Nome do Projeto
Helmintos de animais silvestres: caracterização molecular, discriminação e análises filogenéticas baseadas nos genes mitocondriais e ribossômico nucleares
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
28/02/2014 - 28/02/2018
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Biológicas - Parasitologia
Resumo
O tamanho pequeno e a escassez de características taxonômicas faz a identificação de muitos helmintos ser uma tarefa difícil. Através da biologia molecular, uma série de marcadores genéticos foi desenvolvida para identificação específica e o estudo da variação genética de helmintos. Duas regiões genômicas têm sido rotineiramente caracterizadas entre táxons de parasitos: o conjunto RNA ribossômico nuclear (RNAr) e o genoma mitocondrial. Os genes ribossômicos são alvos úteis porque são abundantes no organismo e são altamente conservados, mas diagnosticamente, variações úteis são encontradas tanto em regiões discretas dos genes como no comprimento e sequências das regiões espaçadoras. Os espaçadores transcritos internos (ITS) do RNAr são sujeitos a menos pressão evolucionária e mostram mais divergência de sequências que regiões codificadoras e tem sido propostos como alvos para tipagem molecular. Sequências ribossômicas de ITS1 e ITS2 são os marcadores mais comumente usados para discriminar entre espécies de nematódeos. Genes mitocondriais são amplamente usados em estudos de genética populacional e filogenia e já foram sequenciados em várias espécies de parasitas. Variabilidades presentes em genes mitocondriais de evolução rápida são úteis na investigação de táxons que divergiram em tempos geológicos mais recentes. O DNAmt pode ser a melhor escolha para aplicações em que se está usando sequência de dados em um pequeno número de indivíduos em busca de potenciais espécies crípticas. Por outro lado, o espaçador transcrito interno permanece a ser uma excelente ferramenta para o diagnóstico de DNA (rápida distinção entre espécies conhecidas) devido a seu baixo nível de polimorfismo intraespecífico. Considera-se ainda que genes nucleares sejam geralmente mais conservados que genes mitocondriais. São, portanto, mais indicados para análises da diversidade e relacionamentos acima do nível de espécie. Apesar do uso intensificado desses marcadores, a maioria dos trabalhos refere-se principalmente a espécies de interesse médico e veterinário. Assim, dada a diversidade de espécies de helmintos oriunda de diversos estudos e a inópia de conhecimento sobre a diversidade genética desses organismos, buscamos fazer a caracterização molecular das espécies mais intimamente relacionadas através de marcadores de DNA mitocontrial e ribossômico nuclear, bem como descrever ou identificar novas espécies com base no conhecimento de DNA oriundo dos estudos desse projeto.

Objetivo Geral

Sequenciar as unidades ATP sintase-subunidade 6 e 12S dos genes mitocondriais;
Sequenciar as unidades ITS-2 e 28S do gene ribossômico nuclear;
Estabelecer relações filogenéticas intra- e interespecíficas entre as espécies de cada grupo de helmintos (nematódeos, trematódeos, cestódeos e acantocéfalos);
Estudar as variações genéticas nas populações de parasitos;
Colaborar com depósitos de sequências de DNA, como o Genbank (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/), EBI (http://www.ebi.ac.uk/) e DDBJ (http://www.ddbj.nig.ac.jp/);
Conhecer e divulgar a diversidade genética das espécies de helmintos parasitos de animais silvestres do Sul do Brasil;
Gerar produção intelectual qualificada, incluindo artigos e trabalhos em eventos;

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALICE GRACIELA RODRIGUEZ SUAREZ1028/02/201428/02/2015
KARINA RIBEIRO DE SOUZA1228/02/201430/12/2016
MÁRCIA RAQUEL PEGORARO DE MACEDO4028/02/201430/09/2015
SIBELE BORSUK1528/02/201428/02/2018
SIMONE SCHEER1001/03/201628/02/2018
TATIANA CHEUICHE PESENTI428/02/201429/02/2016
TATIELE DE AGUIAR LOPES SOARES1228/02/201430/12/2016
THAINÁ DUTRA VIEIRA1028/02/201429/02/2016
UILA SILVEIRA DE MEDEIROS1228/02/201429/02/2016

Página gerada em 10/08/2022 02:57:16 (consulta levou 0.046234s)