Nome do Projeto
Serviço de Eletroencefalografia Pediátrica
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
01/12/2019 - 31/12/2020
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Eixo Temático (Principal - Afim)
Saúde / Saúde
Linha de Extensão
Saúde humana
Resumo
A epilepsia é definida como uma desordem do cérebro caracterizada por uma predisposição duradoura para gerar crises epilépticas. É a doença neurológica crônica mais prevalente no mundo, com cerca de 65 milhões de pessoas afetadas e a sua incidência na infância é mais do dobro do que a incidência no adulto. O diagnóstico das crises epilépticas é fundamentalmente clínico, mas sabe-se que existe uma alta taxa de erro diagnóstico, podendo chegar a 40% em alguns serviços. O eletroencefalograma (EEG) é uma ferramenta útil e primordial na avaliação das epilepsias e diagnóstico diferencial. Também é muito usado na avaliação de pacientes com transtornos do espectro autista. Trata-se de um método de relativo baixo custo e não invasivo, podendo ser utilizado tanto de forma ambulatorial como hospitalar. No entanto, para seu adequado uso, é necessário uma equipe especializada, composta de um técnico treinado para usar o aparelho e colocar eletrodos e um médico com formação em eletroencefalografia e epileptologia. Além disso, também é preciso um ambiente adequado para sua realização, caracteristicamente uma sala aterrada, com maca confortável, e climatizada, além de isolamento acústico, a fim de diminuir possíveis interferências ou artefatos e permitir que o paciente fique confortável durante a realização do exame, que na maioria das vezes requer uma fase em sono.

Objetivo Geral

Criar um serviço de eletroencefalografia ambulatorial para atender pacientes pediátricos

Justificativa

Existe alta demanda deste exame em nosso ambulatório. Atualmente, fazemos cerca de 1800 atendimentos por ano no ambulatório de neuropediatra, sendo destes 1/3 exclusivamente de epilepsia e 1/3 de autismo (distúrbio que muitas vezes requer a realização de EEG).
Muitos pacientes tem seu diagnóstico atrasado devido à demora para a realização deste exame via prefeitura, que muitas vezes é de baixa qualidade.
Possuímos, em nosso serviço, profissional com capacitação em EEG e epilepsia (Professora Dra Luiza Magalhães).
Além disto, a pediatria dispõe, desde 2014, de aparelho para registro destes exames da marca Nihon Kohden (adquirido por outro projeto de extensão), que vinha sendo usado até o final de 2016 (mais de 300 exames realizados e laudados), quando a técnica responsável foi demitida, sem haver reposição desta profissional até o ano de 2019, quando foi realocada profissional habilitada (técnica Ceni Rodrigues Borges).

Metodologia

Os pacientes do ambulatório de neuropediatria e pediatria geral serão encaminhados ao Núcleo de Neurodesenvolvimento para agendar os exames, com requisição por escrito do médico assistente.
O EEG será agendado pelo secretário do serviço ou pelas professoras da neuropediatria (Dra Luiza Magalhães e Dra Juliana Maia).
O EEG será realizado no aparelho Nihon-Kohden Neurofax 1200, em sala destinada para este fim , localizada no Núcleo de Neurodesenvolvimento, pela técnica responsável e posteriormente laudado pela professora Luiza Magalhães.
O resultado será anexado ao prontuário do paciente e uma cópia fornecida aos pais ou responsáveis legais pela criança.

Indicadores, Metas e Resultados

Poderão ser realizados até 4 EEGs por turno, assim que tivermos técnico em EEG à disposição.
Espera-se com isso uma maior agilidade na realização dos EEGs, com melhora na qualidade dos laudos e no atendimento da população pediátrica com doença neurológica.
Além disso, os alunos de gradução e residentes da pediatria que tem estágio no Núcleo de Neurodesenvolvimento poderão ter contato com esta modalidade diagnóstica, podendo gerar futuramente projetos de pesquisa e publicações para o serviço.

Página gerada em 05/12/2020 11:47:29 (consulta levou 0.150697s)