Nome do Projeto
Aulas Abertas sempre às quintas - corpos gêneros sexualidades
Ênfase
Ensino
Data inicial - Data final
01/03/2023 - 01/03/2025
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
Corpos, Gêneros, Sexualidades, disciplina de onde emerge o projeto “aulas abertas sempre ás quintas” faz parte da frente de formação profissional e humana do Nugen/UFPel é ofertada na forma optativa pelo banco universal, para todos os estudantes universitários, em turmas semestrais, onde conteúdo e método de abordagem giram em torno do campo de gênero e diversidade sexual problematizado a partir das pautas internacionais e locais do cenário social como igualdade de gênero, não discriminação por sexo, orientação sexual e identidade bem como atravessado pela interseccionalidade de raça. Os encontros problematizam as relações universitárias sob a ótica do gênero e da diversidade sexual, são atravessados pela transversalidade característica às temáticas do campo, analisam as relações ciência, trabalho, mídias, religião na configuração da sociedade biopolítica, capitalística e heteronormativa, assinalam a criação dos gêneros e dos sexos como construções sociais e culturais e possuem como base epistemológica a Teoria Queer, alguns conceitos oriundos das filosofias de Nietzsche, Foucault, Deleuze e Guattari, a obra de autoras feministas como Simone Beauvoir, Ângela Davis, Judith Butler. Leticia Lanz, Paul Preciado, entre outros. São algumas temáticas dos encontros: transgêneros, feminismos, padrões corporais, lutas LGBTs, cinema queer, gordofobia, novas masculinidades, redução de danos, Ativismo, mulheres e religiosidade, casas de acolhida, feminismo negro, mulheres e treinamento físico, etc. Compreende atividades teóricas e práticas e os conteúdos são desenvolvidos através de exposição, debates, roda de conversa, material visual, aulas abertas, participação de convidados, entre outras atividades. O projeto “Aulas abertas sempre ás quintas” da CGS, prevê entre cinco a sete encontros semestrais dos 15 a dezessete que compõem o semestre letivo, ocorre durante o período das aulas e caracteriza-se por ser um espaço de ensino-aprendizagem aberto permitindo a participação de pessoas da comunidade universitária e local, estudantes de outros cursos e escolas, nas rodas de conversa, palestras, debates, promovidos pela disciplina Corpos, Gêneros, Sexualidades do NUGEN/UFPel. O espaço da aula aberta caracteriza-se pela presença de convidados e convidadas para problematizarem os temas que possuem autoridade e lugar de fala e atestam a necessidade do cuidado que a universidade deve ter ao trazer essas pautas, nada sobre “nós sem nós”. As aulas acontecem as quintas-feiras, no turno da tarde, atendem uma média de 100 estudantes a cada semestre, ocorrem prioritariamente na Casa de Vivências Culturais Rendez Vous (UFPel), e/ou em outros espaços quando for o caso de visitas aos lugares de fala, aos novos espaços de luta e de divulgação das pautas feministas, antirracistas e LGBTs, com chamadas à comunidade amplamente divulgadas nas redes sociais, e espaços de comunicação social. J

Objetivo Geral

Tem como maior objetivo promover e expandir o conhecimento atualizado em um espaço de ensino-aprendizagem aberto, polifônico e plural onde convidados(as) possuem lugar de fala, experiência e representatividade social em relação a temática abordada em torno das pautas feministas, LGBTs e antirracistas, que conduzem o andamento da disciplina.

Justificativa

Temas do campo de gênero e diversidade sexual são transversalidades que atravessam territórios historicamente constituídos e definidos em termos binários, opostos, incompatíveis, identitários e, portanto, inimigos. Nos currículos universitários visam o combate ao preconceito, denunciam o paradigma heteronormativo enquanto estrutura desigual de poder e defendem a sua desconstrução, a sensibilização para o respeito às diferentes identidades de gênero, constitutivas da comunidade universitária, e aos direitos humanos, e possuem como utopia a construção de uma sociedade onde a vida privada dos indivíduos e das populações não seja mais pautada sobre o sexo e suas práticas de controle
Transversalidades como gênero e diversidade sexual quando inseridas em currículos de formação abrem espaço para a desconstrução da normatividade implícita nesses conceitos apontando seu caráter heteronormativo, autoritário e conservador, sensibilizam para a violência desencadeada pelas desigualdades entre os gêneros e exigem conceitos operatórios capazes de combater o sexismo, o machismo e o racismo e cavar brechas no pensamento conservador implícito nessas práticas discursivas. Ou seja, exigem conceitos oriundos das lutas e com estatuto e lugar de fala. Quem fala e escreve e de que lugar? Sobre transgéneros? Sobre mulheres negras? Estudantes indígenas e quilombolas? Violência contra a mulher? Opressões às minorias sexuais, étnicas, raciais?

Metodologia

Metodologia Geral
O projeto Aulas Abertas sempre às quintas deverá ser executado a partir das seguintes ações:

Definição semestral dos temas e convidados(as).
Elaboração dos convites e envio antecipado aos colaboradores e colaboradoras.
Elaboração dos cartazes das aulas com informações sobre o tema, título, convidados (as) local, horário.
Elaboração das chamadas.
Socialização das chamadas para as aulas nas mídias sociais e nos espaços de comunicação da UFPel (CCS).
Elaboração de convites para professores da rede municipal e estadual de ensino e envio às secretarias de Educação e de Cultura.
Confecção dos certificados e/ou atestados.
Confecção da lista de presença.
Confecção de instrumento de avalição dos encontros.
Envio dos certificados e/ou atestados.
Confecção do relatório semestral.

Metodologia da Aula Aberta:

Dia da semana: quintas-feiras.
Horário: das 14:00 às 17:00.
Modo de operacionalização dos encontros: a cargo dos convidados(as) e está diretamente relacionado á temática escolhida e pode caracterizar-se por palestra, roda de conversa, visita guiada, debates, entrevista, dentre outras atividades.
Local: prioritariamente em 2023 as aulas abertas devem ocorrer na Casa de Vivências Culturais Rendez Vous (NUGEN/UFPel) que tem sua ocupação definitiva prevista para esse ano e é objeto do Programa de Extensão Ocupa Rendez Vous que prevê esses encontros em suas dependências.

Principais temáticas da CGS em 2023 (aulas abertas em destaque):

Aula Aberta: Coordenação de Inclusão e Diversidade: NUGEN/NUAAD/NAI (UFPel).

O corpo feminino no Catolicismo dos séculos XIII e XIV. A mulher torna-se bruxa.

Marcha das Vadias: uma luta de peitos nus. Jornada Mundial da Juventude: rezai por elas. O que dizem sobre nós os movimentos de rua?

Aula Aberta virtual: Feminismos. Nem santas, nem putas. Mulheres. Eliane Tortola (UFPR).

Aula Aberta Virtual: Objetificações do corpo das mulheres na música e na dança. Eliane Tortola (UFPR)

Desnaturalizando gênero e teoria queer.

Pelo cu: provocações anais e teoria “cuer”.

Pautas LGBTs e feministas em documentários e filmes. Pray Way. Atleta A. Tatuagem. Carta para além dos muros. A Revolta de Stonewall.

Aula Aberta: Quando ousamos existir. Márcio Caetano (FAE/UFPel).

Aula Aberta: Temáticas Indígenas e arte contemporânea. Pietra Dolamita (pesquisadora e ativista das pautas indígenas).

Aula Aberta: Artivismo queer e o pensamento da desconstrução. tendências e visibilidade. Rosangela Fachel (Artes/UFPel)

Amores Tóxicos: crime passional ou a naturalização do feminicídio? O amor mata? Amor romântico conceito e práticas estruturais.

Assédio moral e sexual nas IFES.

Aula Aberta: temáticas negras: estética e empreendedorismo social. Marielda Medeiros (professora Dra. Ativista, pesquisadora). Luciana Custódio (empreendedora social, ativista).

Padrões corporais, estética e gordofobia.
Subjetividades Infames: corpo ético, estético e político da diversidade.

Aula Aberta: devires fluidos: transgêneros, travestis, drags e outras subjetividades dissidentes. Márcia Monks (professora de teatro, atriz, mestranda FAE/UFPel). Thalita (produtora cultural, doutoranda FAE/UFPel).

Aula Aberta: Saúde LGBTs.

Aula Aberta: Sarau Corpos, gêneros, sexualidades: poéticas estudantis. Eliane Pardo (ESEF/UFPel). Rodrigo Vital (TO/UFPel).

Indicadores, Metas e Resultados

Ampliar público participante.
Estabelecimento de parceria com as escolas municipais e estaduais visando novas redes de formação de professores no campo dos Direitos Humanos e em especial, nas temáticas feministas, antirracistas e LGBTs.


Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
AIRI MACIAS SACCO
AIRI MACIAS SACCO2
ELIANE RIBEIRO PARDO8
MARCIA MONKS JAEKEL
MARCIO RODRIGO VALE CAETANO
MARIELDA BARCELLOS MEDEIROS
RODRIGO DA SILVA VITAL2
ROSANGELA FACHEL DE MEDEIROS

Página gerada em 13/07/2024 23:27:29 (consulta levou 0.187624s)