Nome do Projeto
Capitalismo de plataformas e empreendedorismo: um estudo disposicional com músicos brasileiros
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
01/08/2022 - 31/07/2024
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas
Resumo
O mundo da música vem passando por transformações profundas nas últimas décadas. Poderíamos dizer que é um dos setores em que melhor se visualizam as mudanças em direção a um capitalismo de plataformas. Esse universo social está amplamente dominado por empresas que funcionam com plataformas, de modo tal que os músicos precisam se inserir nelas para poder divulgar seus produtos. No caso específico da música estamo diante de um plataforma de produtos, isto é que gera lucros transformando um bem tradicional (a música) em um serviço de “streaming”. Em troca por esse produto é necessário pagar (em geral) uma taxa de assinatura. As empresas de plataformas dominantes no cenário mundial são Spotify, Apple Music, Deezer, Amazon Music, YouTube Music e Tidal. De acordo com a caracterização mais geral de empresas de plataformas, neste caso as músicas são a matéria prima que sendo “extraída” dos músicos, é “capturada” em grandes sistemas de armazenamento. Estes sistemas, por sua vez, geram algoritmos que permitem extrair ou incorporar mais músicas (novos dados). Além disso, as plataformas são infraestruturas digitais que colocam em interação diferentes grupos. No caso que nos interessa, o das plataformas musicais de streaming, temos de um lado usuários e de outro lado produtores de música. Aqui entra uma característica sobre a qual vale a pena se deter: apesar das empresas serem as que estabelecem as regras de funcionamento das plataformas de streaming de música, permitem que usuários e produtores construam seus próprios produtos. Os usuários podem elaborar seu próprio “cardápio” musical com suas preferências nas plataformas de streaming, escolhendo e selecionando (diretamente a partir de suas preferências e de aquelas sugeridas pelo algoritmo); e os produtores (o que nos interessa aqui, como problema de pesquisa) podem também construir seu produto dentro das plataformas (o seu perfil). Como exemplo, a empresa Spotify oferece um serviço aos produtores de música, o “Spotify for artists”, disponibilizando um conjunto de ferramentas paras se desenvolverem como músicos. Ser músico hoje em dia é ser, de algum modo o que se chama no jargão desse universo, “um criador de conteúdo”. No entanto, isto parece implicar justamente uma transformação no patrimônio de disposições, seguindo a Bernard Lahire, dos músicos. As empresas de plataforma estariam desenhando um novo produtor/artista/trabalhador da música que necessita criar e/ou reformular umas disposições e descartar outras. Ao mesmo tempo, este não responde mecanicamente ao estabelecido pelas regras das plataformas, embora não possa divulgar seus produtos fora delas, a risco de ficar excluído do mercado da música. Nesse processo, os indivíduos se constroem como músicos empreendedores dentro das plataformas de streaming, o que poderia se considerar como sendo a incorporação de uma nova pedagogia. A pesquisa utilizando a perspectiva teórica disposicional, com base no sociólogo Bernard Lahire, propõe estudar as mudanças no patrimônio de disposições de músicos brasileiros diante das transformações no mundo da música decorrentes da passagem para um capitalismo de plataformas.

Objetivo Geral

Analisar as disposições que são requeridas dos músicos brasileiros no capitalismo de plataformas.

Justificativa

A propostas de pesquisa se fundamenta em dois grandes eixos teóricos: a) análise contemporânea das transformações do capitalismo em direção a uma economia de plataformas; e b) a perspectiva teórica disposicional desenvolvida pelo sociólogo Bernard Lahire. A proposta por sua vez, tem diversas razões de caráter teórico e prático que justificam, no nosso entendimento, sua apreciação positiva. Uma primeira justificativa é a falta de estudos que deem conta das transformações recentes, nas sociedades, a partir da difusão das empresas de plataformas. Uma segunda justificativa, é justamente analisar um setor em que estas empresas têm avançado consideravelmente, o mundo da música; e sobre o qual inexistem praticamente estudos sociológicos. Uma terceira justificativa aponta a estudar em que medida o predomínio de empresas de plataformas no mundo da música está gerando a necessidade de que os músicos criem novas disposições empreendedoras. O empreendedorismo tem sido estudado vastamente pela sociologia, mas aqui estamos diante de uma categoria que recentemente parece adquirir também disposições empreendedoras, e há falta de estudos nessa direção. Uma quarta justificativa de caráter prático é oferecer aos próprios músicos um conhecimento científico rigoroso sobre o mercado da música nos dias atuais, que lhes possibilite maior informação e conhecimento para suas carreiras.

Metodologia

A proposta de pesquisa supõe estudar as disposições de músicos brasileiros que veiculam suas músicas em empresas de plataformas de streaming. Para estudar tais disposições a estratégia metodológica se orientará em três direções: a) entrevistas com músicos brasileiros; b) análises de discursos e de produtos oferecidos pelos chamados, na linguagem da internet, “influencers”; e c) análise de ferramentas disponibilizadas pelas plataformas aos produtores de música, tais como “Spotify for artists” ou “CD Baby”. Entrevistas. Serão agendadas com músicos brasileiros de forma presencial e via-online para poder ter um maior sucesso na aplicação da técnica e um maior alcance geográfico. Será realizada uma amostra qualitativa, levando em consideração dimensões de análise pertinentes, tais como idade, sexo, plataformas de streaming mais utilizadas, carreira e gênero musical. Serão analisados discursos e produtos oferecidos por “influencers”, isto é, criadores de blogs, donos de canal de youtube e elaboradores/ministrantes de cursos via plataformas na internet que têm como público alvo os músicos que inserem seus produtos em plataformas de streaming. Também serão analisadas as ferramentas disponibilizadas pelas plataformas aos produtores de música, tais como “Spotify for artists” ou “CD Baby” (plataforma direcionada a possibilitar que os músicos sejam remunerados pelo consumo de músicas nas plataformas de streaming). Os dados empíricos que serão coletados nas entrevistas, nos discursos e produtos oferecidos pelos “influencers” e nos materiais disponibilizados nas plataformas de streaming serão processados e analisados no software N-Vivo. Depois de aplicar as diversas técnicas de pesquisa e o processamento de dados obtidos no software N-Vivo se procederá à análise de resultados, o que permitirá captar as dimensões de análise (nós) relacionadas com a emergência/reformulação/descarte de disposições em músicos de plataforma no Brasil.

Indicadores, Metas e Resultados

Publicação de resultados em eventos científicos.

Publicação em periódicos com Qualis A.

Divulgação de conhecimento na comunidade, em geral; e na comunidade dos músicos; em particular.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
MÁXIMO ÍTALO D'ALMEIDA ATHAYDE ÁVILA
PAOLA MARLEN CHAVES GONCALVES
PEDRO ALCIDES ROBERTT NIZ12

Página gerada em 10/08/2022 01:41:57 (consulta levou 0.593921s)