Nome do Projeto
Uso de sistema de ozonização e fotocatálise para o tratamento de efluentes Hospitalares e Agroquimicos
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
15/06/2020 - 31/12/2022
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Engenharias
Resumo
Com o crescente problema da escassez dos recursos hídricos, cada vez mais se tem buscado formas de proteger nossas fontes de água, cuidando da qualidade do meio ambiente. Existem muitas formas de colocar em risco nossos mananciais, tais como fazendo despejos inadequados de esgotos que não recebem nenhum tipo de tratamento prévio. Os efluentes hospitalares, os lixiviado de aterro e águas resíduárias contendo agroquímicos caracterizam-se por apresentar grandes concentrações de contaminantes, além de possíveis veículos de disseminação de inúmeros microrganismos patogênicos. Desta forma, para diminuir o impacto do lançamento desses efluentes no meio ambiente, serão testados processos oxidativos avançados, como á ozonização e a fotocatálise, degradar as moléculas recalcitrantes e os microrganismos, diminuindo assim o seu potencial poluidor.

Objetivo Geral

O objetivo desse trabalho é avaliar a utilização do processo de ozonização e fotocatálise para tratamento de efluentes recalcitrantes tais como: efluentes hospitalares; aterros sanitários; contento agroquimicos, entre outros. Analisar a eficiência da utilização dos processos de ozonização e fotocatálise no tratamento de efluentes; Avaliar a diminuição da fitoxicidade destes efluentes; Avaliar a redução de DQO, DBO, cor dos efluentes tratadas através de processos oxidativos; Desenvolver um reator de ozonização/fotocatálise para tratamento de efluentes recalcitrantes, que seja compacto e de baixo custo.

Justificativa

Os Efluentes hospitalares caracterizam-se como possíveis veículos de disseminação de inúmeros microrganismos patogênicos, além de apresentar grandes concentrações de contaminantes utilizados por serviços de saúde, que são excretados pelas vias urinária e fecal de pacientes. Além disso, possuem altas concentrações de fármacos. Estas substâncias desenvolvidas para aumentar a expectativa de vida das pessoas, bem como auxiliar no tratamento de doenças, estão se tornando uma ameaça à saúde pública e à biodiversidade, colocando em risco os sistemas de suporte a vida. Os efluentes contendo agroquímicos são utilizados com o intuito de aumentar o rendimento da produção, através do controle de pragas e doenças que possam atingir as culturas e apesar de seus benefícios, ainda existem dificuldades encontradas na destinação final referente aos resíduos de defensivos que permanecem após a lavagem das aeronaves. Além disso, temos o chorume de aterro sanitário, ou lixiviado, que pode tornar-se uma fonte de poluição em aterros que foram construídos de maneira inadequada, de forma a percolar pelo solo e contaminar águas subterrâneas e superficiais (AHMED; SULAIMAN, 2001; GOUVEIA, 2012; YANG et al., 2017), ou quando não é fornecido tecnologias adequadas para o tratamento deste efluente. O lixiviado possui uma composição complexa, sendo composto por quatro frações principais: macro componentes inorgânicos, onde se encontra principalmente Ca, Mg, Na, K, NH4, Fe, Mn, Cl, SO4 e HCO3, metais pesados como Cd, Cu, Cr, Ni, Pb, e Zn, matéria orgânica dissolvida, composta por carbono orgânico dissolvido, ácidos graxos voláteis, compostos húmicos e fúlvicos; e xenobióticos, como hidrocarbonetos aromáticos, compostos organoclorados alifáticos e compostos de natureza fenólica
Estes tipos de efluentes podem acarretar grandes impactos ambientais se não houver o seu devido tratamento antes de serem expostos ao meio ambiente, além da contaminação do ar, solo e águas, esses resíduos também podem causar problemas à saúde humana. Diante disso, uma possibilidade de tratamento desses efluentes é a utilização do processo de ozonização e fotocatálise. Esses processos oxidativos são capazes de degradar compostos químicos, tornando-se eficientes para o tratamento de efluentes com elementos tóxicos como os presentes nos efluentes hospitalares e nos agroquímicos.

Metodologia

1º Etapa – Revisão Bibliográfica: Será realizada uma revisão bibliográfica sobre os efluentes utilizados , os métodos de tratamento comumente utilizados, os tipos de catalisadores, e resultados já obtidos.
2° Etapa – Confecção dos protótipos: Serão montados um reator de fotocatálise e reator de ozonização.
3º Etapa – Montagem dos Experimentos: Haverá a seleção dos efluentes, e das móleculas á serem tratadas, para que possa ser analisada a eficiência de sua degradação a partir do tratamento utilizando (ozonização; fotocatálise ; ozonização + fotocatálise). A partir da comprovação da eficiência da degradação.
4º Etapa – Análise de Laboratório: Serão realizadas análises da cor, demanda química de oxigênio, demanda bioquímica de oxigênio, fitotoxicidade, mutagenicidade, sólidos dos efluentes brutos e tratados.
5º Etapa – Análise dos dados: Os dados após tabulados serão analisados pelo Software de Análise Estatística (WINSTAT) (Machado, 2001), utilizando-se análise de variância (teste F) conforme a recomendações de Silva (1997), e as diferenças significativas foram determinados pelo teste de comparações múltiplas de Tukey.
6° Etapa – Publicações: Serão publicados artigos e resumos para congressos, além da elaboração de um trabalho de conclusão de curso á partir dos dados gerados.

Indicadores, Metas e Resultados

Indicadores:Número de trabalhos de conclussão;Número de Dissertações; Número de Alunos Envolvidos; Número de publicações

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ADAMO DE SOUSA ARAÚJO2
ANDREA SOUZA CASTRO1
CICERO COELHO DE ESCOBAR2
CÁTIA FERNANDES LEITE2
JOAO GABRIEL RUPPENTHAL
JÉSSICA DA ROCHA ALENCAR BEZERRA DE HOLANDA
JÉSSICA TORRES DOS SANTOS
LOUISE HOSS
MAURIZIO SILVEIRA QUADRO3
MURILO GONCALVES RICKES
NATALI RODRIGUES DOS SANTOS
RAFAEL JUNQUEIRA MORO
ROBSON ANDREAZZA2
THALIA STRELOV DOS SANTOS
VITORIA SOUSA FERREIRA
WILLIAN CEZAR NADALETI1

Página gerada em 26/01/2021 17:35:15 (consulta levou 0.161458s)