Nome do Projeto
Práticas pedagógicas e identidades profissionais nas interfaces curriculares do ensino da Anatomia Humana para as graduações da área da saúde
Ênfase
ENSINO
Data inicial - Data final
04/05/2015 - 30/12/2016
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Biológicas - Morfologia - Anatomia Humana
Resumo
A formação de profissionais da área de saúde no Brasil, em nível superior, acontece em diferentes contextos curriculares, com forte tendência à Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP), ao ensino clínico e com emersão da proposta de ensino voltada ao Sistema Único de Saúde (SUS) desde o início da graduação (KANG; JORDAN; PORATH, 2009; SANTOS; LEITE, 2011). Ainda cabe citar inúmeros espaços de aprendizado multiprofissional como acontece nas Residências integradas em saúde. Esta forma de ensino possibilita aprendizado compartilhado em nível de especialização e o exercício interdisciplinar em saúde. Estas realidades, entre tantas, repercutemtambém nas formações básicas dos profissionais de saúde. Nesta perspectiva, a formação básica em saúde desenvolve a morfologia e a fisiologia do corpo humano para fins específicos a cada curso de graduação por meio das disciplinas de Anatomia Humana, Histologia, Anatomia do Desenvolvimento, Fisiologia Humana e Farmacologia. A formação de qualidade nas instituições de ensino superior, com novas propostas curriculares e desenvolvidas em diferentes estágios, aproxima o estudante da busca pelo saber e o tem como protagonista da sua história acadêmica, exigindo habilidades cognitivas e operacionais sustentadas pela ética e o comprometimento teórico-prático (ITO; PERES; TAKAHASHI, 2006). As profissões da saúde receberam influências das concepções históricas enfaticamente limitadas tais como o mecanicismo, o biologicismo, o individualismo, a super-especialização e a tecnificação, herdadas das tradições biomédicas (ROESE; SOUZA; PORTO, 2005). Isso corrobora para desenvolver-se uma visão mais crítica a respeito do ensino profissional, contribuindo com as atuais necessidades de interdisciplinaridade voltadas a globalização (SANTOMÉ, 1998; MALVÁREZ, 2007). Porém, Guareschi (2005) afirma que essa perspectiva global está há muito já sendo desenvolvida na ciência, independente da constituição curricular vigente da instituição de ensino. O processo de elaboração das diretrizes curriculares para os cursos de graduação, desencadeado pelo Ministério da Educação e Cultura e pelo Conselho Nacional de Educação em 1997, insere-se numa adaptação das universidades às novas exigências dos organismos internacionais, visando adequar a formação de profissionais ao atendimento das demandas de um mercado globalizado (LOPES, 2006). A disciplina de Anatomia Humana do Departamento de Morfologia (DM), Instituto de Biologia (IB), da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) atualmente acolhe os estudantes de diversos colegiados de cursos no início das suas respectivas formações, tais como: Medicina, Odontologia, Enfermagem, Educação Física, Ciências Biológicas, Terapia Ocupacional, Psicologia, Farmácia e Nutrição. Neste cenário, prepondera a formação de profissionais de saúde em nível superior. Então, o início da formação destes profissionais perpassa pelo estudo morfológico do corpo humano. Os diálogos multiprofissionais, interdisciplinares e contextualizados ao ensino clínico são exigências entre os próprios professores e os alunos. A equipe docente que atende esta demanda acadêmica é formada por oito docentes, desenvolvendo aulas teóricas seguidas de práticas laboratoriais, diariamente, nos três turnos e com a predileção do ensino prático em pequenos grupos. Neste processo, presencia-se ricas discussões sobre as formas de ensinar em cada curso, diálogos curriculares com os estudantes em classe e encontros pedagógicos na sala de preparação das aulas. Como mestrando, sob orientação da professora Dra. Maria Cecília Lorea Leite, foi possível uma imersão na realidade curricular da Faculdade de Enfermagem/UFPel com o objetivo de pesquisar a avaliação da Simulação clínica. Esta recente experiência foi uma ótima oportunidade para aprofundar o estudo na área da Educação e, neste sentido, possibilitou-se observar a complexidade de contextos e regionalizações que fazem o dispositivo pedagógico ter uma identidade própria e ser uma riqueza para os estudos pedagógicos. Atualmente, ao ministrar aulas de Anatomia Humana no DM/IB/UFPel, foi possível perceber também o quanto é importante conhecer as especificidades do currículo de cada curso e assim buscar uma aproximação das reais necessidades de formação do profissional de saúde que aquela graduação pretende atingir em sua opção profissional. A participação no XLVIII Congresso Argentino de Anatomia, em outubro do corrente ano, denotou que a funcionalidade do conhecimento morfológico para as funções da vida é característica das novas problematizações do ensino em saúde, incluindo as ciências básicas como a Anatomia Humana. Além disso, com o olhar das teorizações de Bernstein (1990; 1996; 2000; 2003) e de Ball (1994; 2001), percebe-se que os estudantes acolhidos no ensino superior na disciplina de Anatomia Humana vivenciam distintas realidades curriculares de ensino fundamental e médio, interferindo no dispositivo pedagógico de diferentes formas recontextualizadas. Alguns demonstram uma certa familiaridade com o conhecimento básico das ciências biológicas e outros praticamente nenhuma. Esta situação influencia as regras distributivas e avaliativas do dispositivo pedagógico. Assim, emergem questionamentos: (a) haveria uma necessidade de estes estudantes em nível superior conhecerem previamente um pouco, bastante ou nada sobre o conhecimento morfofuncional do corpo humano? (b) o que ajudaria na vida desses educandos conhecerem sobre o corpo humano antes de entrarem no ensino superior? Portanto, o perfil do adquirente neste contexto inicial do ensino superior na disciplina de Anatomia Humana é marco fundamental que também instiga esta investigação. A partir da participação enquanto monitor em Anatomia Humana e, atualmente, na vivência docente que entusiasma a cada dia de trabalho no Departamento de Morfologia, surgiu a necessidade de aprofundar os estudos entre a educação profissional em saúde, as orientações curriculares, as identidades profissionais e o trabalho docente. Neste sentido, o projeto de ensino visa ao estudo das interlocuções entre as práticas pedagógicas e curriculares em Anatomia Humana e recontextualização das identidadesprofissionais em saúde com o intuito de começar a elaboração de materiais bibliográficos em Anatomia Humana específicos para cada área da saúde. O estudo e a revisão das práticas pedagógicas em Anatomia Humana voltado para as perspectivas da educação profissional em saúde, assim como das dinâmicas curriculares e das identidades profissionais da área da saúde são as interfaces que cerceiam o projeto de ensino apresentado. A teorização de Basil Bernstein sensibiliza o docente para compreender o dispositivo pedagógico. Com a inspiração da alma investigativa em Bernstein, observou-se que os diálogos cotidianos com os demais colegas docentes do DM inquietam as classificações e os enquadramentos dos discursos reguladores e instrucionais das disciplinas de Anatomia Humana para cada área da saúde. As inquietações se sobrepõem aos anseios pedagógicos de aperfeiçoamento docente e demonstram a necessidade de recontextualizar os dispositivos pedagógicos e o trabalho docente na formação em saúde tendo como base as identidades profissionais de cada área da saúde e as respectivas especificidades curriculares imersas num contexto de mundo globalizado. A necessidade de ter critérios de seleção de materiais didáticos e a possibilidade de elaboração e/ou adequação de referenciais bibliográficos seguros e específicos voltados a cada área profissional com a finalidade da aplicabilidade funcional do conhecimento é uma das intenções que mobilizam o corpo docente da Anatomia Humana. Os paraefeitos deste cenário instigam vários questionamentos: (a) de uma certa forma, será que isto poderia estabilizar os discursos instrucionais e reguladores?; (b) ou, simplesmente, a Anatomia Humana é ministrada para todos os cursos da mesma forma, a morfologia pura?; (c) estas inquietações afetam as práticas pedagógicas?; (d) como a reverberação destas práticas pedagógicas atingem as identidades profissionais e curriculares?; e, (e) como se dará a seleção e a elaboração de materiais bibliográficos em Anatomia Humana para cada especificidade da área de saúde? Com estas ideias o estudo almeja contribuir para organizar os dispositivos pedagógicos da Anatomia Humana em níveis adequados aos currículos e às identidades profissionais porque a morfologia perpassa as mais diferentes áreas da saúde em variantes discursivas unidirecionais e também multidirecionais. Assim, o presente estudo precisará do recurso científico da pesquisa pedagógica para contribuir com o aperfeiçoamento do ensino em Anatomia Humana. O professor de anatomia Dr. Mario San Martin, durante a explanação sobre os modelos pedagógicos para o ensino em anatomia no Congresso Argentino de Anatomia, denotou que há uma sensação permanente por parte dos docentes que o aluno não estuda. Do outro lado, a participação nas aulas teórico-práticas em Anatomia Humana tem possibilitado um espaço reflexivo ideativo levando a pensar que o ensino da Anatomia tem como recurso o estudante como centro da atenção. Nas atividades da sala de aula em Anatomia Humana aparecem estas divergências, caracterizando cenários dinâmicos e que, em várias instâncias, envolvem as práticas pedagógicas, as interfaces curriculares, as identidades profissionais e os dispositivos pedagógicos. Pode-se perceber que as observações dos estudantes neste contexto obnubilado inquietam a alma desse projeto de ensino. Nesta perspectiva, o adquirente é contemplado também como foco da investigação, percebendo que a reverberação das suas ações são partes integrantes da relação ensino-aprendizagem que se estabelece nas práticas pedagógicas. Com a certeza da busca pelo entendimento no campo da educação e da pedagogia, esse projeto de ensino pretende dar a significativa importância ao processo ensino-aprendizagem da Anatomia Humana. A diversidade de formações profissionais na área da saúde tem a Anatomia Humana como base científica. E nesse sentido, o ensino morfológico do corpo humano precisa responder às necessidades curriculares, pedagógicas, profissionais, como também contemplar as exigências de um mercado de trabalho globalizado. A seleção e a elaboração de materiais didáticos e de referenciais bibliográficos em Anatomia Humana, adequados a cada área profissional, visam qualificar a formação dos profissionais em saúde. PRESSUPOSTOS • Os conhecimentos integrados das Ciências da Vida através da Anatomia Humana, Fisiologia, Bioquímica, Microbiologia, Parasitologia, Imunologia, podem contribuir para a formação profissional mais alicerçada na prática clínica e interdisciplinar. • A busca da interdisciplinaridade e da proposta holística/integral ao estudo da morfologia para as graduações da área da saúde pode contribuir para a formação profissional de forma abrangente, coerente às necessidades profissionais e humanas da saúde. • O método de ensino baseado em problemas reais de saúde conduz o aluno ao desenvolvimento do pensamento crítico e da capacidade de aprender. • A disciplina de Anatomia Humana no DM/IB/UFPel, através da construção do conhecimento em pequenos grupos nas aulas práticas, promove o desenvolvimento da habilidade de trabalhar em grupo, eJustificativa Circunstanciada Objetivo Geral Objetivos Específicos também estimula o estudo individual no contexto clínico. • No trabalho em pequenos grupos, como acontece nas aulas práticas, o professor atua como facilitador e tem a oportunidade de conhecer bem os estudantes e de manter contato com eles durante todo o curso. • A Informática é uma ferramenta importante do processo ensino-aprendizagem da Anatomia Humana (NICHOLSON et al, 2006). • O ensino da Anatomia Humana voltado a cada área da saúde é capaz de promover a formação de profissionais de saúde envolvendo o ensino clínico baseado em problemas, as bases das especificidades profissionais de cada área e a inserção num mercado de trabalho globalizado. • A utilização de materiais didáticos adequados e de referencias bibliográficos em Anatomia Humana adequados a cada área profissional assegura um processo ensino-aprendizagem mais qualificado.

Objetivo Geral

Compreender a disciplina de Anatomia Humana a partir do estudo das práticas pedagógicas
desenvolvidas nas interfaces curriculares das distintas identidades profissionais das graduações da área
da saúde.

Justificativa

A questão de pesquisa no projeto de ensino: a intervenção
Tendo em vista que a pesquisa-intervenção participante procura envolver os saberes, o fazer cotidiano dos sujeitos e
oportunizar processos reflexivos da própria prática educacional, esse projeto de ensino será orientado inicialmente pela
seguinte intenção e questão de pesquisa no projeto de ensino:
Como se desenvolvem as práticas pedagógicas em Anatomia Humana nas interfaces curriculares das diversas
identidades profissionais das graduações da área da saúde?
Também, Kuper e D'Eon (2010) e Schrewe (2013), ao afirmar que a educação médica chegou a outro ponto de inflexão
em sua história, ressignificando o paradigma flexneriano, sugerem que os educadores devem progredir além de ajustes
com o conteúdo do currículo atual e re- imaginar totalmente baseado na
tipos de saberes sociais , científicas e humanas mediadas bio- científica que os profissionais de saúde, entre eles,
médicos,
precisam realmente promulgar todos os seus papéis nos contextos sociais, políticos e culturais específicos em
que trabalham.
Outro argumento que repercute para a execução do projeto de ensino é que, em certas condições, a aprendizagem
problematizadora é mais eficaz do que as estratégias de aprendizagem tradicionais (SHIN; KIM, 2013).
O projeto de ensino também está sendo justificado ao visar colaborar para o aprofundamento do processo de
democratização educacional na formação de profissionais de saúde, tendo em vista que as tecnologias educacionais,
os dispositivos online, os ambientes virtuais de aprendizagem, incluindo as formações à distância, não estão
alcançando os mais desfavorecidos, especialmente nos países como o Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.
Nesses países, quase 80% dos estudantes que operam com a tecnologia à distância na sua formação se caracterizam
como os mais ricos e mais bem-educados dos 6% da população (EMANUEL, 2013, p.342). O estudo ainda ratifica que
um melhor acesso à tecnologia e à melhoria da educação básica são necessários em todo o mundo antes das
tecnologias online ou Massive Open Online Courses (MOOC) poder realmente viver até sua promessa.

Metodologia

REFERENCIAL TEÓRICO
Com a finalidade de contribuir para a compreensão inicial deste estudo, ter-se-á como marco teórico os referenciais da
Análise do Ciclo de Políticas de Sthephen Ball (BALL, 1994; 2001) e as teorizações de Basil Bernstein (BERNSTEIN,
1990, 1996, 2000, 2003), como os conceitos de recontextualização, de enquadramento, de classificação e, sobremodo,
do dispositivo pedagógico. A Teoria do Discurso de Laclau e análise social (LACLAU; MOUFFE, 2004; MENDONÇA,
2009) serão também partes integrantes do marco teórico.
A prática pedagógica é considerada, na teoria bernsteiniana, um contexto social fundamental por meio do qual se
realiza a reprodução e a produção culturais. Basil Bernstein optou por centrar-se nas regras subjacentes que
configuram a construção do discurso pedagógico e suas diversas práticas, por entender que a teoria sociológica tem
muito de metateoria e poucas contribuições quanto a princípios específicos de descrição (SANTOS, 2003). Bernstein
(2000, p.36) afirma que se detém em analisar como se elabora um texto pedagógico, as regras de sua construção,
circulação, contextualização, aquisição e mudança.
Ao se utilizar as regras do dispositivo pedagógico de Bernstein como referencial para este estudo, pretende-se estudar
as formas como os códigos pedagógicos regulam ou distribuem as identidades curriculares (ROSA, 2007, p.76),
possivelmente, de modo a contribuir para caracterizar a avaliação em questão junto às necessidades da formação
profissional para a graduação em Enfermagem e de acordo com a proposta curricular em análise.
À interface de Bernstein (2000), aliam-se também, como referencial teórico, os contextos do Ciclo de Análise das
Políticas, apresentados por Ball (1994) e que havia sido preliminarmente desenvolvida em Bowe, Ball e Gold (1992). É
uma estratégia analítica que fornece mecanismos que ligam e traçam as origens, as possibilidades discursivas de uma
política, bem como as intenções embutidas na política, as respostas e os efeitos desta mesma.
Ao considerar que a Anatomia Humana envolve diferentes contextos em projetos político-pedagógicos e curriculares
distintos, em que esta política está sendo recontextualizada na realidade curricular de cada curso e, que a disciplina de
Anatomia Humana está sendo recontextualizada nessas identidade curriculares, a teorização em Ball (1994) destacase
como uma ferramenta metodológica e analíticapotencial nesse trabalho investigativo.
Mainardes (2006), um dos pesquisadores brasileiros que utilizam essa estratégia analítica, revela que ela articula os
contextos dos processos de formulação de uma política. Dessa forma, apresenta-se como uma ferramenta
metodológica fundamental, inclusive para a análise educacional.
Neste sentido, Ball (1994), buscando dar uma estrutura conceitual ao método de trajetória da política, descreve três
contextos da construção da política: o contexto de influência, o contexto como produção do texto da política e o(s)
contexto(s) da prática. O autor argumenta que cada contexto apresenta um determinado número de espaços de ação,
envolvendo esforços, lutas, conflitos, comprometimento e ad hocery.
De maneira sintética, Ball (1994) explicita que a análise do ciclo de políticas deve alcançar uma compreensão quanto
aos resultados globais e locais da política, baseando-se na interpenetração dos relacionamentos repressivos e/ou
mediadores.
Para exemplificar a opção pelos referenciais teóricos no estudo, há trabalhos de pesquisadores realizados com base na
articulação das teorizações de Stephen J. Ball e de Basil Bernstein. Entre eles, cita-se: Leite e Pacheco (2008), Lopes e
Macedo (2002), Lopes (2006) e Hypolito et al (2008).
Nesse sentido, as teorizações sobre a análise de imagens utilizando o Metódo Documentário de Ralph Bohnsack
também se constituirá como parte integrante do projeto de ensino.
Metodologia
Tipo de Estudo
O projeto de ensino terá como embasamento metodológico o estudo de caso por meio de uma investigação-ação
educacional, apresentando caráter qualitativo, exploratório e participante (BOGDAN; BIKLEN, 1994; GIL, 1996;
MINAYO et al, 1998; MION, 2002; MELLO, 2005).
O estudo de caso consiste na observação detalhada de um contexto, ou indivíduo, de uma única fonte de documentos
ou de um acontecimento, podendo ter graus de dificuldade variáveis (BOGDAN; BIKLEN, 1994). A investigação-ação
educacional pressupõe a dialogicidade, a problematização, a colaboração, a intenção, a interlocução entre teoria e
prática, a própria prática como objeto de investigação e o método científico. Ela prevê as etapas de planejamento,
ação, observação e reflexão (MION, 2002; MELLO, 2005).
Alicerçando-se inicialmente nesses marcos metodológicos, pretende-se construir ativamente, em conjunto, discussões
acerca dessas propostas de práticas pedagógicas, currículos integrados, ensino interdisciplinar e identidades
profissionais. Para isso, pretende-se trabalhar em conjunto com os docentes e discentes da Anatomia Humana do
Departamento de Morfologia da Universidade Federal de Pelotas.
Local de estudo e sujeitos do Estudo
A projeto de ensino será realizada no Departamento de Morfologia, Instituto de Biologia da Universidade Federal de
Pelotas.
Os sujeitos do estudo serão os docentes e os discentes ingressantes no primeiro semestre dos cursos de Medicina,
Odontologia, Enfermagem, Educação Física, Nutrição, Farmácia, Psicologia, Ciências Biológicas e Terapia
Ocupacional. Para fins de participação no projeto de ensino, durante o primeiro e segundo semestre do ano de 2014 ,
pretende-se acompanhar de forma participante os grupos de acadêmicos das disciplinas de Anatomia Humana na
medida da disponibilidade e aceite pelos docientes e discentes na participação do projeto de ensino.
Como critérios de inclusão no estudo, os sujeitos terão que se enquadrar de acordo com o explicitado a seguir: na
condição de acadêmico, estar devidamente matriculado e cursando a disciplina de Anatomia Humana; e, na condição
de docente, estar participando como professor da disciplina de Anatomia Humana no Departamento de Morfologia.
Neste sentido, poderão participar do projeto de ensino, os acadêmicos interessados em participar das reflexões,
ensaios, aprofundamentos pedagógicos e científicos na interface da intervenção.
Aos participantes do estudo será assegurado o sigilo, o anonimato e o direito de recusa ou desistência durante
qualquer etapa do estudo, e o livre acesso aos dados quando for do seu interesse. Serão também respeitados seus
valores morais, culturais e espirituais, sem que ocorresse julgamento de nenhuma ordem por parte do autor.
Instrumentos de análise dos dados e avaliação
Para esta intervenção serão possivelmente utilizados os seguintes instrumentos para a coleta de dados:Referências Bibliográficas
O presente projeto de ensino apresentado pretende contribuir para compreender e aperfeiçoar as
práticas pedagógicas da Anatomia Humana contextualizadas às identidades profissionais e ao ensino
voltado às necessidades de um mundo e de um mercado tecnológico e globalizado.
As interfaces do processo ensino-aprendizagem analisadas nesta intervenção pedagógica
também serão artefatos que contribuirão para a construção do projeto educacional do Laboratório de
Ensino Anatomoclínico Interativo.
Resultados e Impactos esperados
entrevista semi-estruturada individual e coletiva, observação participante, diário de campo e pesquisa documental.
A análise e a avaliação será desenvolvida durante toda a intervenção através de teorizações progressivas em um
processo interativo com a coleta de dados que, segundo Alves-Mazzotti e Gewandsznajder (1998, p.170), esta ocorre
por meio de um processo continuado em que se procura identificar dimensões, categorias, tendências, padrões,
relações, desvendando-lhes o significado. O projeto de ensino apresentado é considerado como uma contínua
intervenção pedagógica que necessita constantemente ser avaliada e revista. Neste sentido, acredita-se que a
atividade necessitará de um prazo de prorrogação além do prazo limite máximo estabelecido pelo COCEPE.
Embora se caracteriza como um projeto de ensino, o projeto teve modificações pertinentes sugeridas pelo Comitê de
Ética em Pesquisa da Faculdade de Medicina da UFPel, via Plataforma Brasil (CAAE:09087712.0.0000.5317). O envio
ao CEP teve a pretensão de evitar conflitos e indesejáveis complicações éticas e legais quanto à participação dos
sujeitos, acadêmicos ingressantes envolvidos nas graduações da Universidade. Nesse sentido, percebeu-se que as
análises vieram a aprimorar os recursos potenciais do projeto, especialmente a metodologia científica que dele se
constitui como elemento norteador das atividades. Assim, as atividades tiveram esse incremento de aprofundamento e
necessidade de revisão da literatura a fim de consolidar as retificações exigidas.

Resultados Esperados

O presente projeto de ensino apresentado pretende contribuir para compreender e aperfeiçoar as
práticas pedagógicas da Anatomia Humana contextualizadas às identidades profissionais e ao ensino
voltado às necessidades de um mundo e de um mercado tecnológico e globalizado.
As interfaces do processo ensino-aprendizagem analisadas nesta intervenção pedagógica
também serão artefatos que contribuirão para a construção do projeto educacional do Laboratório de
Ensino Anatomoclínico Interativo.

Indicadores, Metas e Resultados

A partir do Relatório Final de 2014, dar-se-á a formalização da solicitação de continuidade do projeto de ensino, voltando a atender elementos que, porventura, estejamos ainda em consolidação, como a formação anatomoclínica em saúde, o ensino tridimensional em anatomia humana voltando à clínica médica e da área da saúde e a construção de recursos tecnológicos que visam a assegurar a construção individual e coletiva de mapas conceituais dinâmicos como elementos formadores e como produto de construção própria dos adquirentes dentro do dispositivo pedagógico. São desafios a considerar a serem enfrentados no sentido de aperfeiçoamento docente, diálogo curricular dentro de perspectivas conservadoras e inovadoras que somam ao ensino problematizador em saúde.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ADEMAR FONSECA204/05/201530/12/2016
ALISSON ANDRE ROBE FONSECA204/05/201530/12/2016
ANTONIO CESAR BORTOWISKI ROSA LEITES204/05/201530/12/2016
CAMILA QUINTANA DE CANTO416/03/201630/12/2016
CARLOS ALBERTO ALVES TAVARES204/05/201530/12/2016
CAROLINE CRESPO DA COSTA204/05/201530/12/2016
CRISTIANE DOS SANTOS OLIVEIRA2004/05/201530/12/2016
ELIARA BIRGIMANN GOMES410/08/201607/12/2016
GABRIEL VITOLLA DOS SANTOS411/08/201523/12/2015
MARCIO OSORIO GUERREIRO204/05/201530/12/2016
MARIA CECILIA LOREA LEITE204/05/201530/12/2016
MARINA BORGES LUIZ414/05/201529/04/2016
MATEUS CASANOVA DOS SANTOS604/05/201530/12/2016
NATHALIA DE SOUZA PINHEIRO411/11/201530/12/2016
PAMELA PEREIRA MOURAO404/05/201530/12/2016
RENATO AZEVEDO DE AZEVEDO204/05/201530/12/2016
ROSANA MENDONCA DE SOUZA204/05/201530/12/2016
SABRINA RIBEIRO FARIAS2016/03/201630/12/2016
VICTOR HUGO PEREIRA COELHO606/03/201630/12/2016

Página gerada em 17/07/2019 05:59:28 (consulta levou 0.139122s)