Nome do Projeto
Utilização de Bacillus licheniformis e Bacillus subtilis na alimentação durante o periparto de vacas leiteiras e seus efeitos sobre parâmetros alimentares, comportamentais e produtivos
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
13/09/2023 - 31/12/2026
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Resumo
O Objetivo do presente estudo será avaliar a utilização dos Bacillus licheniformis e Bacillus subtilis (BovacillusTM) sobre parâmetros ruminais, alimentares, comportamentais, produtivos e de saúde de vacas leiteiras durante o período de transição. O experimento será realizado no setor leiteiro das Granjas 4 Irmãos, no qual serão utilizadas 90 vacas leiteiras da raça holandês, sendo 30 primíparas e 60 multíparas, acompanhadas dos 30 dias pré-parto até os 60 dias pós-parto, distribuídas em delineamento experimental inteiramente casualizados, divididas em 2 grupos, ambos compostos por 45 animais (15 primíparas e 30 multíparas): Grupo controle (GC, sem adição de aditivo, n=45); Grupo Bovacillus, (GB, 3g de BovacillusTM/animal/dia na TMR, n=45). Os animais serão ordenhados 3 vezes ao dia (6:00, 14:00 e as 22:00). A alimentação será fornecida duas vezes ao dia, às 9h e as 15h, estimando-se sobras de, aproximadamente, 5% de MS, com livre acesso a água. Cada animal será acompanhado por 90 dias. Após o parto será avaliada a qualidade do colostro das vacas através do refratômetro de Brix e congelada uma amostra. Uma vez por semana após o parto serão realizadas coletas de leite para avaliação de composição e qualidade (gordura, proteína, lactose e contagem de células somáticas). A produção de leite e consumo individual de alimento serão avaliados diariamente, através do sistema eletrônico de ordenha (DeLaval®) e alimentadores inteligentes (Intergado®), respectivamente, além da avaliação do comportamento animal, verificada por meio das coleiras de monitoramento da CowMed®. Serão realizadas coletas de sangue por punção da veia coccígea utilizando sistema Vacutainer (BD diagnostics, SP, Brasil) nos dias -30, -14, -4, 0, 4, 14, 30 e 60 em relação ao pré-parto e pós-parto, totalizando 8 coletas por animal. Estas para avaliação dos níveis séricos de glicose, lactato, NEFA, BHBA, cálcio, Albumina, haptoglobina, AST, GGT, insulina e leptina. Nos mesmos dias, serão coletadas amostras fecais diretamente do reto dos animais em sacos plásticos para análise de pH e amido. O pH fecal será medido imediatamente após a coleta com medidor de pH portátil, posteriormente as amostras serão armazenadas a –20 ° C até análise do amido fecal. Uma outra porção de fezes será armazenada em criotubos para análise posterior de microbioma fecal. Também serão coletados Swabs vaginais nos mesmos dias de coletas já citados e armazenados em nitrogênio líquido para posteriores análises de microbioma da secreção vaginal. Além disso serão realizadas pesagens e avaliação do escore de condição corporal (ECC). Durante o período experimental, amostras de silagem de milho e pré-secado serão semanalmente coletadas. Estas serão mantidas congeladas para posteriores análises bromatológicas (MS, PB, FDN, FDA, Lignina, EE, RM, Ca e P). Além disso, também serão coletadas semanalmente amostras da TMR no lote experimental. Estas serão mantidas congeladas para posterior análise bromatológica (MS, PB, FDN e FDA). Além da avaliação diária da MS da TMR. Todos os dados serão analisados usando o animal como unidade experimental, através do procedimento MIXED do JMP Pro 14, analisando grupo, dia e a interação entre grupo*dia, considerando como significativo quando P≤0,05.

Objetivo Geral

Avaliar a utilização dos Bacillus licheniformis e Bacillus subtilis (BovacillusTM) sobre parâmetros ruminais, alimentares, comportamentais, produtivos e de saúde de vacas leiteiras durante o período de transição.

Justificativa

O melhoramento genético e as modernas técnicas de manejo vêm tornando os animais cada vez mais produtivos, com isso as exigências nutricionais crescem, principalmente em momentos de desafios. As vacas leiteiras, em sua grande maioria durante o chamado período de transição que compreende os 21 dias pré-parto até 21 dias pós-parto passam por um balanço energético negativo, onde suas necessidades energéticas superam a capacidade de ingestão de alimentos, tornando estes animais susceptíveis a doenças (Chapinal et. al. 2011).
Os probióticos são alternativas para melhorar a digestibilidade e o aproveitamento dos nutrientes. Pan et. al, (2022), observou em seu estudo uma melhora na digestibilidade in-vitro da fibra e do amido de dietas contendo probióticos a base de Bacillus. Além disso os probioticos são microrganismos vivos que, quando fornecidos em quantidades adequadas, podem beneficiar a saúde do hospedeiro. Eles, colonizam o trato gastrointestinal e tornam-se parte da microbiota normal do hospedeiro (Spanová et al.,2015).
Os probióticos tem a capacidade de aumentar a atividade enzimática no trato gastrointestinal e melhoram a capacidade de digestibilidades de alimentos ingeridos pelo hospedeiro, um exemplo é com estudos em bezerros búfalas mostrou que a alimentação probiótica contendo Lactobaccillus acidophilus poderia garantir maior ingestão de matéria seca, eficiência de conversão alimentar diária e digestibilidade aparente de nutrientes em comparação ao grupo não suplementado (Sharma et al., 2018).
A utilização dos Bacillus licheniformis e Bacillus subtilis, é relatada em Bezerras com investigações relacionadas a saúde (Cull et. al., 2022), em bovinos de corte investigando efeitos em carcaça e perfil metabólicos (Dias et. al., 2022) e em vacas leiteiras avaliando questões relacionas a qualidade de leite (Oyebade et. al., 2022). Já o presente estudo irá avaliar além de parâmetros produtivos, também parâmetros relacionados ao comportamento animal e alimentar, assim como parâmetros zootécnicos, séricos e de microbioma fecal e vaginal, sendo dados de extrema importância, para entendermos os reais efeitos destes probióticos frente ao status produtivo, comportamental, e de saúde de vacas leiteiras durante o período de transição.

Metodologia

Serão utilizadas 90 vacas leiteiras da raça holandês, sendo 30 primíparas e 60 multíparas, acompanhadas dos 30 dias pré-parto até os 60 dias pós-parto, distribuídas em delineamento experimental inteiramente casualizados, divididas em dois grupos, ambos os grupos compostos por 45 animais (15 primíparas e 30 multíparas): Grupo controle (GC, sem adição de aditivo, n=45); Grupo Bovacillus, (GB, 3g de BovacillusTM/animal/dia na TMR, n=45). Os animais serão ordenhados 3 vezes ao dia (6:00, 14:00 e as 22:00). A alimentação será fornecida duas vezes ao dia, às 9h e as 15h, estimando-se sobras de, aproximadamente, 5% de MS, com livre acesso a água. Cada animal será acompanhado por 90 dias.
Logo após o parto será avaliada a qualidade do colostro das vacas através do refratômetro de Brix e congelada uma amostra. Duas vezes por semana após o parto serão realizadas coletas de leite para avaliação de composição e qualidade (gordura, proteína, lactose e contagem de células somáticas). A produção de leite e consumo individual de alimento serão avaliados diariamente, através do sistema eletrônico de ordenha (DeLaval®) e alimentadores inteligentes (Intergado®), respectivamente, além da avaliação do comportamento animal, verificada por meio das coleiras de monitoramento da CowMed®.
Serão realizadas coletas de sangue por punção da veia coccígea utilizando sistema Vacutainer (BD diagnostics, SP, Brasil) nos dias -30, -14, -4, 0, 4, 14, 30 e 60 em relação à estimativa do parto (pré-parto) e em relação ao parto (pós-parto), totalizando 8 coletas por animal. As amostras serão coletadas em dois tubos: um com fluoreto de sódio para obtenção de plasma para avaliar os níveis de glicose e lactato; e outro com sílica (ativador de coágulo) para obtenção do soro e realização das análises bioquímicas de NEFA, BHBA, cálcio, proteínas de fase aguda (Albumina, haptoglobina), enzimas hepáticas (AST e GGT), insulina e leptina.
Amostras fecais serão coletadas diretamente do reto dos animais nos dias -30, -14, -4, 0, 4, 14, 30 e 60 em sacos plásticos para análise de pH e amido. O pH fecal será medido imediatamente após a coleta com medidor de pH portátil, posteriormente as amostras serão armazenadas a –20 ° C até análise do amido fecal. Uma outra porção de fezes será armazenada em tubos falcon para análise posterior de microbioma fecal. Também serão coletados Swabs vaginais nos mesmos dias de coletas já citados e armazenados em nitrogênio líquido para posteriores analises de microbioma da secreção vaginal.
As pesagens de todos os animais, serão realizados nos dias -30, -14, -4, 0, 4, 14, 30 e 60, para avaliação da variação de peso, bem como avaliação do escore de condição corporal (ECC).
Durante o período experimental, amostras de silagem de milho e pré-secado serão semanalmente coletadas. Estas serão mantidas congeladas para posteriores análises bromatológicas (MS, PB, FDN, FDA, Lignina, EE, RM, Ca e P). Além disso, também serão coletadas semanalmente amostras da TMR no lote experimental. Estas serão mantidas congeladas para posterior análise bromatológica (MS, PB, FDN e FDA). Além da avaliação diária da MS da TMR.

Indicadores, Metas e Resultados

Com a realização deste estudo espera-se observar o quanto a utilização de um probiótico composto por Bacillus, pode influenciar no consumo, produção de leite e saúde de vacas leiteiras, durante o período de transição, auxiliando assim o produtor a melhorar sua eficiência e produtividade. Por fim espera-se que o probiótico adicionado a dieta, melhore a saúde e o desempenho destes animais, durante seu período de transição.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
BRUNA EMANUELE DA SILVA VELASQUEZ
CARLA AUGUSTA SASSI DA COSTA GARCIA
CLAUDIA FLAVIA SOARES JAKS
ELIZA ROSSI KOMNINOU
FRANCISCO AUGUSTO BURKERT DEL PINO
MARCIO NUNES CORREA1
MATHEUS WREGE MEIRELES BARBOSA
MURILO SCALCON NICOLA
RAFAEL SILVEIRA DA SILVA
STEFANE GABRIELA BORK SOARES
TEREZA CAXIAS DE OLIVEIRA
THAIS CASARIN BARBOSA
URIEL SECCO LONDERO
VIVIANE ROHRIG RABASSA4

Página gerada em 03/03/2024 02:09:13 (consulta levou 0.147276s)