Nome do Projeto
ESTUDO SOBRE A ATIVIDADE DA MELATONINA EM MARCADORES DE PLASTICIDADE DE VIAS DE NOCICEPÇÃO EM CULTURA DE CÉLULAS DE CÂNCER DE PRÓSTATA
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
28/04/2016 - 24/07/2018
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde - Medicina - Cancerologia
Resumo
No Brasil, o câncer de próstata tem sido associado como o tipo de tumor maligno mais incidente em homens, com estimativa de mais 61 mil novos casos para o ano de 2016 (INSTITUTO ONCOGUIA, 2016). A comunidade científica investigando a origem desse tumor descobriu que, o mesmo pode estar associado a mutações em genes como TP53, PTEN, RB ras, CDKN2, AR (receptor de andrógenos) e CTNNB1. (BRUM et al., 2005; DANTAS et al., 2009; MAKRIDAKIS et al., 2011). Os tratamentos disponíveis para o manejo do câncer de próstata atualmente incluem métodos cirúrgicos radicais, quimioterapias, radioterapias, entre outros. Esses, muitas vezes, não proporcionam uma remissão completa da patologia, e apresentam vários efeitos indesejados e danosos para o paciente. Por isso, há grande importância em se estudar novas formas de tratamento, sobretudo minimamente invasivas. A melatonina, um hormônio naturalmente produzido pelo organismo animal, vem sendo estudada como uma forma de tratamento alternativo, visto que em pesquisas científicas foram demonstrados baixos níveis de melatonina em câncer de mama e próstata e uma possível relação com receptores de androgênio. Visando essa complexidade dos mecanismos celulares, este projeto visa um melhor entendimento do mecanismo da proliferação celular e da ação antitumoral e antinociceptiva da melatonina em células de câncer de próstata em cultura.

Objetivo Geral

O presente estudo tem por objetivo avaliar o efeito da melatonina sobre os mecanismos morfológicos e bioquímicos (plasticidades e nocicepção) em cultura de células neoplásicas de próstata.

-Avaliar os efeitos da melatonina no cultivo de células câncer de próstata nos seguintes parâmetros:
a) viabilidade celular por meio de MTT (3-(4,5-dimethylthiazolyl)-2,5-diphenyl-2H-tetrazolium bromide);
b) apoptose celular por meio de marcação com DAPI (imunofluorescência);
c) análise morfológica das células durante o tempo de cultivo por meio de Microscópio de Luz por Contraste de Fase, Microscópio de Luz Confocal, Microscópio Eletrônico de Varredura;
d) imunodetecção da neutrofina BDNF, e o fator de transcrição NFkB, por meio de Imunohistoquímica.
e) imunodetecção dos marcadores de proliferação e morte celular, TP53, BCL2 por meio de imunocitoquímica com imunofluorescência;
f) determinar isoformas de receptores de neurotrofinas tirosina quinases (Trks) e proteína 75 (p75) por meio de imunocitoquímica com imunofluorescência;
h) avaliar a expressão RNAm da neutrofina BDNF por meio de RT-PCR;
i) quantificação de proteína pelo método de Lowry modificado por Petersen.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALDRIO ALVES DA SILVA428/04/201624/07/2018
ALESSANDRA CORTES TEOTONIO428/04/201624/07/2018
ALEXIA CAMARGO KNAPP DE MOURA428/04/201624/07/2018
ANNA JÚLIA RAMOS FONTANARI428/04/201624/07/2018
CAROLINE CRESPO DA COSTA228/04/201624/07/2018
CLARA CAMACHO DOS REIS428/04/201624/07/2018
CLEVERSON MORAES DE OLIVEIRA428/04/201628/04/2018
ELIANE FREIRE ANTHONISEN228/04/201628/04/2018
GIOVANA DUZZO GAMARO228/04/201624/07/2018
JESSICA THAMONY CARLOS GONCALVES428/04/201624/07/2018
LEO ANDERSON MEIRA MARTINS428/04/201628/04/2018
LUIS AUGUSTO XAVIER CRUZ228/04/201628/04/2018
LUIS OTAVIO LOBO CENTENO228/04/201628/04/2018
Liciane Fernandes Medeiros428/04/201628/04/2018
MARIANA CORREA FELIPE428/04/201624/07/2018
OTÁVIO GARCIA MARTINS428/04/201624/07/2018

Página gerada em 14/11/2019 12:11:10 (consulta levou 0.075135s)