Nome do Projeto
RESTAURAÇÃO DA ESCULTURA FUNERÁRIA DE JACOB ALOYS FRIEDERICHS NO CEMITÉRIO SÃO JOSÉ II EM PORTO ALEGRE – RS
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
25/08/2017 - 01/12/2017
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Linguística, Letras e Artes
Eixo Temático (Principal - Afim)
Cultura / Tecnologia e Produção
Linha de Extensão
Artes visuais
Resumo
O projeto de extensão Restauração da escultura funerária de Jacob Aloys Friederichs no Cemitério São José II em Porto Alegre/RS analisa o estado de conservação de uma escultura de arte funerária e propõem a restauração, a conservação e a realocação da escultura no cemitério. Jacob Aloys Friederichs (Alemanha, 1868- Brasil, 1950) era proprietário da marmoraria Casa Aloys , que funcionou entre os anos de 1884 e 1961 em Porto Alegre. A marmoraria produziu e colocou obras de arte funerária em cemitérios de todo o estado do Rio Grande do Sul e também em cemitérios do estado de Santa Catarina. Aloys Friederichs participou ativamente da Comunidade de Alemães Católicos de São José (1871) e administrou o Cemitério São José I entre os anos de 1898 e 1910 e seu ofício de marmorista fez com que contribuísse com o embelezamento e o desenvolvimento da necrópole. No ano de 1913 o cemitério teve sua área expandida para um segundo terreno, denominado de Cemitério São José II, onde a Casa Aloys também colocou vários monumentos funerários modernos, inclusive o do próprio Aloys. Aloys faleceu em julho de 1950 e sepultado em uma capela funerária de grandes dimensões, que ocupava dois terrenos nas antigas quadras M e N do Cemitério São José II. A capela era toda em arenito (pedra grês) e com aberturas em metal. Sobre o frontão da capela ficava a escultura de uma alegoria da fé, representada por um homem de idade já avançada, fortemente agarrado em uma cruz. A escultura foi totalmente feita em um único bloco de pedra. Hoje a capela não existe mais e após o seu desmanche, a escultura sofreu dissociação e permaneceu por cerca de uma década afastada de sua necrópole de origem, o Cemitério São José II. Ela foi levada para outro cemitério e colocada em um lugar com grande concentração de umidade e pouca iluminação, o que resultou em um estado de conservação bastante fragilizado. No ano de 2016 a escultura que adornava o frontão da Capela Funerária de Jacob Aloys Friederichs retornou para o Cemitério São José II em Porto Alegre para ser restaurada e conservada no local. Um medalhão com a efígie de Aloys marca seu memorial no cemitério, no espaço chamado de Jardim in Memoriam, área que reúne partes de monumentos funerários do Cemitério São José II, e que pode vir a receber a escultura após a sua restauração. A preservação da escultura permitirá o acesso à obra e o conhecimento de sua história, que envolve a arte, a cidade, os cemitérios e as pessoas.

Objetivo Geral

Restaurar e conservar a escultura funerária de Jacob Aloys Friederich, para novamente expô-la à comunidade. O trabalho será realizado pelo Curso de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis da UFPel e visa capacitar acadêmicos para trabalhar com acervos de arte funerária. As atividades do projeto devem gerar publicações, exposição dos resultados e contribuir com o desenvolvimento de uma metodologia de restauro de bens culturais em materiais pétreos.

Justificativa

O projeto é um dos primeiros resultados práticos de intervenção em obras de arte funerária dos Cemitérios São José. Surge da necessidade de restauração da escultura conforme estabelecido em Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público do Rio Grande Sul - Promotoria de Justiça do Meio Ambiente e os Cemitérios São José, onde determina-se a realocação e a restauração de algumas esculturas de arte funerária que se encontravam tanto no Cemitério São José II quanto em outros cemitérios da administradora. No ato de assinatura do TAC, em 2016, foi considerado o estado de conservação da escultura da Capela Funerária de Jacob Aloys Friederichs que se encontrava comprometido pela alta exposição à umidade e pela dissociação de seu contexto de origem. A obra não estava identificada e não possuía registro histórico antes de ser encontrada no ano de 2012, em uma das visitas de campo do Projeto de Pesquisa Marmorabilia - Inventário da Memória Tumular do Rio Grande do Sul. A intervenção e a conservação da escultura deverão apontar caminhos para desenvolver uma metodologia de conservação para outras esculturas em arenito dos Cemitérios São José, integrantes do seu acervo de preservação (memorial).
As ações do projeto deverão contribuir com a elaboração de material e ações para educação patrimonial em cemitérios e com a metodologia de restauro em bens culturais em materiais pétreos.

Metodologia

Acompanhamento histórico da escultura e elaboração de registro. Diagnóstico do estado de conservação da escultura. Elaboração de protocolo de procedimentos para definir a realização de exames, a limpeza mecânica, a limpeza química, as intervenções e a conservação. Produção de documentação fotográfica e gráfica sobre os procedimentos. Exposição e divulgação dos resultados.

Indicadores, Metas e Resultados

Indicadores: Registros fotográficos e escritos produzidos durante o trabalho com a escultura (a partir de 2012, com os resultados do Projeto Marmorabilia); testes de métodos e técnicas de limpezas; testes de materiais e produtos usados em restauração; outros estudos de casos com compatibilidade (restauros de esculturas e túmulos); articulação da equipe; avaliações de atividades e de prazos.

Metas: Restaurar, conservar e apresentar a escultura da Capela de Jacob Aloys Friederichs para a comunidade; Iniciar um programa continuado de educação patrimonial em cemitérios; Iniciar o desenvolvimento de uma metodologia de restauração e conservação de artefatos pétreos em pedra grês; Oferecer registros para a história da arte funerária do Rio Grande do Sul.

Resultados esperados: Incentivo à preservação de obras de arte funerária; Ações de educação patrimonial em cemitérios que envolvam administradoras, colaboradores, discentes, docentes e comunidade; Qualificação do ensino discente na área da conservação e restauração de materiais pétreos;

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANDREA LACERDA BACHETTINI1
DANIELE BALTZ DA FONSECA1
GIOVANA BORGES PERES
ISABEL HALFEN DA COSTA TORINO
JULIANA IOST DAMASCENO
KELI CRISTINA SCOLARI1
LUIZA FABIANA NEITZKE DE CARVALHO4
MARIANA GAELZER WERTHEIMER1
MILENE SEQUEIRA ARAÚJO

Página gerada em 17/08/2022 22:54:43 (consulta levou 0.113822s)