Nome do Projeto
MovimenTO: Terapia Ocupacional nas Disfunções Motoras Gerais - Intervenções e tecnologias
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
26/07/2023 - 30/07/2025
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Eixo Temático (Principal - Afim)
Saúde / Saúde
Linha de Extensão
Pessoas com deficiências incapacidades, e necessidades especiais
Resumo
Indivíduos que sofreram algum trauma ou lesão física podem apresentar déficits no desempenho ocupacional. A dificuldade para realizar as atividades cotidianas pode fazer com que esses indivíduos coloquem sua segurança em risco ou muitas vezes, necessitam de cuidados de terceiros, perdendo assim a autonomia e independência. Visando o retorno da independência e autonomia desses indivíduos, o terapeuta ocupacional (TO) pode intervir para diminuir a incapacidade e maximizar a participação e retorno social desses sujeitos, sejam eles crianças, adultos ou idosos. Pensando no papel de vinculação universidade-comunidade; na prestação de serviço de TO à comunidade e na construção de espaços para prática clínica da TO, nas oportunidades para realização de pesquisa clínica na área e na continuidade da prestação de serviço, o objetivo desse projeto de extensão é oferecer atendimento clínico terapêutico ocupacional à pacientes (crianças, adultos e idosos) com alteração motora decorrente de diferentes causas, que ocasionam déficits do desempenho ocupacional, proporcionando à comunidade o acesso ao serviço e aos alunos mais uma a possibilidade de praticarem a clínica da Terapia Ocupacional e o trabalho em equipe interprofissional.

Objetivo Geral

Objetivo Geral:

- Prestar serviço de Terapia Ocupacional à população de Pelotas, integrando a assistência à comunidade e a formação acadêmica, com a participação de estudantes do curso de Terapia Ocupacional.

Objetivos Específicos:

- Oferecer atendimento clínico terapêutico ocupacional à pacientes (crianças, adultos e idosos) com alteração motora decorrente de diversas causas, a partir do modelo biopsicossocial da CIF (OMS, 2003) e do modelo americano de terapia ocupacional (AOTA, 2020) como consolidação do aprendizado.
- Promover uma continuidade da prestação de serviço clínico de Terapia Ocupacional no Serviço Escola da Terapia Ocupacional da UFPel, no ambulatórios da Faculdade de Medicina da UFPel e nas Unidades Básicas de Saúde da UFPel.
- Ampliar a atuação prática dos alunos do curso de Terapia Ocupacional;
- Oportunizar a aprendizagem colaborativa e o trabalho em equipe interprofissional;
- Promover oportunidades de pesquisas sobre a influência das alterações motoras no desempenho ocupacional.

Justificativa

Indivíduos que sofreram algum trauma ou lesão física podem apresentar déficits no desempenho ocupacional. A dificuldade para realizar as atividades cotidianas pode fazer com que esses indivíduos coloquem sua segurança em risco ou muitas vezes, necessitam de cuidados de terceiros, perdendo assim a autonomia e independência. Visando o retorno da independência e autonomia desses indivíduos, o terapeuta ocupacional (TO) pode intervir para diminuir a incapacidade e maximizar a participação e retorno social desses sujeitos, sejam eles crianças, adultos ou idosos. Apesar da Terapia Ocupacional não ser uma profissão recente, na cidade de Pelotas ainda há poucos profissionais atuando na rede de saúde municipal, o que dificulta o acesso da comunidade à esse serviço e limita os cenários de atuação prática dos alunos do curso de Terapia Ocupacional da UFPel. Dessa forma, os atendimentos terapêuticos ocupacionais vinculados à Universidade Federal de Pelotas têm tentado cumprir seu papel de assistência à comunidade por meio de estágios clínicos supervisionados e projetos de extensão e pesquisa. Pensando no papel de vinculação universidade-comunidade; na prestação de serviço de TO à comunidade e na construção de espaços para prática clínica da TO, nas oportunidades para realização de pesquisa clínica na área e na continuidade da prestação de serviço, o objetivo desse projeto de extensão é oferecer atendimento clínico terapêutico ocupacional à pacientes (crianças, adultos e idosos) com alteração motora decorrente de diferentes causas, que ocasionam déficits do desempenho ocupacional, proporcionando à comunidade o acesso ao serviço e aos alunos mais uma a possibilidade de praticarem a clínica da Terapia Ocupacional e o trabalho em equipe interprofissional.

Metodologia

O projeto poderá ocorrer, a partir da demanda, nos serviços da Faculdade de Medicina que oferecem atendimentos de Terapia Ocupacional (Serviço Escola de Terapia Ocupacional, Setor de Fisiatria da Faculdade de Medicina da UFPel, Unidades Básicas de Saúde), em atendimentos semanais. A carga horária semanal será distribuída entre planejamento das sessões terapêuticas, discussões de procedimentos e manutenção dos registros das avaliações, evoluções nos prontuários e fichas individuais de acordo com o serviço, elaboração de propostas de intervenção, registros, análise e discussão de dados advindos da clínica integrados aos outros serviços clínicos/especialidades do serviço, aprofundamento teórico e apresentação de sessões clínicas semanais. Em serviços onde houver atuação de mais de uma profissão, a atuação em equipe será estimulada e as atividades descritas acima serão organizadas de forma interdisciplinar e interprofissional. Poderão participar de 4 a 6 estudantes do curso de Terapia Ocupacional, a partir do 2º semestre. Os alunos serão selecionados por meio de processo seletivo devidamente divulgado. Nas duas primeiras semanas de projeto, antes do início dos atendimentos, os alunos passarão por treinamento de aplicação das avaliações do serviço e ambientalização. Os atendimentos sempre estarão sob supervisão do docente coordenador do projeto ou de preceptores Terapeuta Ocupacional, e demais professores e profissionais poderão participar como colaboradores. Semanalmente, o projeto terá uma hora de discussão de casos, na qual os estudantes poderão discutir os procedimentos e técnicas baseados em evidências. Ao fim do semestre, os estudantes participantes poderão organizar juntamente com a coordenação do projeto, seminário ou roda de conversa sobre intervenções da Terapia Ocupacional em pacientes com alterações motoras aberto a todos os estudantes do curso de Terapia Ocupacional e demais cursos da área da saúde.

Indicadores, Metas e Resultados

Indicadores:
Número de atendimentos clínicos realizados durante o projeto.
Taxa de satisfação dos pacientes atendidos.
Taxa de adesão e frequência dos pacientes aos atendimentos.
Número de estudantes do curso de Terapia Ocupacional envolvidos no projeto.
Número de estudantes de outros cursos envolvidos na parceria.
Número de pesquisas realizadas sobre a influência das alterações motoras no desempenho ocupacional.

Metas:

Realizar um mínimo de 150 atendimentos clínicos durante o projeto.
Alcançar uma taxa de satisfação dos pacientes de, no mínimo, 90%.
Garantir uma adesão e frequência dos pacientes aos atendimentos de, no mínimo, 80%.
Envolver no mínimo 15 alunos do curso de Terapia Ocupacional no projeto.
Realizar, no mínimo, 3 pesquisas sobre a influência das alterações motoras no desempenho ocupacional.

Resultados esperados:
Melhoria da qualidade de vida dos pacientes atendidos.
Aumento da capacidade funcional dos pacientes atendidos.
Consolidação do aprendizado dos estudantes do curso de Terapia Ocupacional.
Fortalecimento da parceria entre a universidade e a comunidade.
Desenvolvimento de habilidades de trabalho em equipe e colaboração interprofissional entre os estudantes, docentes e profissionais.
Contribuição para o avanço do conhecimento na área da influência das alterações motoras no desempenho ocupacional, por meio das pesquisas realizadas.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CYNTHIA GIRUNDI DA SILVA11
DÉBORA DE SOUZA SIMÕES
LUELY CRUZ DA SILVA

Página gerada em 22/07/2024 02:47:49 (consulta levou 0.132025s)