Nome do Projeto
Anatomia da madeira – Leguminosae: o gênero Tabaroa
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
01/08/2022 - 31/12/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Biológicas
Resumo
Tabaroa é um gênero monoespecífico de Leguminosae, endêmico da Floresta Tropical Sazonalmente Seca (Caatinga), pertencente a tribo Brongniartieae. Sua única espécie, T. caatingicola, ocorre em uma área estimada de cerca de 12 Km2, no município de Rio de Contas (Bahia), e é classificada como criticamente ameaçada de extinção, devido à pequena área onde se encontra. Este trabalho tem o objetivo de descrever a anatomia da madeira do gênero Tabaroa interpretando-a a partir dos padrões funcionais do xilema secundário, típicos das espécies arbóreas das Floresta Tropical Sazonalmente Seca (Caatinga), e da comparação com táxons filogeneticamente relacionados (Brongniartieae – Papilionoideae – Leguminosae). As coletas serão realizadas no município de Rio de Contas, na Chapada Diamantina, Bahia, onde as populações de T. caatingicola são encontradas. Pelo menos três indivíduos serão amostrados. Serão realizadas análise anatômica em microscopia de luz e microscopia eletrônica de varredura. Os resultados serão comunicados em eventos científicos e publicados em periódico de circulação internacional. Espera-se contribuir, mais especificamente com o conhecimento, sistemática e evolução da tribo Brongniartieae, para a qual poucos dados anatômicos são conhecidos, e com a conservação de T. caatingicola, espécie criticamente ameaçada de extinção.

Objetivo Geral

Este trabalho tem o objetivo de descrever a anatomia da madeira do gênero Tabaroa (Leguminosae-Papilionoideae) a partir da sua única espécie, Tabaroa caatingicola L.P.Queiroz, G.P.Lewis & M.F.Wojc, interpretando-a a partir dos padrões funcionais do xilema secundário, típicos das espécies arbóreas das Floresta Tropical Sazonalmente Seca (Caatinga), e da comparação com táxons filogeneticamente relacionados (Brongniartieae – Papilionoideae – Leguminosae).

Justificativa

As características anatômicas da madeira têm sido consistentemente reconhecidas como fontes valiosas de informação filogenética (Baas, Wheeler & Chase, 2000; Herendeen & Miller, 2000a; Carlquist, 2013; Olson, 2005; Silva et al., 2021). Elas são capazes, por exemplo, de resolver nós mais profundos e melhorar a resolução de topologias filogenéticas conflitantes (Lens et al., 2007). No entanto, observações anatômicas da madeira raramente são incorporadas em estudos filogenéticos em larga escala, talvez devido ao desconhecimento das estruturas microscópicas da madeira para todos, ou a maioria, dos representantes de um determinado clado (Lens et al., 2007).
A anatomia da madeira tem sido fundamental para a delimitação de várias famílias de plantas com flores, incluindo Marcgraviaceae e Tetrameristaceae (Lens et al., 2005), e Sapotaceae (Kukachka, 1980). Da mesma forma, a anatomia da madeira da família Leguminosae, importante ecologicamente e economicamente, é relativamente bem documentada, porém a maioria das tribos dentro de Papilionoideae ainda não foi estudada (Gasson, 1996; Gasson et al., 2004b; Stepanova et al., 2013). Para toda a tribo Brongniartieae apenas a anatomia da madeira de Poecilanthe ulei (Harms) Arroyo & Rudd foi descrita. Essa descrição foi realizada pelo nosso grupo de pesquisa, e ainda não foi publicada. Descrever as características anatômicas da madeira de clados endêmicos, raros, monoespecíficos ou pouco diversificados é, portanto, fundamental para entender os padrões evolutivos da diversidade micromorfológica em Leguminosae (Gasson, 2001).
O gênero Tabaroa L.P.Queiroz, G.P.Lewis & M.F.Wojc. (Leguminosae-Papilionoideae) e sua única espécie conhecida T. caatingicola L.P.Queiroz, G.P.Lewis & M.F.Wojc. da tribo Brongniartieae foram descritas recentemente a partir de uma coleção de campo inteiramente nova (Queiroz et al., 2010), mas ainda permanecem pouco conhecidas em relação às características micromorfológicas. Enquanto sua espécie mais próxima, Amphiodon effusus Huber, está ecologicamente confinada à Floresta Amazônica (Cardoso et al., 2013), T. caatingicola é endêmica da Floresta Tropical Sazonalmente Seca da Caatinga, localizada em uma pequena área de solos arenosos do sudoeste da Bahia (Queiroz et al., 2010). A Caatinga, palavra de origem do tupi que significa “mata branca”, é composta predominantemente por espécies arbustivas, espinhosas e resistentes à seca, dominadas por árvores da família Leguminosae (Queiroz, 2009; Giulietti et al., 2004). A área é caracterizada por uma longa estação seca, na qual há pouca folhagem ou vegetação rasteira (Leal et al., 2005). A região abriga centenas de espécies endêmicas, 34% da flora é endêmica da região, muitas com características fisiológicas únicas adaptadas contra a perda de água para os longos períodos de seca (Giulietti et al., 2004). A região é pouco estudada, com apenas 1% das terras designadas como Área de Proteção Ambiental (APA), porém compondo quase 10% do território brasileiro. Essa região está ameaçada pelo desmatamento e por práticas agrícolas insustentáveis, como fruticultura e pecuária, o que tem levado à salinização do solo (Dinnouti et al., 2000; Silva et al., 2004; Leal et al., 2005). T. caatingicola, embora localmente comum na área geográfica de cerca de 12 Km2 em que habita, é classificada como criticamente ameaçada de extinção (União Internacional para a Conservação da Natureza et al., 2001), devido à pequena área onde se encontra.

Metodologia

As coletas serão realizadas no município de Rio de Contas, na Chapada Diamantina, sudoeste da Bahia, onde as populações de T. caatingicola são encontradas (Queiroz et al., 2010). O detalhamento das metodologias de coleta e para análise anatômica em microscopia de luz e microscopia eletrônica de varredura, está apresentado justamente com os objetivos específicos nas ações de pesquisa.

Indicadores, Metas e Resultados

Essa proposta de projeto busca colaborar com o conhecimento sobre a anatomia da madeira das espécies de Leguminosae, essa que é uma das famílias mais representativas da flora brasileira. Espera-se contribuir, mais especificamente com o conhecimento, sistemática e evolução da tribo Brongniartieae, para a qual poucos dados anatômicos são conhecidos, e com a conservação de T. caatingicola, espécie criticamente ameaçada de extinção. Os resultados serão comunicados em congressos e/ou outros eventos científicos e publicados em artigo científico em periódicos de alcance internacionais (possivelmente no IAWA Journal, fator de impacto: 3.182). As lâminas anatômicas integrarão o laminário do Laboratório de Anatomia Vegetal do Instituto de Biologia da UFPel, e serão utilizadas, dentre outras finalidades, nas aulas práticas das disciplinas envolvendo anatomia vegetal. Parte das amostras de madeira coletadas integrarão o acervo inicial da coleção que no futuro comporá a Xiloteca do Instituto de Biologia da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). As coleções de madeira são uma fonte de informação importante não apenas para pesquisas acadêmicas, mas sobretudo para usos aplicados diversos, como na fiscalização da exploração ilegal de espécies protegidas, restauração de obras de artes, monumentos e edificações antigas. Ressalta-se ainda a formação de recursos humanos a partir dos trabalhos de iniciação científica a serem desenvolvidos por discentes dos cursos de Biologia e/ou Agronomia envolvidos na execução desse projeto, incluindo trabalhos laboratório, na organização, tabulação, análise, intepretação, discussão e aplicação dos dados obtidos a partir do desenvolvimento desse projeto.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CRISTINA FERREIRA LARRE1
Domingos Benício Oliveira Silva Cardoso
GABRIELA DUARTE DE FRAGA
Lazaro Benedito da Silva
MARCELO DOS SANTOS SILVA1

Página gerada em 25/05/2024 13:43:05 (consulta levou 0.186815s)