Nome do Projeto
Gestão da arborização urbana no Município de Rio Grande
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
01/08/2022 - 30/09/2025
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Eixo Temático (Principal - Afim)
Meio ambiente / Meio ambiente
Linha de Extensão
Desenvolvimento urbano
Resumo
A Secretaria de Município de Meio Ambiente da cidade do Rio Grande (SMMA) recebe inúmeros pedidos de ações relativas a arborização urbana, sendo as mais frequentes a realização de podas ou supressões de exemplares arbóreos. Em um levantamento realizado em 2021 pela Unidade de Arborização e Poda da SMMA, foi demonstrado a existência de um enorme passivo no atendimento à comunidade, onde há um represamento de pedidos nos serviços há mais de três anos. A demora do poder público em solucionar estes problemas vem tencionando a relação da Prefeitura com os munícipes, causando um efeito reverso na sua percepção em relação aos benefícios da presença de árvores no espaço público. O principal objetivo deste projeto é realizar um diagnóstico sobre a arborização urbana e estabelecer um planejamento estratégico de longo-prazo visando o aumento das áreas verdes no município e a busca pela harmonização da arborização na cidade do Rio Grande, oferecendo um serviço de plantio e manutenção ágil, transparente e eficaz. Espera-se, ao final deste projeto, ter uma base de dados representativa sobre a diversidade de espécies arbóreas dos principais centros urbanos da cidade do Rio Grande, incluindo praças, ruas e avenidas, para estabelecer um planejamento estratégico de longo-prazo no intuito de aumentar a cobertura vegetal e harmonizar a arborização urbana no município. Com este mapeamento, será possível recomendar as prioridades de arborização das grandes avenidas, ruas e praças, sinalizando as espécies adequadas para estes plantios de acordo com suas características e legislação vigente. Além disso, como produto, vislumbra-se ter uma ferramenta que possibilite a gestão das áreas verdes do município de forma sistematizada, oferecendo um serviço de plantio e manutenção ágil, transparente e que satisfaça os cidadãos. Outro resultado esperado será a redução de custos com a manutenção da cidade no médio prazo e um melhor desempenho no potencial de promoção de benefícios ecológicos para a população urbana.

Objetivo Geral

Realizar um diagnóstico da arborização urbana e estabelecer um planejamento estratégico de longo-prazo, visando o aumento das áreas verdes no município e a busca pela harmonização da arborização na cidade do Rio Grande, criando melhores condições de vida à população e oferecendo um serviço ágil, transparente e eficaz à comunidade municipal.

Justificativa

As condições da arborização da cidade de Rio Grande tem gerado, junto a Secretaria de Município de Meio Ambiente (SMMA), inúmeros pedidos para realização de podas ou supressões de exemplares arbóreos. Em um levantamento realizado em 2021 pela Unidade de Arborização e Poda da SMMA, foi demonstrado a existência de um enorme passivo no atendimento à comunidade, onde há um represamento de pedidos nos serviços há mais de três anos. A demora do poder público em solucionar estes problemas vem tencionando a relação da Prefeitura com os munícipes, causando um efeito reverso na sua percepção
em relação aos benefícios da presença de árvores no espaço público.
Esta sucessão de erros estratégicos, em especial a falta de estudos técnicos visando balizar as
ações referentes a arborização urbana, planejamento e gestão integrada, somadas a dificuldade de
comunicação por vezes encontrada entre munícipes para com a SMMA, contribuíram para o cenário atual
desfavorável de relacionamento junto a Prefeitura. O diagnóstico realizado em 2021 pela SMMA referente
aos serviços de poda e supressão de vegetação aponta para uma insatisfação da comunidade, sendo as
principais reclamações a dificuldade para protocolar e receber os pedidos de serviço, a carência de
padronização nas avalições e demora ou mesmo inexistência de resposta da secretaria aos seus
requerimentos.
Ainda, o município não possuí informações sistematizadas e mapeadas no que se refere aos espaços públicos carentes de arborização, dificultando a elaboração de planos estratégicos que visem o aumento das áreas verdes nas suas praças, ruas e avenidas.

Metodologia

O projeto prevê diversas etapas de desenvolvimento do mesmo, que são: 1. Curso de treinamento dos envolvidos nas atividades de campo para a identificação das espécies vegetais; 2. Coleta de dados a campo; 3. Análise dos dados obtidos; 4. Desenvolvimento de aplicação para desktop, e, 5. Guia digital de arborização urbana.

1- Curso de capacitação:
O curso visa a capacitação dos estagiários (alunos da UFPel) e dos técnicos contratados pelo projeto/prefeitura de Rio Grande que irão atuar no levantamento dos dados de campo referentes a arborização urbana da cidade de Rio Grande. Este será dividido em aulas teóricas e práticas. A formação com embasamento teórico será através de aulas ministradas por professores da área. As aulas práticas serão realizadas com saídas de campo em conjunto com consultores especializados para que os participantes possam aprender a identificar e coletar material, quando for o caso, para uma identificação posterior das espécies vegetais.

2- Coleta de dados
As pessoas treinadas no curso de capacitação farão o levantamento in loco dos componentes arbóreos ocorrentes nas áreas verdes, praças, parques e vias públicas dos espaços urbanos localizados dentro dos limites do 1º Distrito da cidade de Rio Grande, excluindo a Ilha do Terrapleno. Estes seguirão um planejamento que envolve as 18 zonas do município, as quais foram divididas arbitrariamente em áreas que variam de tamanho entre 2 e 3 km2. A área amostrada, que será definida a campo, será de acordo com a ocorrência e a distribuição da vegetação em cada uma das zonas. O levantamento por zona seguirá o planejamento de acordo com o cronograma de atividades. Porém, dar-se-á prioridade para as praças públicas e aos bairros que, de acordo com dados históricos da Secretaria de Município de Meio Ambiente (SMMA), sofrem intensamente com conflitos de arborização urbana e ocupação do solo.
Quando dificultada a identificação taxonômica in loco, as fotografias poderão ser compartilhadas com especialistas para o reconhecimento das espécies. Será feito um censo completo de todos os exemplares detectados, incluindo indivíduos jovens. Para cada espécime encontrado serão coletadas as seguintes informações: nome vernacular; espécie botânica; altura; diâmetro de copa; circunferência a altura do peito (CAP) em centímetros, altura total em metros, fotografia, posição geográfica, potencial toxicidade ou presença de agente alergênicos, situação dos caules e das copas; afloramento de raiz; fase de desenvolvimento; estado fitossanitário; necessidade ou não de intervenção emergencial; se em conflito com a fiação, iluminação ou sinalização de trânsito; se há necessidade de poda de manutenção ou se necessita de afastamento predial (muros, casas e meio fio).

3. Análise dos dados obtidos:
A classificação dos indivíduos vegetais será feita quanto a sua origem (nativos ou exóticos), e ao estado de conservação, de acordo com as categorias da IUCN (União Internacional para Conservação da Natureza).
A análise da estrutura horizontal será feita por meio dos seguintes parâmetros fitossociológicos: número de exemplares (DA), frequência absoluta e relativa (FA e FR), densidade relativa (DR), dominância relativa (DoR), valor de cobertura (VC) e valor de importância (VI) (Kent & Coker, 1992). As estimativas de riqueza e diversidade de espécies serão obtidas através do número de espécies (S) e do índice de diversidade de Shannon (H’) (Kent & Coker op cit). Para as análises de diversidade de espécies, serão excluídas as áreas com riqueza abaixo do quartil inferior, objetivando não subestimar os índices de diversidade e coeficientes de similaridade aplicados (Amorim, 2013). O índice de equabilidade de Pielou (J), baseado em H’, será utilizado para representar a uniformidade da distribuição dos exemplares entre as espécies existentes (Magurran, 1988).
Para avaliação das ações necessárias visando a mitigação dos conflitos entre arborização e ocupação do solo, será elaborada uma matriz de risco, levando em conta os parâmetros de conflito descritos acima. Um ranqueamento será então ordenado para identificar as prioridades de manejo nas zonas apontadas no presente estudo, bem como, por bairros na cidade.
Nesta ação serão envolvidos os agentes responsáveis pelo levantamento dos dados de campo, profissionais da UFPel (docentes e técnicos) e os técnicos da SMMA envolvidos no projeto.

4. Desenvolvimento de aplicação para desktop
O aplicativo será uma ferramenta destinada ao uso da comunidade, servindo de conexão entre usuários e o poder público no que tange a pedidos de plantio/poda/supressão. Para pedidos de poda/supressão, através da leitura do QR Code atido nos tags individuais em cada árvore, ou mesmo navegando pela aplicação e selecionando a imagem cadastrada do indivíduo arbóreo será possível ao cidadão solicitar o serviço/informação, podendo acompanhar o status do seu pedido através deste cadastramento automático. Ao finalizar o serviço, a SMMA enviará uma mensagem via e-mail, ou outro aplicativo, ao solicitante sobre a execução final do seu pedido, informação e/ou tomada de decisão.
Esta ferramenta permitirá dar agilidade e transparência a todo processo de plantio e intervenção arbórea, quando solicitado, além de criar um histórico de intervenções individuais possibilitando projeções
sobre futuras necessidades de serviços e/ou avaliações de substituição dos exemplares. Portanto, o
inventário proposto, será utilizado não apenas para a realização de um diagnóstico/controle/planejamento
da arborização urbana no município, mas também para criar um ambiente digital ágil e interativo com a
comunidade, visando melhorar os serviços e potencializando a transmissão de conhecimento.

5. Guia digital de arborização urbana
O Guia Digital de Arborização Urbana visa oferecer um trabalho informativo e de amplo acesso a comunidade em geral, voltado para a harmonização da arborização urbana e, consequentemente, para melhoria na qualidade de vida das pessoas da cidade do Rio Grande. Este produto é um importante instrumento de difusão, orientação e sensibilização para a importância e o papel das árvores da cidade, sobretudo como um dos componentes fundamentais na regulação do clima, na manutenção da qualidade do ar e na
promoção da saúde e do bem-estar humano. O guia trará informações atualizadas acerca da biodiversidade arbórea nos centros urbanos do município e conterá, também, a relação das árvores e arbustos mais indicados para o plantio nas vias públicas de Rio Grande, com as especificações e pré-condições necessárias para evitar futuros conflitos. Trará, ainda, um mapeamento das áreas prioritárias a receber o plantio nos espaços públicos dos bairros amostrados, bem como técnicas de manejo que visem o prolongamento da vida das plantas. Contará ainda com as bases legais para seleção e adequação das espécies ao meio urbano e diretrizes para aumentar as chances de sucesso nos plantios, bem como com técnicas de manejo que devem ser aplicadas visando o prolongamento da vida da vegetação.
O produto contará com ilustrações e fotografias e será entregue sob forma de PDF e e-book.

Indicadores, Metas e Resultados

No final do desenvolvimento do projeto espera-se ter criado o inventário arbóreo dos principais centros urbanos da cidade do Rio Grande, inicialmente através da capacitação dos profissionais envolvidos e, posteriormente, com a caracterização da flora de cada zona estudada, o georreferenciamento e a identificação dos indivíduos com etiquetas, bem como a identificação do seu estado fitossanitário, a fim de determinar a necessidade de intervenção sobre a vegetação, buscando criar um ambiente melhor para a população.
➢Definição das prioridades de intervenção nos espaços públicos, de acordo com a demanda da população e a gravidade da situação, considerando os indicadores levantados a campo no que diz respeito aos conflitos existentes entre a arborização e infraestrutura urbana com objetivo de melhorar a qualidade do ambiente urbano para a população.
➢ Mapeamento das áreas de interesse público para implantação de vegetação, visando ampliar a taxa de arborização por habitante, diversidade de espécies e proporção de exemplares nativos e exóticos.
➢ Desenvolvimento de um aplicativo para uso em computadores e telefones celulares através do qual o
cidadão, poderá buscar informações sobre as árvores, realizar pedido de plantio ou intervenção e receber resposta a seu requerimento criando assim maior integração do poder público com a população .
➢ Criação de um Guia Digital de Arborização Urbana para a cidade do Rio Grande visando a difusão do conhecimento para toda comunidade favorecendo a difusão do conhecimento e a integração da comunidade com o órgão responsável pela arborização da cidade.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
AMANDA PERES LEITE
Aline Pedroso Guterres
CAROLINE SCHERER7
ELISA TEIXEIRA AIRES
JÉSSICA DA CUNHA RAMOS
LAZARO HENRIQUE DOS SANTOS PEREIRA
MILENA SILVEIRA SILVEIRA
NATALI DORNELLES PACHECO
NATASHA ISABELE KARKOW GONZALEZ
PAULO ROBERTO GROLLI
Pedro Friedrich Fruet
Roberto Costa Moreira
VINICIUS SPIERING DA CRUZ

Recursos Arrecadados

FonteValorAdministrador
Prefeitura Municipal de Rio GrandeR$ 187.450,00Fundação Delfim Mendes da Silveira

Plano de Aplicação de Despesas

DescriçãoValor
339039 - Outros Serviços de Terceiro - Pessoa JurídicaR$ 187.450,00

Página gerada em 19/07/2024 19:09:58 (consulta levou 0.217679s)