Nome do Projeto
Avaliação de desfechos bucais por meio de scanner intraoral: validação em uma coorte de nascimentos
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
30/11/2022 - 30/09/2026
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
As condições bucais mais prevalentes e importantes são cumulativas e crônicas ao longo do ciclo vital dos indivíduos. Através de estudos com delineamento prospectivo consegue-se avaliar resultados não somente em condições atuais, mas também de um acúmulo de condições que foram incorporadas ao longo da vida. O presente trabalho tem como objetivo avaliar desfechos bucais por meio de um escaneamento digital intraoral e exame clínico epidemiológico dos participantes da Coorte de Nascimento de Pelotas de 1982. Serão reavaliados todos os indivíduos nascidos em 1982 aos 40 anos (subamostra N=888). Eles foram avaliados anteriormente aos 15 anos, aos 24 anos e aos 31 anos de idade, respectivamente, em 1997, 2006 e 2013. As variáveis que serão avaliadas através do exame clínico e escaneamento intraoral incluem a presença de cárie dentária coronária; edentulismo, dentição funcional e arco dentário reduzido; sangramento gengival; doença periodontal, desgaste dental e qualidade das restaurações. Tanto o exame clínico quanto o escaneamento intraoral serão realizados no Centro de Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), com uso de luz artificial (fotóforos acoplados à cabeça), material de exame (espelho plano, sondas periodontais e gaze) e um scanner digital devidamente esterilizados. Todos os examinadores, cirurgiões dentistas, pós- graduandos em Odontologia ou Epidemiologia, estarão devidamente paramentados respeitando as normas de biossegurança. As variáveis relacionadas a características demográficas, socioeconômicas, demográficas, comportamentais, e de saúde bucal (higiene bucal, dor de origem dentária, dificuldades de alimentação em razão de condições bucais, e a utilização de serviços) serão coletadas pela aplicação de questionário padronizado e pré- testado previamente em outros estudos epidemiológicos durante a aplicação do questionário geral da Coorte de Nascimentos de 1982. A equipe de trabalho de campo será composta por 12 examinadores e 9 auxiliares (alunos de graduação da Faculdade de Odontologia-UFPel), além dos supervisores do trabalho de campo responsáveis pelo arquivamento do material. Será elaborado um manual de instruções para a equipe de campo. Estima-se que o trabalho de campo durará em torno de 8 meses, incluindo o treinamento. Estão previstas reuniões semanais de avaliação entre a equipe de campo e os supervisores e coordenadores do estudo. Todos os dados serão avaliados pelo software Stata versão 15.0 – análises descritivas (frequências absolutas e relativas) e univariada (teste Qui-quadrado para variáveis categóricas nominais e Qui- quadrado de tendência linear para variáveis ordinais). E suma, os estudos de coorte de saúde bucal oferecem valiosas contribuições para a compreensão da história natural dos desfechos de saúde bucal e do processo saúde-doença. Além disso, auxiliam na tomada de decisões no campo da Saúde Pública, pois permitem a avaliação da inter-relação entre Saúde Bucal, sistêmica e a interação de fatores socioeconômicos.

Objetivo Geral

Validar o uso de imagens obtidas por scanner intraoral para o diagnóstico de diferentes condições bucais comparadas ao exame clínico epidemiológico na coorte de nascimentos em 1982 de Pelotas, RS, Brasil.

Justificativa

As doenças bucais são relativamente comuns na população e podem ser mensuradas clinicamente com boa acurácia, tornam essas condições ideais para serem estudadas por meio da epidemiologia do ciclo vital. A abordagem da epidemiologia do ciclo vital busca, por meio de diferentes modelos teóricos, contemplar as diversas e complexas relações entre aspectos biológicos e sociais, exposições e desfechos, que ocorrem ao longo do tempo na vida das pessoas.
Estudos de coortes de nascimentos são o melhor delineamento para estabelecer as relações entre exposições precoces ocorridas na vida dos indivíduos, suas trajetórias e os efeitos que podem causar nas condições bucais já na vida adulta. Estudos de coorte de nascimentos em adultos, com longo tempo de acompanhamento, são raríssimos, ocorrendo basicamente em países desenvolvidos. O estudo de saúde bucal na coorte de nascimentos de Pelotas, em 1982, é considerado uma exceção, sendo identificado como o maior e mais longo estudo de saúde bucal em coorte de nascimentos em países de média e baixa renda. Uma das principais características deste tipo de estudo, além do caráter longitudinal, é a sua natureza multidisciplinar, com múltiplas avaliações de aspectos relacionados a saúde em cada levantamento. Neste contexto, protocolos de avaliações bucais detalhadas, que incluem exames das superfícies dentárias e dos tecidos periodontais tornam-se um desafio, pois agregam tempo considerável na avaliação do participante, o que por vezes dificulta a inclusão da saúde bucal em acompanhamentos deste tipo.
Em um contexto de estudo epidemiológico, o uso do scanner intraoral para diagnóstico de condições bucais apresenta potenciais vantagens, como o menor tempo de exame comparado ao exame clínico, maior conforto do participante e possibilidade de obtenção da imagem por pessoal técnico, não necessitando recursos humanos qualificados como o cirurgião-dentista. Além disso, o uso de scanner intraoral em estudos longitudinais permite o armazenamento das imagens obtidas dos participantes, possibilitando o monitoramento das condições ao longo do tempo de maneira mais detalhada em comparação aos dados coletados da forma tradicional e, inclusive, a reanálise das imagens em tempo futuro, para avaliação de condições não mensuradas à época do estudo original. Por fim, embora ainda não seja uma realidade prática nem o objetivo do projeto em questão neste momento, o emprego de inteligência artificial (IA) combinado às imagens de escaneamento obtidas é uma perspectiva futura a ser desenvolvida para diagnóstico de doenças bucais baseado em IA, o que dispensaria a análise das imagens por dentista.
Então, a partir dos resultados desse estudo espera-se contribuir para o avanço do conhecimento na área de diagnóstico por meio de imagens em três dimensões captadas por scanner intraoral. Espera-se que o diagnóstico epidemiológico por meio do scanner intraoral apresente desempenho satisfatório, abrindo uma nova perspectiva em relação ao uso de imagens para avaliação das condições de saúde bucal da população.

Metodologia

Previamente ao seu início, de acordo com os princípios de ciência aberta e boas práticas científicas, esse projeto será registrado na plataforma “Open Science Framework” disponível em ww.osf.io, incluindo os protocolos da pesquisa em questão e o plano de manejo e análise dos dados.
A coorte de nascidos vivos em Pelotas no ano de 1982 corresponde ao primeiro estudo de acompanhamento iniciado na cidade que conta com outras três coortes de nascimentos, cujos inícios ocorreram em intervalos de 11 anos, em 1993, em 2004 e em 2015. Para o estudo que se iniciou em 1982, todas as mães que tiveram partos hospitalares ocorridos em Pelotas entre os dias 1º de janeiro e 31 de dezembro do corrido ano, moradoras da zona urbana do município, eram elegíveis a participar da pesquisa e receberam a visita da equipe. No respectivo ano foram registrados 5914 nascidos vivos, que fizeram parte do acompanhamento perinatal. A partir do estudo inicial, foram realizados diversos acompanhamentos na infância, adolescência e idade adulta que possibilitaram diferentes estudos sobre a saúde destes indivíduos.
Os estudos de saúde bucal nas coortes de Pelotas foram planejados para investigar e estimar os principais agravos de saúde bucal que acometem os indivíduos em diferentes períodos de vida, e assim, poder avaliar um padrão de comportamento relacionado à saúde bucal. O primeiro acompanhamento de saúde bucal na coorte de 1982 foi no ano de 1997, os participantes estavam com 15 anos na época. Para o acompanhamento geral deste mesmo ano, foi obtida uma amostra sistemática com 70 setores censitários (27%) dos 259 existentes no município de Pelotas (n = 1.076), sendo que uma subamostra aleatória (n = 900) oriunda destes 1.076 entrevistados foi selecionada para participação nos exames de saúde bucal. Então, esse estudo de saúde bucal aos 15 anos apresentou uma amostra de 888 indivíduos examinados (taxa de resposta de 98,7%). Nos próximos levantamentos de saúde bucal buscou-se esses participantes que anteriormente haviam sido sorteados, aos 24 anos (n = 720) e aos 31 anos de idade (n = 539). Os três levantamentos anteriores incluíram o exame de saúde bucal e aplicação de questionário.
Um novo acompanhamento da coorte de 1982 ocorrerá nos anos de 2022/2023, aos 40 anos de idade. Desta vez, o estudo de saúde bucal (quarto acompanhamento) acompanhará o levantamento de saúde geral. Todos os participantes do estudo da coorte de 1982 serão contatados para comparecer ao Centro de Pesquisas Epidemiológicas da UFPel. Serão realizadas medidas de peso, altura, força dos músculos das mãos (dinamômetro), circunferência da cintura e quadril. Também serão realizadas medidas de avaliação da capacidade dos pulmões, da pressão arterial, acelerometria (para avaliação da atividade física) e ultrassom da artéria carótida. Além disso, um questionário será aplicado. Em relação a saúde bucal, os participantes que compuseram a subamostra 900 indivíduos selecionada em 1997 que comparecerem ao centro de pesquisas epidemiológicas serão convidados a realizar o exame clínico de saúde bucal, que incluirá a presença de cárie, perda dentária, qualidade das restaurações, desgaste dentário e medidas periodontais. Além disso, todos os participantes da coorte de 1982, independente de comporem ou não a sub-amostra de saúde bucal, que comparecerem no levantamento dos 40 anos serão convidados a realizar o escaneamento de sua cavidade bucal, por meio do scanner intraoral TRIOS 3® (3Shape – Dinamarca).
1) Cálculo de tamanho de amostra:
Baseado no estudo de Michou et al., (2021), considerando um intervalo de confiança de 95%, erro absoluto de 0,1, e desempenho do scanner intraoral com valores de sensibilidade ≥ 0,84 e especificidade ≥ 0,76, um total de 100 unidades amostrais (sítios, dentes ou indivíduos, dependendo do desfecho) seria necessário para obtenção dos valores de acurácia do scanner intraoral. Considerando que serão convidados a participar do estudo de saúde bucal, com exame clínico (padrão-ouro), os 900 indivíduos da sub-amostra de 1997, e que no último levantamento 539 (60%) foram encontrados, a amostra que passará por exame clínico e pelo escaneamento intraoral será suficiente para aferição das medidas de validação diagnóstica pretendidas neste trabalho.
2) Variáveis Desfecho:
-Cárie dentária
-Perda dentária
-Presença e Qualidade das Restaurações Dentárias
-Desgaste dentário
3) Covariáveis:
As covariáveis incluirão variáveis coletadas ao longo dos diversos levantamentos realizados na coorte e serão consideradas para análise comparativa de fatores associados aos desfechos mensurados das duas formas: exame clínico e exame por meio da imagem gerada pelo scanner intraoral. Serão consideradas variáveis demográficas como o sexo (masculino ou feminino) e cor da pele do indivíduo autoreferida (branca, preta, parda, amarela, indígena). Como variáveis socioeconômicas, será considerada a renda familiar ao nascer, coletada em reais e que será categorizada em quintis, e a escolaridade materna ao nascer, a qual foi coletada em anos completos de estudo.
4) Trabalho de campo:
As avaliações serão realizadas na Clínica do Centro de Pesquisas Epidemiológicas (CPE) da UFPel, nos meses de setembro de 2022 a junho de 2023.
4.1)Exame bucal:
Serão convidados a realizar o exame clínico da cavidade bucal todos os participantes que compõe a subamostra de saúde bucal da coorte de 1982 (N=888). O exame bucal será realizado por cirurgiões-dentistas, em uma sala destinada para este fim. Para o exame são seguidos todos os preceitos de biossegurança, incluindo os equipamentos de proteção individual e instrumental esterilizado.
4.2)Escaneamento intraoral:
Serão convidados a realizar o escaneamento 3D intraoral todos os participantes da coorte de 1982 que comparecerem para o levantamento dos 40 anos. Para a obtenção das imagens será utilizado o scanner TRIOS 3® (3Shape – Dinamarca), combinado com o software 3Shape Unite®. A obtenção das imagens por meio do scanner será realizada pelos mesmos cirurgiões-dentistas participantes do trabalho de campo. O equipamento será higienizado entre cada participante e as ponteiras utilizadas serão previamente esterilizadas. Todos os profissionais participantes passarão por treinamento teórico e prático para o uso do scanner intraoral. Estima-se um tempo total de 3 a 4 minutos para realização do escaneamento dos arcos superior e inferior e da mordida de cada participante. Após a obtenção das imagens, as mesmas serão armazenadas e posteriormente analisadas.
5) Análise dos dados:
O software Stata 15.0 será utilizado para análise dos dados. Serão construídas tabelas de contingência para todos os desfechos clínicos, comparando o diagnóstico realizado pela imagem do scanner intraoral dos 3 avaliadores com o diagnóstico obtido no exame clínico (padrão ouro). Serão calculadas a partir das tabelas de contingência a concordância (%), sensibilidade, especificidade, valores preditivos positivos e valores preditivos negativos, além da acurácia. Para cálculo destes parâmetros, os desfechos serão dicotomizados em ausência e presença, tendo como unidade de análise o dente para os desfechos perda dentária, falha de restauração dentária e desgaste dentário, e a superfície para o desfecho cárie (ICDAS). Análises de área sob a curva ROC serão utilizadas a fim de determinar o melhor ponto de corte para definição de presença de cárie de acordo com os critérios do ICDAS. As áreas sob a curva ROC para os diferentes pontos de corte serão comparadas por meio do algoritmo de DeLong (DeLong et al., 1988). Os erros padrão para sensibilidade e especificidade serão ajustados para possível efeito de cluster, uma vez que os dentes estão em um mesmo indivíduo participante e as superfícies examinadas (no caso da cárie) em um mesmo dente.
A reprodutibilidade diagnóstica por meio da imagem do scanner intraoral será aferida por meio do kappa simples (variáveis dicotômicas) e kappa ponderado (variáveis ordinais), aferindo-se a reprodutibilidade intra e inter-examinador. Além disso, será testada a associação de variáveis de exposição conhecidas com os desfechos obtidos por meio do exame clínico (padrão-ouro) e a imagem do scanner 3D a fim de possibilitar a comparação dos resultados e avaliar o poder discriminatório do diagnóstico pelo scanner intraoral. Os testes de associação serão realizados por meio de regressão de Poisson com variância robusta. Para todas as análises será considerado um intervalo de confiança de 95% e um α = 5%.
6) Aspectos éticos:
Este projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Pelotas. Não há riscos quanto à participação na pesquisa, e o exame bucal é simples e rápido.
Previamente às entrevistas e exames, todas as responsáveis pelos participantes assinam um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). Neste termo constam informações sobre a pesquisa, ressaltando que a participação é voluntária, a garantia da confidencialidade e anonimato.
Ao final, os benefícios do projeto serão indiretos, os resultados poderão servir de base para programas visando prevenir doenças comuns, como doenças bucais, diabetes, doenças cardiovasculares, doenças mentais, tumores, entre outras.

Indicadores, Metas e Resultados

A presente proposta possui caráter inédito e inovador conferido pelo seu desenho e objetivos, apresentando de forma pioneira o uso do scanner intraoral 3D para o diagnóstico epidemiológico de condições de saúde bucal da população. Poucos estudos até o momento se propuseram a validar em pacientes o uso do scanner, tendo sido realizados em amostras de conveniência de tamanho reduzido. Este trabalho visa validar o uso do scanner para o diagnóstico de condições de importância em saúde pública, como cárie, perda dentária, qualidade de restaurações, em uma amostra de base populacional, que representa a população adulta da cidade de Pelotas.
A partir dos resultados desse estudo espera-se contribuir para o avanço do conhecimento na área de diagnóstico por meio de imagens em três dimensões captadas por scanner intraoral. Espera-se que o diagnóstico epidemiológico por meio do scanner intraoral apresente desempenho satisfatório, abrindo uma nova perspectiva em relação ao uso de imagens para avaliação das condições de saúde bucal da população.
Em relação aos produtos acadêmicos deste trabalho, está planejado que seja foco de duas teses de doutorado e uma dissertação de mestrado sob orientação do proponente. Além disso, espera-se que o projeto resulte direta e indiretamente, por meio das análises realizadas após a validação do scanner intraoral, em no mínimo 10 publicações em periódicos internacionais indexados com fator de impacto JCR ≥ 3.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANDERSON ROTUNDO PEREZ
BRUNA MACHADO FERNANDES
CAROLINE LAMAISON
CINTHIA FONSECA ARAUJO
DANIELA HAUBMAN PEREIRA
DIEGO HENRIQUE DE SOUSA
FERNANDA BURKERT MATHIAS
FLAVIO FERNANDO DEMARCO1
GUERETH ALEXSANDERSON OLIVEIRA CARVALHO
GUSTAVO SILVA FRANCISCO
IURI HORNKE TUCHTENHAGEN
JAQUELINE BARBIERI MACHADO
LARISSA SCHWARTZ RADATZ
LAYLLA GALDINO DOS SANTOS
MARCOS BRITTO CORREA4
MIGUEL KONRADT MASCARENHAS
NATHALIA RIBEIRO JORGE DA SILVA
PAULA JESKE DA FONSECA
RAFAEL RATTO DE MORAES1
RAFAELA DO CARMO BORGES
RENATA ULIANA POSSER
SARAH ARANGUREM KARAM
SARAH ARANGUREM KARAM2
THAÍS PICCOLO CARVALHO
VALESCA DORO DIAS
VINICIUS PEREIRA BALONEQUE
YORRANA MARTINS CORRÊA
ÂNDREA PIRES DANERIS

Página gerada em 19/07/2024 18:53:42 (consulta levou 0.196922s)