Nome do Projeto
AMPLIAÇÃO DO MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA DA LAGOA MIRIM E AFLUENTES
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
02/05/2017 - 31/07/2019
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Resumo
O local de monitoramento está inserido na grande unidade hidrográfica da Lagoa Mirim. Localizada em área transfronteiriça, a bacia da Lagoa Mirim desempenha papel fundamental no desenvolvimento econômico, social e ambiental da região, uma vez que os principais usos da água em seu território estão representados pela irrigação, dessedentação animal, abastecimento humano e preservação e manutenção dos ecossistemas naturais da região. A Lagoa Mirim, destacada em amarelo na figura 1, é a segunda maior lagoa da América do Sul , com aproximadamente 375 mil hectares de superfície de água, sendo superada apenas pela Laguna dos Patos, localizada também no Brasil e ligada a Lagoa Mirim através do Canal São Gonçalo. O monitoramento da qualidade de água realizado pela ALM ocorrerá mensalmente através do Laboratório de Águas e Efluentes da ALM, que analisa os parâmetros físico-químicos e microbiológicos das amostras coletadas através de métodos internacionalmente reconhecidos e validados por este laboratório. As variáveis de qualidade avaliadas são: pH, temperatura, salinidade, condutividade, turbidez, fósforo total, nitrogênio total kjeldahl (NTK), oxigênio consumido em meio ácido, demanda bioquímica de oxigênio (DBO), oxigênio dissolvido, sólidos totais e coliformes termotolerantes.

Objetivo Geral

A presente proposta tem como objetivo ampliar a capacidade de monitoramento da água da Lagoa Mirim e seus principais afluentes, incorporando aos parâmetros já avaliados os metais potencialmente tóxicos e resíduos de agrotóxicos, tendo como meta a disponibilidade desses dados para que os mesmos possam interferir positivamente na melhor utilização deste importante corpo hídrico que atende múltiplos usos.

Justificativa

A Agência de Desenvolvimento da Bacia Lagoa Mirim (ALM), criada em 1994 por determinação do Decreto nº 1148, vinculada ao Ministério da Integração Nacional, sedia a Seção Brasileira da Comissão Mista da Lagoa Mirim (SB/CLM), que tem por finalidade dar cumprimento, na área brasileira, aos compromissos decorrentes do Tratado da Bacia da Lagoa Mirim, promulgado pelo Decreto n° 81.351 de 1978.
Dentre as competências da SB/CLM, visando o desenvolvimento integrado e sustentável da microrregião da Bacia Hidrográfica da Lagoa Mirim, é seu dever promover a realização de estudos, pesquisas e levantamentos no local.
Tendo em vista o disposto no Tratado da Bacia da Lagoa Mirim e a importância da manutenção da qualidade da água da Lagoa Mirim e seus afluentes, a ALM desenvolve o monitoramento da qualidade de água nestes mananciais.
Serão monitorados nove pontos amostrais na Lagoa Mirim e em quatro afluentes importantes deste corpo hídrico.
Um dos principais afluentes da Lagoa Mirim é o Canal São Gonçalo, um canal natural que estabelece a ligação entre a Laguna dos Patos e Lagoa Mirim, responsável pelo fornecimento de água para atividades agropecuárias e abastecimento humano, dentre outros usos. É fonte de abastecimento urbano da cidade de Rio Grande, que viabiliza o fornecimento de água potável para aproximadamente 200 mil habitantes do município além de futuramente atender a demanda de abastecimento urbano das cidades de Pelotas e Capão do Leão com duas estações de tratamento de água que estão sendo construídas, com capacidade total de abastecimento de aproximadamente 200 mil habitantes. O abastecimento público é o uso mais nobre dado à água, requerendo grande controle de qualidade. Sendo o Canal São Gonçalo um manancial fortemente impactado por fontes de poluição difusas e pontuais, torna-se fundamental o constante monitoramento de sua qualidade. Tendo em vista a importância deste manancial inserido na Bacia da Lagoa Mirim, a ALM mantém quatro pontos de monitoramento ao longo desse canal .

Metodologia

O monitoramento da qualidade de água realizado pela ALM ocorrerá mensalmente através do Laboratório de Águas e Efluentes da ALM, que analisa os parâmetros físico-químicos e microbiológicos das amostras coletadas através de métodos internacionalmente reconhecidos e validados por este laboratório. As variáveis de qualidade avaliadas são: pH, temperatura, salinidade, condutividade, turbidez, fósforo total, nitrogênio total kjeldahl (NTK), oxigênio consumido em meio ácido, demanda bioquímica de oxigênio (DBO), oxigênio dissolvido, sólidos totais e coliformes termotolerantes.

Indicadores, Metas e Resultados

Analisar os parâmetros físico-químicos e microbiológicos das amostras coletadas através de métodos internacionalmente reconhecidos e validados por este laboratório

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANDRESSA COUTO TIMM
ANDRESSA DROSE
BRUNO MULLER VIEIRA2
CAMILA MACIEL PEREIRA
DANIELA VELLAR HEPP
FRANCINE VICENTINI VIANA
GABRIEL BORGES DOS SANTOS
GILBERTO LOGUERCIO COLLARES3
HUGO ALEXANDRE SOARES GUEDES1
JOSIAS BIAZIN DA SILVA
LARISSA ALDRIGHI DA SILVA
MARCOS ANTONIO DA SILVA
MARILIA GUIDOTTI CORREA
MARLON HEITOR KUNST VALENTINI

Recursos Arrecadados

FonteValorAdministrador
Clientes diversosR$ 29.237,62Fundação Delfim Mendes da Silveira

Plano de Aplicação de Despesas

DescriçãoValor
Despesa administrativa da fundação de apoioR$ 3.370,62
Outros serviçosR$ 1.150,00
Material de expedienteR$ 300,00
Material de laboratórioR$ 17.567,00
Material de manutenção de máquinas e equipamentosR$ 2.350,00
Equipamentos e material permanente (móveis, máquinas, livros, aparelhos etc.)R$ 4.500,00

Página gerada em 19/11/2019 01:08:36 (consulta levou 0.093747s)