Nome do Projeto
Desenvolvimento de ferramentas analíticas para auxiliar no mapeamento e no controle da qualidade das águas da região de Pelotas
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
01/07/2023 - 30/06/2026
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Exatas e da Terra
Resumo
O consumo de água vem aumentando significativamente a cada ano, sempre acompanhado com o tema da qualidade da água. A potabilidade da água é uma questão que vem ganhando destaque no meio acadêmico e civil, especialmente com relação aos poluentes que, até o momento, ou não possuem limites estabelecidos ou não estão em concordância com a legislação brasileira. O nitrato, por exemplo, que é um composto conhecido por seu potencial cancerígeno, foi a terceira substância que mais vezes excedeu o limite máximo estabelecido para águas residenciais brasileiras, 10 mg L-1, entre 2018 e 2020, de acordo com o Mapa da Água (Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano). Tal resultado é de extrema preocupação, visto que uma das grandes fontes de nitrato na água é o próprio esgoto sem tratamento adequado. Atualmente, não há limites estabelecidos para nitrato no despejo das estações de tratamento de efluentes; sendo que este caso pode ser expandido para outros elementos potencialmente tóxicos. Vale lembrar que, muitas vezes, a captação de água acontece no mesmo corpo hidrográfico onde ocorre a liberação do esgoto tratado, mudando apenas o ponto de coleta e despejo. Sendo assim, ter acesso a métodos analíticos simples, confiáveis e de baixo custo é fundamental. Métodos estes que poderão auxiliar na criação de um banco de dados sobre a qualidade das águas dos municípios brasileiros, permitindo ao poder público ações mais contundentes e pontuais para remediação do problema de contaminação da água da região de Pelotas.

Objetivo Geral

Desenvolver métodos analíticos para a determinação e elementos e moléculas potencialmente tóxicos, especialmente nitratos, em amostras de água da região de Pelotas, Rio Grande do Sul. Estabelecer métodos analíticos para determinação de parâmetros físico-químicos que ajudem na avaliação da qualidade da água (pH, oxigênio dissolvido, condutividade, entre outros). Criar um banco de dados que auxilie a comunidade a ter uma melhor compreensão quanto a qualidade da água consumida.

Justificativa

A poluição da água é um problema sério em todo o mundo. A atividade humana é responsável por grande parte da poluição da água, seja por meio de descarte inadequado de resíduos industriais e domésticos, agricultura, mineração, atividades de construção, entre outras. A poluição da água pode causar sérios danos à saúde humana e ao meio ambiente, além de afetar a disponibilidade de água potável. No Brasil, mais de 35 milhões de pessoas vivem sem água tratada e cerca de 100 milhões não têm acesso à coleta de esgoto; sendo que somente 50% do volume de esgoto do país recebe tratamento. Na cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul, a questão não é diferente, segundo dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, de 2020, menos de 60% da população municipal tinham acesso aos serviços de esgotamento sanitário. Atualmente, as Estações de Tratamento de Efluentes (ETEs) têm como foco a remoção de matéria carbonácea de águas residuárias de origem doméstica ou industrial. De fato, esses compostos são grandes poluidores dos corpos hídricos, visto que, direta ou indiretamente, consomem o oxigênio dissolvido (OD) do meio. No entanto, outros poluentes, como nitrogênio, fósforo, cloro, flúor, além de elementos potencialmente tóxicos, como o Al, Ni, Cr, Pb, Cd, entre outros, vêm ganhando atenção da comunidade científica e civil por acentuarem ainda mais a poluição/contaminação das águas. Neste contexto, o presente projeto se justifica pois, através dele, serão desenvolvidos e/ou adaptados diferentes métodos analíticos para determinação de elementos e moléculas potencialmente tóxicos em amostras de água da região de Pelotas (RS). Mais, os resultados obtidos sobre a presença destes poluentes nas amostras poderão auxiliar em uma melhor compreensão da comunidade quanto a qualidade da água da região.

Metodologia

As amostras de água a serem alvo deste projeto serão coletadas em diferentes pontos da cidade de Pelotas. São de interesse deste estudo amostras de água da torneira, amostras de água de córregos que atravessam a cidade e amostras de água dos principais rios que cortam Pelotas, São Gonçalo e Pelotas. As amostras serão coletadas seguindo sempre os mesmos protocolos de coleta e armazenamento. Sempre utilizando materiais descontaminados e adequados para as coletas. A coleta será realizada pelos
próprios participantes deste projeto. Parte das análises, como medição de temperatura e oxigênio dissolvido (OD), serão realizadas in loco. Após coletas as amostras serão encaminhadas para o Laboratório de Metrologia Química (LabMeQui) da UFPel, onde se dará a continuidade das análises.
No LabMeQui serão estabelecidos métodos alternativos para determinação de elementos e moléculas potencialmente tóxicos e os resultados comparados com aqueles a legislação e/ou métodos comparativos. Sempre buscando procedimentos mais simples, exatos, precisos e de menor custo. Figuras de mérito, como faixa linear, faixa de trabalho, robustez, precisão e exatidão, ensaios de recuperação, análise de materiais de referência certificados serão sempre avaliadas. O uso ou não de algum possível preparo de amostra será investigado. Caso necessário, serão estabelecidos protocolos para pré- tratamento das amostras de água coletadas.
A determinação da concentração de nitratos em amostras de água será realizada com o uso de um eletrodo íon-seletivo (ISE). A avaliação de pH e OD se dará através do uso de pHmetro e sonda para medição de OD, ambas presentes no LabMeQui do Centro de Ciências Químicas, Farmacêuticas e de Alimentos, Universidade Federal de Pelotas. A avaliação de elementos e moléculas potencialmente
tóxicos será realizada através de um Espectrômetro de Emissão Óptica com Plasma Induzido por Micro-ondas (MIP OES), também presente no LabMeQui.
As condições experimentais de trabalho de cada técnica serão avaliadas de acordo com recomendações do fabricante ou por trabalhos reportados na literatura. Especialmente no que condiz a determinação de
nitratos por ISE, as condições serão otimizadas de acordo com as características das amostras obtidas. Sempre minimizando o preparo de amostras e a geração de resíduos.

Indicadores, Metas e Resultados

As principais metas a serem atingidas são:
- Estabelecer métodos analíticos que possam ser aplicados à determinação de elementos e moléculas em amostras de água;
- Estabelecer métodos analíticos para determinação de parâmetros físico-químicos que ajudem na avaliação da qualidade da água (pH, oxigênio dissolvido, condutividade, entre outros);
- Criar um banco de dados que auxilie a comunidade a ter uma melhor compreensão quanto a qualidade da água que consumida;
- Formar recursos humanos, em nível de graduação e pós-graduação, com habilidades para desenvolver estudos em química analítica;
- Divulgar os resultados obtidos por meio da submissão de artigos para revistas científicas de fator de impacto significativo, assim como pela participação de eventos científicos a nível local, regional,
nacional ou internacional.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ADRIANE MEDEIROS NUNES1
ANDERSON SCHWINGEL RIBEIRO1
CHARLIE GUIMARÃES GOMES
DIOGO LA ROSA NOVO1
JÉSSICA DA ROSA PORTO
LUCAS LUCENA FERREIRA
MARIANA ANTUNES VIEIRA1
WILIAM BOSCHETTI3
YASMIN RIBEIRO BLOEDORN

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
FAPERGS / Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado Rio Grande do SulR$ 24.300,00Coordenador

Plano de Aplicação de Despesas

DescriçãoValor
339030 - Material de ConsumoR$ 14.300,00
449052 - Equipamentos e Material PermanenteR$ 10.000,00

Página gerada em 18/05/2024 09:29:20 (consulta levou 0.171006s)