Nome do Projeto
Letramentos Acadêmicos em Português como Língua Adicional na UFPel: mapeamento de práticas e necessidades
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
01/01/2022 - 01/01/2026
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Linguística, Letras e Artes
Resumo
Inscrita no âmbito da Linguística Aplicada (MOITA LOPES, 2006) e amparada na perspectiva dos Novos Estudos de Letramento, em especial dos Letramentos Acadêmicos (STREET, 1984; LEA; STREET, 1998, 2006; LILLIS; SCOTT, 2007), esta pesquisa qualitativa (MASON, 2002) objetiva realizar um levantamento das práticas de letramentos acadêmicos em Português como Língua Adicional (PLA) em curso na Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e identificar necessidades e demandas da área na universidade, a partir da perspectiva de docentes (professores e coordenadores de cursos de graduação e pós-graduação) e de discentes estrangeiros de graduação e de pós-graduação. Devido às restrições impostas pela pandemia da COVID-19, a geração de dados está prevista para ocorrer em ambiente virtual. Os dados serão compostos por respostas a questionários e a entrevistas semiestruturadas realizadas com os participantes. Esse mapeamento busca contribuir para o avanço da pesquisa na área de PLA e para o subsídio do desenvolvimento de futuras ações de internacionalização da UFPel articuladas à pesquisa e aos demais eixos de ensino e extensão.

Objetivo Geral

Realizar um levantamento 1) das práticas de letramentos acadêmicos em PLA em curso na UFPel e 2) das necessidades e demandas da área na universidade a partir da perspectiva de docentes (professores e coordenadores de cursos de graduação e pós-graduação) e de discentes estrangeiros de graduação e de pós-graduação das diferentes áreas de conhecimento a fim de 1) identificar qual é(são) o(s) papel(is) atribuído(s) à produção oral e escrita em PLA para a área de conhecimento dos participantes e para a sua formação profissional; 2) identificar e descrever quais são os gêneros discursivos em PLA nos quais os participantes se engajam ou gostariam de se engajar (em que medida são mais ou menos frequentes, relevantes, centrais, desafiadores, úteis, etc), ou seja, quais são suas necessidades e interesses; 3) analisar os dados à luz da bibliografia sobre Letramentos Acadêmicos e sobre a oferta de ensino de PLA em outras IES.

Justificativa

A área de Português como Língua Adicional (PLA), embora venha sendo ampliada significativamente nos últimos anos devido a diversas ações que envolvem criação de programas bilaterais e multilaterais de intercâmbio, incentivo à internacionalização e desenvolvimento do Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (Celpe-Bras) e do programa Ciências sem Fronteiras, ainda é relativamente pequena no Brasil (MARQUES; SCHOFFEN, 2020). De acordo com Schlatter, Bulla e Costa (2020, p. 494), é uma área cuja construção “passou e passa cotidianamente pela criação e institucionalização de espaços que congregam grupos de pessoas sensíveis às demandas do seu tempo e dedicadas a buscar qualificação para a construção de projetos pessoais, quadros profissionais e áreas de formação acadêmica”.
A riqueza e o potencial de exploração e desenvolvimento da área de Português como Língua Não Materna (PLNM), que inclui PLA, podem ser verificados em eventos como o III CIPLíNM e II CIPLíNM em debate (Congresso Internacional de Português como Língua Não Materna), a partir dos eixos temáticos que contemplaram
[...] as diversas modalidade de ensino, de aprendizagem e de avaliação no âmbito de PLNM [...]: 1) Ensino e aprendizagem de PLNM nos diversos contextos; 2) Ensino de PLNM mediado por tecnologias digitais; 3) Análise, elaboração e editoração de materiais didáticos em PLNM; 4) Políticas linguísticas em PLNM no Brasil e no mundo; 5) Teorias linguísticas e práticas pedagógicas no(s) processo(s) de ensino e/ou de aprendizagem de PLNM; 6) Formação de professores de PLNM em contextos diversos; 7) Questões culturais, interculturais e transculturais em PLNM; 8) Práticas avaliativas e exames de proficiência em PLNM; 9) Literatura(s) no ensino de PLNM.

Na área de PLA, identifica-se escassez de estudos sobre ensino de PLA para fins acadêmicos, bem como de recursos e materiais didáticos voltados para esse público específico (CARNEIRO, 2019; STUMPF, 2021). Conforme mapeamento realizado por Marques e Schoffen (2020), a modalidade de extensão é a forma predominante de oferta de PLA na maioria das universidades federais brasileiras e os eixos do ensino e da pesquisa são pouco contemplados nas ações das universidades. Nesse sentido, “é necessário incentivar a inserção da área de PLA também nos eixos de ensino e pesquisa, a fim de consolidar a contribuição da área e garantir fomento e espaço dentro das instituições” (MARQUES; SCHOFFEN, 2020, p. 408). Os dados de Marques e Schoffen (2020) corroboram os de pesquisas anteriores:
[...] apesar de a robustez da extensão ser um indicativo de uma área bastante alicerçada na prática, e, embora isso possa inicialmente ser entendido como positivo, a sobreposição desse eixo aos do ensino e da pesquisa pode acarretar prejuízo ao desenvolvimento proporcional entre teoria e prática e reduzir a visibilidade institucional da área, limitando seu espaço de intervenção em instâncias dentro da universidade e fora dela (FURTOSO, 2015 apud MARQUES; SCHOFFEN, 2020, p. 408).

A Universidade Federal de Pelotas (UFPel) participa desse cenário. É uma das Instituições de Ensino Superior (IES) brasileiras voltadas à internacionalização; apresenta uma série de ações em internacionalização articuladas com diversos convênios interinstitucionais firmados e ativos, com extensa mobilidade acadêmica (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS, 2018). Em 2016, ocorreu a criação da Coordenação Pedagógica da área de Português para Estrangeiros no programa Idiomas sem Fronteiras. Em 2017, foi criado o Programa Português para Estrangeiros (PPE), com o objetivo de fomentar ações de internacionalização da universidade que, em 2018, aprovou seu Plano de Planejamento Estratégico de Internacionalização, que prevê a expansão e a promoção do estudo de Português para Estrangeiros na universidade por meio de uma série de estratégias que envolvem: 1) a oferta contínua do ensino de Língua Portuguesa (LP) a estrangeiros, 2) a divulgação da aplicação do exame Celpe-Bras para a comunidade acadêmica da UFPel e para as universidades parceiras estrangeiras e 3) a definição da área de Português para Estrangeiros como prioridade institucional e área estratégica da universidade a fim de atrair alunos estrangeiros e difundir a cultura brasileira (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS, 2018). Também em 2018, ocorreu o primeiro concurso para docente efetivo na área de PLA na UFPel, no qual a proponente desta proposta de pesquisa foi aprovada, tomando posse no ano de 2021.
Em 2020, há um novo marco na história da universidade que envolve e impacta diretamente a área de PLA, a instituição da Política Linguística da UFPel. Os objetivos da Política Linguística que contemplam a área são: “viabilizar o acolhimento, a formação e o acompanhamento em língua portuguesa para falantes de outras línguas” e “promover ensino, pesquisa e extensão em português como língua adicional”; as ações, por sua vez, envolvem a “oferta de cursos de português para falantes de outras línguas” e o “incentivo à institucionalização do Português como Língua adicional no Centro de Letras e Comunicação” (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS, 2020, p. 2-3).
No contexto latino-americano no qual a UFPel se insere, Schlatter, Bulla e Costa (2020, p. 495-496) apontam, como especificidades e desafios da área de PLA, as
[...] relações que podem ser estabelecidas entre proximidades linguísticas e sócio-históricas. Isso inclui, por exemplo, refletir acerca dos usos das línguas nesse cenário em diferentes esferas de atuação, da necessidade de distinguir português e espanhol e para quais finalidades, das (im)possibilidades de intercompreensão, das demandas por determinados níveis de proficiência como marcadores de diferenças sociais, como porta de acesso ou barreira à cidadania, a bens culturais e à circulação em diferentes espaços sociais. Como sabemos, as relações de poder associadas ao uso das línguas são complexas e, ao mesmo tempo em que refletem e refratam relações mais amplas, histórico-político-culturais entre os grupos sociais implicados, possibilitam negociações no aqui e agora que demandam esforço e empatia para alcançar metas comuns, se assim for necessário ou desejado. [...] Os desafios, portanto, são iguais para todos: compreender onde os alunos precisam ou querem chegar e, aí sim, estabelecer as metas e compreender os desafios a serem enfrentados. p. 495-496).

A presente pesquisa se insere nesse contexto de promoção de pesquisa em PLA e de internacionalização da UFPel e busca contribuir, a partir do mapeamento das práticas de letramentos acadêmicos em PLA em curso na universidade e da identificação de necessidades e demandas da área, com a produção de conhecimento científico em PLA e com futuras ações de internacionalização subsidiadas pelos resultados da pesquisa.

Metodologia

A presente pesquisa inscreve-se no âmbito da Linguística Aplicada, uma vez que é orientada a intervenções benéficas na realidade a partir da construção de conhecimento “que seja responsivo à vida social” (MOITA LOPES, 2006, p. 97) e ampara-se na perspectiva dos Novos Estudos de Letramento, em especial dos Letramentos Acadêmicos (STREET, 1984; LEA; STREET, 1998, 2006; LILLIS; SCOTT, 2007). É uma pesquisa qualitativa, uma vez que permite a exploração de uma gama de dimensões do mundo social, como as experiências dos participantes de pesquisa e a forma como os processos sociais, os discursos e as instituições funcionam, bem como os significados que produzem (MASON, 2002). Nessa perspectiva, utilizamos e produzimos:
• métodos de geração de dados sensíveis e flexíveis ao contexto social no qual os dados são produzidos;
• métodos de análise, explicação e construção de argumento que envolvem compreensões de complexidade, detalhe e contexto;
• entendimentos contextuais a partir de dados ricos e detalhados com ênfase em formas “holísticas” de análise e explicação. Nessa perspectiva, o uso de algum tipo de quantificação, como formas estatísticas de análise, é uma possibilidade, embora não seja um elemento central (MASON, 2002, p. 3-4).
A partir dessas perspectivas, os dados da pesquisa serão gerados por meio de submissão de questionários on-line que, após análise, guiarão a realização posterior de entrevistas semiestruturadas on-line com dois grupos de participantes: docentes (professores e coordenadores de cursos de graduação e pós-graduação) e discentes estrangeiros (de cursos de graduação e pós-graduação) da UFPel sobre suas práticas de letramentos acadêmicos em PLA. Prevê-se, a partir da experiência docente da proponente no segundo semestre de 2021 na UFPel com estudantes estrangeiros, que haverá o número máximo de 15 participantes estrangeiros. Com relação aos participantes docentes, o número de 35 participantes é suficiente para contemplar os objetivos da pesquisa.
Os dois grupos de participantes serão contatados via e-mail a partir de 01/01/2023 e serão convidados a participar da pesquisa. Os participantes irão receber o link para acessar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) que será disponibilizado por meio do Google Forms e indicar sua anuência por meio da resposta ao formulário no período de 01/02/2023 a 31/03/2023. A opção pela obtenção do TCLE, bem como a geração de dados em ambiente virtual, indicada a seguir, deve-se às restrições impostas pela pandemia da COVID-19.
Os questionários serão disponibilizados via Google Forms e as entrevistas serão realizadas por meio da Plataforma Google Meet). O armazenamento dos dados será de responsabilidade da pesquisadora principal, bem como os procedimentos para assegurar o sigilo e a confidencialidade das informações dos participantes da pesquisa. Finalizados os períodos de anuência e de geração de dados, a pesquisadora responsável fará o download dos dados coletados para um dispositivo eletrônico local, apagando todo e qualquer registro de plataforma virtual, ambiente compartilhado ou “nuvem”. Os dados serão arquivados por um período de dez anos.
Os participantes da pesquisa serão convidados a refletir sobre a área de PLA e sobre o papel da escrita, da oralidade e dos gêneros discursivos em PLA para a sua área e para a sua formação, bem como sobre os gêneros discursivos em PLA nos quais se engajam ou gostariam de se engajar (em que medida são mais ou menos frequentes, relevantes, centrais, desafiadores, úteis, etc).

Indicadores, Metas e Resultados

O processo de mapeamento das práticas de letramentos acadêmicos em PLA em curso na UFPel e da identificação de necessidades e demandas da área envolve as seguintes etapas:

- Cadastro e aprovação do projeto - de 01/01/2022 a 01/02/2022
- Organização de grupo de pesquisa - de 01/02/2022 a 01/06/2022
- Revisão da Literatura sobre PLA e letramentos acadêmicos pelo grupo de pesquisa - de 01/02/2022 01/02/2023
- Envio dos questionários - de 01/02/2023 a 01/06/2023
- Análise dos questionários - de 01/06/2023 a 01/12/2023
- Realização de entrevistas - de 01/12/2023 a 01/04/2024
- Análise das entrevistas - de 01/04/2024 a 01/10/2024
- Construção do mapeamento sobre as práticas de letramentos em PLA - de 01/10/2024 a 01/02/2025
- Construção do mapeamento sobre necessidades e demandas em PLA - de 01/02/2025 a 01/08/2025
- Divulgação dos resultados (Participação em eventos acadêmicos e científicos na área; Apresentação de trabalho em evento; Produção de artigo) - de 01/08/2025 a 01/01/2026
- Elaboração de relatório - de 01/08/2025 a 01/01/2026

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
HELENA VITALINA SELBACH4
LUCAS ROPKE DA SILVA
VANESSA DOUMID DAMASCENO2

Página gerada em 30/06/2022 23:39:19 (consulta levou 0.096456s)