Nome do Projeto
Potencial bioativo da fruta Citrus aurantium (laranja-azeda)
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
12/03/2018 - 31/12/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde - Nutrição
Resumo
Uma diversidade de estudos vem sendo realizada utilizando a fruta Citrus aurantium L. É conhecida ordinariamente pela nomenclatura laranja-azeda, laranja-amarga e laranja-cavalo (CARVALHO-FREITAS et al., 2002). A árvore da fruta cresce em média 9 metros, com flores brancas, pertencentes a família Rutaceae e a ordem Sapindales. Sua produção é feita na maior parte em regiões com clima tropical e semitropical (PARK et al., 2014). Os frutos imaturos da fruta (Fructus aurantii) são utilizados na medicina tradicional chinesa como um medicamento (ZHANG et al., 2012), sendo utilizado para regular a função intestinal (ARBO et al., 2008), redução da pressão arterial (HUANG et al., 1995), ansiedade, insônia, efeito anticonvulsivante (CARVALHO-FREITAS et al., 2002) e também pelo seu efeito termogênico. Em estudo realizado por Fugh-Berman e Myers (2004), referenciando outros autores relatou que a fruta tem o sabor muito azedo para ser consumido in natura, porém no Irã a fruta madura é ingerida e no México são realizadas preparações com sal e pimenta utilizando as frutas frescas e a casca da Citrus aurantium em preparações como geleias, enquanto as flores são utilizadas como chás e, o óleo essencial, obtido por meio das folhas da fruta são utilizados para licor e perfumes. Devido a estas características (sabor azedo), esta fruta não é consumida habitualmente no Brasil de forma in natura, apesar de todas as propriedades bioativas já descritas na literatura. Desta forma, o presente estudo tem por objetivo avaliar o potencial bioativo de Citrus aurantium in vitro, bem como realizar o encapsulamento do extrato e do óleo da fruta, tornando desta forma, os benefícios atribuídos a esta fruta, disponibilizados de forma liofilizada a população.

Objetivo Geral

Objetivo geral
Avaliar o potencial bioativo de Citrus aurantium in vitro, bem como realizar o encapsulamento do extrato e do óleo da fruta.

Objetivos específicos
Como objetivos específicos pretende-se: a) avaliar a atividade antioxidante in vitro da casca, albedo e polpa nas concentrações 10%,20% e 30% com as diluições em água destilada e álcool etílico e do óleo da Citrus aurantium; b) avaliar a atividade antimicrobiana das amostras frente a micro-organismos patogênicos; c) determinar os compostos fenólicos totais das amostras; d) analisar a composição centesimal; e) quantificar o conteúdo de compostos bioativos das amostras a partir do método de Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (HPLC) para as amostras de casca, albedo e polpa, e Cromatografia Gasosa (CG) para o óleo; f) realizar o encapsulamento do extrato da fruta e óleo.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CARLOS CASTILHO DE BARROS112/03/201831/12/2021
FERNANDA MOURA RIBEIRO TRINDADE412/03/201831/12/2019
GIOVANNA DE MENEZES ABREU412/03/201831/12/2018
LAURA ABIB GRASSI412/03/201831/12/2018
NAIRANE PINTO BOAVENTURA412/03/201831/12/2018
TAICIANE GONÇALVES DA SILVA412/03/201831/12/2018

Página gerada em 20/11/2019 22:49:08 (consulta levou 0.075030s)