Nome do Projeto
Consumo de vitaminas e minerais por atletas de futebol de campo
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
28/06/2022 - 29/12/2022
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
O futebol é um esporte que requer treinamentos contínuos e exige uma alimentação balanceada em macro e micronutrientes. O planejamento alimentar proporciona à oferta adequada de nutrientes, melhora de desempenho físico e previne fadiga e auxilia na manutenção do peso, medidas e gordura corporal. As vitaminas e os minerais são de extrema importância para a saúde dos atletas, visto que, atuam no metabolismo energético, controlam o sistema hormonal, auxiliam na manutenção óssea e melhoram à disposição para o esporte. Além disto, fornecem energia, transportam oxigênio, dão suporte ao sistema imunológico e formam a massa óssea do atleta. Este estudo objetiva avaliar o consumo de vitaminas e minerais por atletas de futebol de campo. Trata-se de um estudo transversal descritivo, oriundo de uma análise de dados secundários provenientes de um estudo experimental com jogadores da categoria de base de um time de futebol de campo do Município de Pelotas/RS.

Objetivo Geral

Este estudo objetiva avaliar o consumo de vitaminas e minerais por atletas de futebol de campo.

Justificativa

Apesar da existência de muitos estudos a cerca do consumo alimentar e composição corporal por jogadores de futebol, são raros os que mostram o consumo de vitaminas e minerais por este público. Diante disto, ressalta-se à importância deste trabalho que busca avaliar o consumo de vitaminas e minerais por atletas de futebol de campo.

Metodologia

Trata-se de um estudo transversal descritivo, oriundo de uma análise de dados secundários provenientes de um estudo experimental com jogadores da categoria de base de um time de futebol de campo do Município de Pelotas/RS. Foram envolvidos de modo intencional, devido a vinculo institucional previamente estabelecido, 24 atletas, sendo estes da categoria sub-20.
Como critérios de inclusão foram adotados: i) o sujeito deveria estar incluso no grupo de atletas há, no mínimo, 3 meses ininterruptos; ii) possuir assiduidade superior de 85% nos treinos do mês prévio à intervenção; iii) idade entre 17 e 20 anos. Foram empregados como critérios de exclusão: i) não completar a bateria de avaliações; e ii) possuir assiduidade < de 94cm (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 1995).
Todos os atletas e seus responsáveis legais foram informados sobre os riscos e benefícios antes de ler e assinar o termo de assentimento livre e esclarecido e o termo de consentimento livre e esclarecido. O estudo seguiu os critérios estabelecidos na resolução CNS nº 466 de 12/12/2012, quanto aos riscos e benefícios e quanto a elaboração do termo de consentimento livre e esclarecido.
Após o consentimento e a confirmação dos critérios de inclusão, foram realizadas as aferições de medidas antropométricas de massa corporal, estatura, circunferência da cintura, circunferência da panturrilha, circunferência do quadril, dobras cutâneas (tricipital, subescapular, bicipital, axilar média, supra ilíaca, coxa e abdominal) e, foi aplicado um questionário sobre o consumo alimentar e R24h.
As entrevistas foram realizadas dentro do centro de treinamento do clube, em três dias subsequentes pela equipe de entrevistadores, na qual foi composta por alunos do curso de Nutrição da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), previamente capacitados.
A medida da circunferência da panturrilha (CP) foi realizada com o avaliado em pé com os membros inferiores afastados em cerca de 20 cm e o peso corporal igualmente distribuído, no plano horizontal no ponto da maior circunferência observada. A medida da circunferência do quadril (CQ) foi realizada com o avaliado em posição ortostática, com os membros inferiores paralelos e unidos, no plano horizontal, ao nível da maior circunferência ao redor das nádegas (BIESEK; ALVES; GUERRA, 2015). A medida da circunferência da cintura (CC) foi realizada com o auxílio de uma fita métrica inelástica, medido através da distância ao redor da menor área abaixo da caixa torácica e acima da cicatriz umbilical (FACCIM, 2015).
Para aferição das dobras cutâneas foi utilizado um adipômetro da marca Cescorf (Brasil) com precisão de 0,1 mm e, posteriormente, houve o emprego da equação de predição do %GC de 7 dobras (tricipital, subescapular, bicipital, axilar média, supra ilíaca, coxa, abdominal), proposta por Jackson & Pollock (JACKSON & POLLOCK, 1978).
O consumo alimentar foi verificado através do Formulário de Marcadores de Consumo Alimentar para indivíduos com cinco anos ou mais do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) que contempla marcadores construídos com base no Guia Alimentar Para a População Brasileira de 2006. O formulário é um questionário de frequência, e é composto por 10 questões, e foram adicionadas mais 2 questões, as quais objetivam conhecer o consumo de carnes e ovos, onde as alternativas para as respostas são: não comi nos últimos sete dias, um dia nos últimos sete dias, dois dias nos últimos sete dias, três dias nos últimos sete dias, quatro dias nos últimos sete dias, cinco dias nos últimos sete dias, seis dias nos últimos sete dias ou todos os sete últimos dias. A frequência é medida de acordo com as respostas, onde o maior número de dias em que o participante consome aquele determinado alimento corresponde a uma maior frequência e, portanto, determina um hábito alimentar (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2008).
Também foi aplicado um R24h, preenchido de acordo com o relato do participante. Para a análise do consumo alimentar foi utilizado o programa Dietbox, onde foi calculado a ingestão calórica, a ingestão de macronutrientes (Carboidratos, Proteínas e Lipídeos), micronutrientes (Cálcio, Ferro, Vitamina A, Vitamina B1, Vitamina B2, Vitamina B3, Vitamina B6, Vitamina C, Vitamina D, Zinco, Selênio, Magnésio e Potássio) e fibras consumidas diariamente por cada atleta . As quantidades de macro, fibras e micronutrientes obtidas através das coletas foram comparadas as seguintes recomendações: os carboidratos, lipídeos, proteínas e ferro com o que é preconizado pela SBME (2009) para atletas, o cálcio com o que é preconizado para adolescentes pelo IOM (2010), enquanto as fibras foram comparadas as recomendações preconizadas pela DRI (2006).
No término da pesquisa, o material foi mantido em arquivos, pelo pesquisador responsável, durante pelo menos cinco anos, conforme o previsto na resolução nº 466/2012 e com o fim deste prazo, todo material será picado e descartado. Para verificar a normalidade dos dados, foi utilizado o teste de Shapiro-Wilk. Para análises descritivas das variáveis dependentes, foram utilizadas média ± desvio padrão. O nível de significância estatística adotado foi de α= 0,05 e, para todas as análises, houve a utilização do pacote estatístico SPSS 20.0. O estudo foi aprovado pelo comitê de ética em pesquisa em seres humanos da Universidade Federal de Pelotas (parecer registrado sob o protocolo 3.536.069).

Indicadores, Metas e Resultados

Espera-se publicar um artigo científico e participar de congresso de iniciação científica.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALESSANDRA DOUMID BORGES PRETTO2
EDUARDA DALLMANN LOPES PEREIRA
NADINE COSTA GONÇALVES
NATÁLIA LEITZKE FARIAS
RAFAELA NEUMANN
ROMINA BUFFARINI1

Página gerada em 14/07/2024 08:02:44 (consulta levou 0.150955s)