAMIL
CLÁUDIA DA SILVA NOGUEIRA
DANIEL LAMPE DA SILVA
DANIELLA PEREIRA DAVID
DAVI MENDES DA RESSURREICAO
Dennis Messa da Silva
EDUARDA LESSA BENITES
EDUARDO MONTAGNA DA SILVEIRA
FELIPE DOS SANTOS MULLER
GABRIELE LIMA TOLEDO
GABRIELY GALLO DA SILVA
GIANLUCCA DE MENDONCA BUZO
HELENA DE ARAUJO NEVES
HELOISA INACIO FERNANDEZ
HUGO AMARO DE SOUZA NETO
INGRID OLIVEIRA DA SILVA
ISABEL RODRIGUES DA FONSECA HARO
ISABELLA MALUE DOS SANTOS
IZABELA MARIA DOS SANTOS ZANIN
JENNIFER PAOLA PISSO CONCHA
JESSICA DOMINGUES DA SILVA
JESSICA VARGAS DA FONSECA
JOAO FERNANDO IGANSI NUNES2
JOAO PEDRO KOSBY FLOOR JUNIOR
JULIA VARGAS ABREU
JÚLIA GREQUE MAXIMILA
KAROLINE DE FARIAS MAILAN
LARA CALVETTE DAUNIS
LAURA BARELA PEREIRA
LUCAS FERREIRA DOS SANTOS
LUCAS ZANUSSO MORAIS
LUCIA BERGAMASCHI COSTA WEYMAR
LUELLEN ZILIO
MANUELA SILVEIRA CARRAZZONI
MARCIA DELLA FLORA CORTES
MARIA EDUARDA GRUTZMANN MENESES
MARIA LUISA CARNEIRO DIAS
MARILIA BRANDAO AMARO DA SILVEIRA
MATHEUS ALVES BRAUN
MIGUEL MARTINS DOS SANTOS
MIRIAM CRISTINA ALVES AVILA
NADIA MIRANDA LESCHKO
NATALIA MAYUMI MATSUMURA
NATALIA VANESSA RAMIREZ PEÑA
NATHALY DE BARROS BORGES
NICOLE BOHM ARRIECHE
OSCAR PEREIRA GOULART NETO
PATRICIA LOPES DAMASCENO
PAULA GARCIA LIMA
PEDRO HENRIQUE NOGUEIRA BASAGLIA
PRISCILA CHAGAS OLIVEIRA
RAFAEL SOARES DOS SANTOS
RAISSA ESPIRITU SORREGOTTI
ROGER DA SILVA DE MATOS
ROGERIO DE SOUZA E SILVA
SABRINA DE ANDRADE MULLER
SHERON ARAUJO SILVEIRA
SUÉLEN LULHIER DA SILVA
TAINA CRUGER GONCALVES
THAIS CRISTINA MARTINO SEHN
VAGNER DUTRA MACIEL
VITOR HUGO LUHRS WALTRICK
VITORIA ALVES E ALVES
VITORIA HOFF AMBOS
WELEN MENDES ALMEIDA
WESLEY CUNHA TEODORO
William Adão Ferreira Paiva
YURI DE AVILA SOARES

Página gerada em 18/10/2021 11:02:12 (consulta levou 0.156743s)