Nome do Projeto
Análise e levantamento da qualidade da lã produzida no Rio Grande do Sul: Tecendo qualidade e fomentando a ovinocultura do Rio Grande do Sul para a sustentabilidade e geração de renda.
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
01/09/2023 - 01/08/2027
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Eixo Temático (Principal - Afim)
Tecnologia e Produção / Tecnologia e Produção
Linha de Extensão
Desenvolvimento tecnológico
Resumo
A indústria da lã vem se reerguendo, já que na crise da lã nas décadas de 80 e 90 muitas empresas fecharam e as que sobreviveram tiveram que se reinventar para continuarem abertas (BITTENCOURT et al., 2016). Recentemente, a preocupação com o ambiente vem crescendo, com isso aumento na busca por fibras naturais mais sustentáveis no mundo (SHAHID-UL-ISLAM; MOHAMMAD, 2016). Atualmente, o Departamento de Zootecnia está empenhado na qualificação do Laboratório, e com isso disponibilizaremos análises de rendimento de lã ao lavado, análises na amostra suja (caráter, suavidade, cor, resistência) e na amostra limpa (diâmetro). Uma demanda por parte dos produtores de ovinos quanto as avaliações e a qualidade da lã de seus rebanhos.

Objetivo Geral

Fortalecer a cadeia produtiva da ovinocultura, promovendo a valorização da lã como produto de qualidade, através do Laboratório de Lã da Universidade Federal de Pelotas, com pesquisas, serviços à comunidade e transferência de conhecimentos, visando o desenvolvimento sustentável do setor e a ampliação das oportunidades de mercado.

Justificativa

A produção de lã foi durante muitos anos o principal produto explorado, sendo entre as décadas de 1950 e 1960, a ovinocultura era uma das maiores riquezas de uma propriedade, sendo o quarto produto de maior exportação do Rio Grande do Sul. Com a crise do preço da lã entre os anos 1980 e 1990, os produtores rurais buscaram como alternativa para manter a viabilidade econômica a produção de carne (BONACINA, 2009).
Nesse período o preço pago aos produtores caiu de forma drástica (VIANA & SOUZA, 2007), os principais fatores para a ocorrência da desvalorização deste produto foram: altos estoques australianos de lã e a entrada de tecidos sintéticos no mercado, estes fatores somados ao fim da União Soviética e a instabilidade econômica do mercado asiático (NOCCHI, 2001). Com este cenário, houve a desestruturação da ovinocultura no Rio Grande do Sul e Uruguai, fazendo que muitas propriedades desistissem da atividade e tornando-a uma produção secundária, por consequência, houve uma redução drástica dos rebanhos ovinos, sendo essas áreas realocadas para a bovinocultura e agricultura (DIEA/MGAP, 2008). No entanto, a preocupação com o ambiente vem crescendo, com isso aumento na busca por fibras naturais mais sustentáveis no mundo (SHAHID-UL-ISLAM; MOHAMMAD, 2016).
Visando o menor consumo de energia, o uso sustentável dos recursos e a menor poluição necessária para produção da fibra natural comprada a sintética legitimam a volta da valorização de produtos como a lã. Para que a lã atinja melhores valores para a comercialização, remunerando o produtor de forma mais justa, é necessária a análise da qualidade do produto. No entanto, raros são os laboratórios que realizam estas análises.
Com a qualificação do Laboratório de Lã da Universidade Federal de Pelotas poderíamos tanto produzir pesquisa de qualidade para acrescentar informação aos programas de melhoramento de ovinos quanto à prestação de serviços à comunidade, como por exemplo, atender as cooperativas de lã, que necessitam de análise de rendimento de lã ao lavado para melhor inserção deste produto nos mercados especializados, especialmente no mercado internacional; e que atualmente, não encontram no estado laboratórios que realizem tal análise, o que evidentemente limita as oportunidades de mercado para este produto e traz prejuízos a toda cadeia produtiva. A qualificação do Laboratório também serviria de elo da comunidade docente com os produtores favorecendo a educação e transferências de tecnologias e conhecimentos para o setor produtivo.

Metodologia

O projeto será desenvolvido na Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel e pretende atingir toda a Região Sul do Estado.
Será realizado um levantamento inicial abrangente sobre a produção de lã na região, identificando os principais desafios e demandas dos produtores. Os próximos passos são:

1. Estruturação do Laboratório de Lã:
. Adequar e equipar o laboratório com os recursos necessários para realizar as análises de qualidade da lã.
. Capacitar uma equipe especializada para realizar as análises e interpretar os resultados.

2. Definição dos critérios de qualidade:
Realizar estudos e revisão bibliográfica para estabelecer os critérios de qualidade da lã, considerando parâmetros como finura, resistência, maciez, comprimento, entre outros.

3. Desenvolvimento de protocolos de análise:
. Elaborar protocolos padronizados para as diferentes análises a serem realizadas no laboratório, considerando as características específicas da lã.
.Documentar os procedimentos detalhados para garantir a reprodutibilidade e a confiabilidade dos resultados.

4. Treinamento da equipe:
.Realizar treinamentos teóricos e práticos para capacitar a equipe do laboratório nas técnicas de análise de qualidade da lã.
. Promover atualizações e workshops periódicos para manter a equipe atualizada sobre novas metodologias e avanços na área.
Coleta de amostras e análises:
. Estabelecer um processo de coleta de amostras representativas da produção de lã, garantindo a diversidade genética e a representatividade dos produtores da região.

5. Realizar as análises de acordo com os protocolos estabelecidos, registrando todos os dados relevantes e gerando relatórios de análise para cada amostra.

6. Prestação de serviços à comunidade:
. Estabelecer parcerias com cooperativas e produtores para oferecer serviços de análise de qualidade da lã, fornecendo relatórios e laudos técnicos.
. Manter uma comunicação aberta com os clientes, fornecendo orientações e sugestões para a melhoria da produção ovina e fatores que envolvem a qualidade da lã.
. Fomento de alternativas alimentares para melhoria do desempenho dos rebanhos.
. Promover a transferência de conhecimentos e tecnologias por meio de cursos, workshops e eventos, envolvendo a comunidade acadêmica, produtores e demais interessados.

7. Avaliação contínua e aprimoramento:
. Realizar avaliações periódicas do desempenho do laboratório, coletando feedback dos clientes e ajustando os processos conforme necessário, implementar melhorias contínuas nos processos e na qualidade das análises de lã, buscando sempre atender às necessidades da comunidade e acompanhar as tendências do mercado.

Indicadores, Metas e Resultados

Acompanhamento da qualidade da lã dos rebanhos ovinos dos produtores nas diferentes safras avaliadas.
Auxiliando na tomada de decisões para sua melhoria tanto na colheita da matéria prima quanto na avaliação final do produto.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CRISTIANO HAETINGER HUBNER3
FERNANDO AMARILHO SILVEIRA
FRANCO DE ALMEIDA OLLÉ
ISADORA PEREIRA LOPES
JOSIELE ALVES FICHTENHAGEN
LISANDRE DE OLIVEIRA
OTONIEL GETER LAUZ FERREIRA5
ROGER MARLON GOMES ESTEVES1
STEFANI MACARI5

Página gerada em 25/05/2024 17:28:51 (consulta levou 0.206290s)