Nome do Projeto
Propriedades nutricionais e funcionais de hidrolisados protéicos de farelo de arroz
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
07/06/2014 - 07/05/2016
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências da Saúde - Nutrição
Resumo
De acordo com dados do Instituto Rio Grandense do Arroz (IRGA) e da Companhia Nacional do Abastecimento (CONAB), o Estado do Rio Grande do Sul é responsável, em média, por 70% da produção nacional de arroz. O maior número de indústrias de arroz entre os Estados brasileiros está localizado no Rio Grande do Sul e, particularmente, nas regiões Sul e Fronteira Oeste. Uma vez que o consumidor brasileiro prefere arroz branco e bem polido, as indústrias intensificam a operação de polimento até cerca de 10% de remoção de farelo, produzindo uma ampla quantidade de farelo. Rico em proteínas, fibras e gordura, o farelo é instável ao armazenamento e apresenta características organolépticas indesejáveis em virtude do elevado teor de gordura e fibras. A extração da proteína para modificação enzimática parece uma alternativa viável para agregar valor a este subproduto da indústria de arroz. A modificação da proteína do farelo permitirá a utilização desta fonte como ingrediente rico em capacidade antioxidante para o preparo de alimentos com excelentes propriedades nutricionais. Além disso, a hidrólise em condições específicas permitirá a obtenção de materiais com alta capacidade emulsificante e hidrofobicidade, ampliando as possibilidades de uso da proteína do farelo de arroz como ingrediente na indústria de alimentos. Com base nisso, acredita-se que o presente projeto poderá servir como base para nortear profissionais autônomos, cientistas e industriais que buscam alternativas nobres para agregar valor à proteína do farelo de arroz. Este estudo permitirá o avanço no conhecimento científico referente ao preparo de hidrolisados proteicos de proteína de arroz e às características nutricionais e funcionais destes hidrolisados.

Objetivo Geral

Avaliar as propriedades nutricionais e funcionais de hidrolisados protéicos de farelo de arroz obtidos pela ação das enzimas pepsina, alcalase e flavourzyme, a fim de verificar as condições de hidrólise que propiciam a obtenção de hidrolisados com alta atividade antioxidante e apropriadas características funcionais para sua utilização na indústria de alimentos. O trabalho tem como meta o melhor aproveitamento do farelo de arroz para a alimentação humana em produtos alimentícios de valor agregado, aproveitando de forma sustentável a sua produção e aumentando o consumo de forma social com excelente aplicação tecnológica e valor nutricional.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANDRESSA DE ASSIS LOURENÇO207/06/201407/05/2016
CHAIANE GOULART SOARES1201/11/201431/07/2015
ELESSANDRA DA ROSA ZAVAREZE207/06/201407/05/2016
JARINE AMARAL DO EVANGELHO207/06/201407/05/2016
NATHAN LEVIEN VANIER307/06/201407/05/2016
VANIA ZANELLA PINTO207/06/201407/05/2016

Página gerada em 19/10/2019 17:42:50 (consulta levou 0.071935s)