Nome do Projeto
Exposição museológica: A história da Fenadoce e o processo de patrimonialização da tradição doceira Pelotense
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
14/01/2019 - 30/08/2019
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Sociais Aplicadas
Eixo Temático (Principal - Afim)
Cultura / Educação
Linha de Extensão
Patrimônio cultural, histórico e natural
Resumo
A Feira Nacional do Doce, transcorridos 33 anos de sua concepção, tem este ano sua 27ª edição, neste período a FENADOCE contribuiu decisivamente para a construção de pelotas e região enquanto polo da atividade doceira, e também suscitou nos habitantes o sentimento de pertença em relação a tradição doceira. Contar a história dessa feira através dos objetos que lhe caracterizam e fazem parte de sua trajetória é o propósito da exposição, relacionando a instituição da feira com o recente registro da tradição doceira da região no livro dos saberes pelo Instituto do patrimônio Histórico e artístico nacional. A exposição é uma parceria entre Câmara de Dirigentes Lojistas de Pelotas - gestora da Fenadoce - e o Museu do Doce da UFPel, que sediará a mostra de março até julho de 2019.

Objetivo Geral

Tornar visível parte da trajetória do evento que é emblemático e já está consolidado no cotidiano dos pelotenses, oferecendo diversas possibilidades de leitura acerca da festa e do papel do doce, valorizando além do seu aspecto gastronômico as ressonâncias culturais que o mesmo agrega. Expor elementos que contribuam para a compreensão de que a Feira foi um catalizador do processo de patrimonialização da tradição doceira de Pelotas e Região.

Justificativa

De acordo com o INRC sobre os doces Pelotenses, em Pelotas o doce se caracteriza como um "fato social total", ou seja, sua existência permeia as mais diversas esferas da vida cotidiana do indivíduo local. Desta forma, a Fenadoce que este ano completa 33 anos, também está inserida neste mesmo contexto, os meses que antecedem o evento são de expectativa criada não só pelas estratégias marketing e divulgação mas também pela tradição já instalada de que durante os dias da feira as opções culturais se ampliam. Portanto, contar a história deste evento atinge diretamente o anseio da comunidade local, e relacioná-lo com o recente registro da tradição doceira pelo iphan ampliará a compreensão acerca da realidade patrimonial.

Metodologia

Exposição museológica de caráter histórico/documental alusiva à trajetória da Feira Nacional do Doce, baseada em parceria já firmada com o CDL que disponibilizará seu acervo, o qual contém peças como os vestidos das cortes, cartazes de divulgação das feiras desde suas primeiras edições, matérias jornalísticas, documentos, relatórios, elementos cenográficas entre outros. A exposição ocupará as duas salas de frente para a praça Cel. Pedro Osório e utilizará suportes diversos que já fazem parte do equipamento do museu. Através de pesquisa e seleção de artefatos serão estabelecidos módulos expositivos temáticos, até o presente foram definidos os seguintes eixos: o Surgimento da Feira, os espaços que a feira ocupou na cidade, dados quantitativos (público, doces, atrações nacional, locais...), O impulsionamento gerado pela feira na comercialização dos doces e a construção da ideia de pelotas como cidade do doce.

Indicadores, Metas e Resultados

Considerado o aumento de fluxo de turistas durante a feira e também o interesse que a mesma gera na comunidade local, estima-se um incremento de pelo menos 20% de visitação espontânea ao Museu do Doce.
Ativada a rede de comunicação do museu com as escolas locais, estima-se que serão recebidos 600 alunos a mais no período.
Repercussão nas mídias tradicionais e nas redes sociais que divulgam não só a exposição mas também o museu e a UFPel.
Constituição de um banco de dados sistematizado sobre a fenadoce.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CARLA RODRIGUES GASTAUD4
ISADORA COSTA OLIVEIRA
MARIANA BRAUNER LOBATO
MATHEUS CRUZ4
MIRIÃ DA MOTA MANOEL
ROBERTO HEIDEN4

Página gerada em 16/10/2021 11:02:28 (consulta levou 0.095151s)