Nome do Projeto
Processamento multilíngue e rastreamento ocular
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
15/03/2023 - 14/03/2027
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Linguística, Letras e Artes
Resumo
Este projeto tem como objetivo investigar o processamento multilíngue de diferentes populações por meio da técnica de rastreamento ocular. Trata-se de uma técnica de pesquisa altamente confiável e acurada, que é utilizada para estudar o processamento através do monitoramento e registro dos movimentos oculares. Diferentes populações multilíngues são investigadas neste projeto (por exemplo, falantes e aprendizes de línguas estrangeiras e falantes de uma língua minoritária). Os dados são coletados no Laboratório de rastreamento ocular, que é um laboratório interdisciplinar e de multiusuários. Espera-se contribuir para entender como diferentes línguas interagem na mente multilíngue e trazer implicações para as políticas linguísticas e para o ensino de línguas.

Objetivo Geral

Investigar o processamento multilíngue de diferentes populações por meio da técnica de rastreamento ocular.

Justificativa

Rastreamento ocular é uma técnica bastante utilizada para investigar o processamento da linguagem em diferentes populações. Trata-se de uma ferramenta de pesquisa altamente confiável e acurada, que é utilizada para estudar o processamento através do monitoramento e registro dos movimentos oculares que uma pessoa faz durante a execução de uma tarefa. Dados de movimento ocular, especialmente sacadas, fixações e regressões, são muito informativos por revelarem, momento a momento, as atividades de processamento, tornando possível fazer inferências sobre a leitura e o comportamento cognitivo (RAYNER, 1996). Essa técnica já é difundida nos estudos sobre bilinguismo e multilinguismo a nível mundial, mas no Brasil essa área e esse tema de pesquisa são muito incipientes.
O conhecimento de cada uma das línguas não é armazenado e processado de forma isolada na mente multilíngue. Por isso, é importante verificar de que forma as línguas interagem em diferentes configurações linguísticas. As línguas podem influenciar-se mutuamente, mesmo que uma delas seja usada predominantemente na oralidade. Esta proposta é abrangente e considera também línguas que não possuem padrão de escrita e pode incluir línguas e sinais, Braile e línguas com outros sistemas de escrita. A pesquisa sobre multilinguismo pode fornecer implicações para estudos sobre aprendizagem e ensino de línguas, assim como para outros estudos envolvendo diferentes configurações multilíngues, com línguas minoritárias e adicionais. Os métodos de pesquisa aplicados para estudar uma língua podem ser usados ​​para estudar outras.

Metodologia

Serão preparados experimentos com leitura e o paradigma do mundo visual. Os estímulos que serão selecionados terão palavras-alvo cuja interação entre as línguas é evidente (por exemplo, cognatos, falsos cognatos, homógrafos e homófonos) e sua seleção será feita controlando os diversos fatores psicolinguísticos. Os participantes dos experimentos processarão os estímulos enquanto os seus movimentos oculares são registrados no Laboratório de Rastreamento Ocular da UFPEL. O rastreador ocular possibilita mensurar o processamento e a intercompreensão da leitura online. Através da maneira como os olhos se movem, é inferido o processamento da informação escrita.

Indicadores, Metas e Resultados

Criação de experimentos adequados para inferir o processamento multilíngue via rastreamento ocular.
Identificação de efeitos de facilitação do conhecimento de uma língua no processamento da outra.
Fornecimento de subsídios científicos para a formulação de políticas linguísticas que favorecem a manutenção de línguas minoritárias e para a elaboração de métodos de ensino de línguas estrangeiras.
Contribuição para a manutenção do laboratório de rastreamento ocular, laboratório multiusuários da Universidade Federal de Pelotas.
Capacitação de alunos de graduação (no âmbito da iniciação científica) e pós-graduação na pesquisa em Letras, no que tange ao rastreamento ocular e a teorias específicas e à redação científica.
Apresentação dos resultados parciais de finais em eventos de comunicação científica
Publicações em revistas científicas nacionais e internacionais.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANGELA INES KLEIN1
BERNARDO KOLLING LIMBERGER5
CAROLINE DORST NACHTIGALL
LISANDRO MIRITZ VÖLZ
MURILO PEGLOW BILHARVA
RENAN CASTRO FERREIRA
ROGERIO FREDES LEMES

Página gerada em 21/05/2024 00:44:09 (consulta levou 0.148980s)