Nome do Projeto
Oficina : Fontes Históricas e Acervos
Ênfase
Ensino
Data inicial - Data final
22/06/2020 - 22/06/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas
Resumo
O presente projeto é voltado para alunos e alunas ingressantes dos cursos de Bacharelado em História e Licenciatura em História. Tais alunos tiveram um contato extremamente reduzido com seus cursos, devido à suspensão do Calendário Acadêmico regular em função do surto de Covid 19, tendo frequentado as atividades presenciais por apenas uma semana. Esse alunado causa alguma apreensão entre os professores, pois representa um grupo com pouca aderência aos cursos e que pode vir a se evadir, caso não existam atividades específicas e compatíveis com seu contexto educacional. Assim sendo, essa Oficina visa oferecer atividades adequadas ao perfil desses alunos, proporcionando uma introdução para alguns aspectos fundamentais da formação em História: o estudo sobre fontes históricas e sobre acervos históricos. Concomitante ao estudo teórico sobre as fontes históricas, realizado a partir da leitura de textos indicados (que serão introdutórios), serão analisados também os acervos que os abrigam em aspectos tais como as condições de guarda, preservação e organização. Através de atividades assíncronas, serão disponibilizados vídeos curtos da professora coordenadora, tratando do assunto de cada encontro, bem como vídeos curtos com intervenções de vários professores do Departamento de História, escolhidos a partir de sua expertise com as temáticas em questão. Conjugado a essa atividade, haverá ainda um momento de debate síncrono da coordenadora com os discentes, através da plataforma webconf. Após tais atividades, a cada encontro haverá a produção individual de um texto curto por cada aluno, entre 2 a 3 parágrafos apenas. Tais parágrafos serão enviados à professora coordenadora, que irá ler e retornar aos discentes com considerações. Ao final da Oficina, que constará de dez encontros, prevê-se que cada aluno terá produzido um mini-artigo referente ao assunto, através da soma desses pequenos textos. Partindo do estudo de Fontes Históricas e Acervos, proposta desse Projeto, serão discutidos outros rudimentos do trabalho historiográfico, tais como o uso de referenciais teórico metodológicos, a evolução de pesquisas, bem como conceitos importantes para o desenvolvimento do conhecimento na área.

Objetivo Geral

Proporcionar aos alunos e alunas ingressantes dos cursos de Bacharelado em História e Licenciatura em História da UFPel a manutenção do vínculo com a instituição através do estudo introdutório de aspectos centrais do conhecimento historiográfico, a saber, o estudo sobre Fontes e Acervos Históricos, incentivando a produção de texto e a reflexão qualificada, mesmo que inicial, sobre as temáticas.

Justificativa

Fontes históricas ou documentos históricos estão na base de toda produção de conhecimento em nossa área. Provas, testemunhos, vestígios, sinais, registros: vários são os termos usados atualmente pelos historiadores para qualificar seu material de trabalho. O princípio da investigação e da utilização do testemunho está presente desde o surgimento da História como área de conhecimento. Entre os séculos XVIII e XIX, assistimos às primeiras reflexões acerca da natureza de tais vestígios e sobre seu caráter de "prova" histórica. Por algum tempo, os documentos históricos foram objeto de uma percepção formal, que lhes atribuía o status de prova concreta e verídica de um ato ou acontecimento do passado. Tal percepção lhes outorgava uma absoluta rigidez, pois se acreditava que a fonte serviria apenas como comprovação, não havendo espaço para diferentes interpretações de um mesmo material. Considerações acerca da veracidade das documentações - sobre as quais se estabelecia o método da crítica interna e externa - levaram a supervalorização de fontes escritas emanadas do Estado. As demais fontes, supostamente, padeceriam de falta de objetividade, descartando-se, desta forma, variados tipos de vestígios humanos, tais como relatos orais, jornais, cartas, etc. Sobre tal entendimento assentou-se a escola metódica, triunfante no século XIX, que asseverava que as fontes escritas deveriam "mostrar aquilo que realmente aconteceu", resultando, portanto, que o conhecimento sobre vastos períodos da evolução da humanidade estaria completamente perdido.
O século XX produziu uma imensa mudança nessa concepção. As críticas à suposta "imparcialidade e objetividade" dos estudos históricos avolumavam-se desde o final do século XIX, através das reflexões de autores como Karl Marx. Serão, contudo, os estudos relacionados à Escola dos Annales que marcarão decididamente tal processo. Jacques Le Goff refere-se a ele como "Revolução Documental". Ao longo de três gerações e de inúmeros trabalhos de pesquisa marcantes, os historiadores dos Annales redefiniram a concepção de fonte histórica. Proclamando a necessidade de saber interrogar o documento, abandonado a ilusão de que o "documento falaria por si" e de que apenas textos oficiais poderiam servir para a escrita da História, os historiadores passaram a acolher uma variedade incrível de materiais de pesquisa. Como coloca Marc Bloch, em sua obra clássica "Apologia da História ou o Ofício do Historiador", "A diversidade dos testemunhos históricos é quase infinita. Tudo que o homem diz ou escreve, tudo que fabrica, tudo que toca pode e deve informar sobre ele." A partir dessa percepção, a ciência histórica viu ampliar-se imensamente o rol de fontes históricas a estudar. Jornais, cartas, diários, poemas, vestígios arqueológicos, imagens, entrevistas, relatos... a lista poderia crescer indefinidamente.
Os conjuntos documentais, congregados no formato de acervos históricos alojados em variados espaços de guarda, também passaram por uma complexificação de sua função e de suas necessidades de preservação e organização. Assim, parte dessas documentações passou a ser depositada em acervos específicos, que possuem exigências e demandas diversas para um melhor acolhimento dos diferentes materiais.
O estudo de fontes históricas e acervos históricos é um dos aspectos fundamentais do trabalho do historiador. Proporcionar uma introdução à história aos alunos ingressantes através desse fio condutor é a pretensão maior desse projeto.


Metodologia

A atividade vai utilizar atividades assincronas e síncronas, bem como incentivar a produção de texto, e terá dez encontros semanais.
Cada encontro previsto terá uma temática específica dentro da temática geral de Fontes Históricas e Acervos. Será criado um grupo privado dentro da rede social Facebook, com a qual a maioria dos alunos já possui contato e sabe manejar as ferramentas. Através desse grupo, será enviado previamente um texto introdutório sobre a temática do encontro, solicitando sua leitura por cada discente. Após, será encaminhado um vídeo com uma fala da professora coordenadora sobre o mesmo assunto, com previsão de que cada vídeo não ultrapasse meia hora. De forma complementar, professores convidados, pertencentes ao curso de História, produzirão vídeos expondo sua experiência com determinado tipo de fonte e respectivos acervos. Esses vídeos complementares deverão possuir entre dez e quinze minutos. Será ainda oferecido aos alunos um box intitulado "para saber mais", onde se colocará sugestões de leituras, videos ou materiais diversos que possam ser utilizados de forma complementar. Após tais atividades, será oferecido aos alunos um período de debate virtual, em horário combinado, através da plataforma webconf ou outra que se faça necessária. Se possível, o debate será gravado e colocado a disposição de todos e todas.
Após essas atividades, ao final de cada encontro será solicitado aos alunos que escrevam um texto curto, algo entre dois ou três parágrafos, sobre o assunto estudado. Esse texto deverá ser enviado para a professora, que fará a leitura e retornará com observações ao discente.

Indicadores, Metas e Resultados

Espera-se como resultados gerais:
incentivar a continuidade dos estudos por parte dos alunos e alunas ingressantes dos cursos de Bacharelado em História e Licenciatura em História;
proporcionar uma percepção qualificada acerca dos fundamentos do conhecimento histórico;
estabelecer um vínculo significativo entre os discentes e os docentes dos cursos de História, proporcionando um maior acolhimento àqueles;
produção de textos acadêmicos introdutórios sobre assuntos centrais ao conhecimento histórico.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALESSANDRA GASPAROTTO2
ANA INEZ KLEIN2
ARISTEU ELISANDRO MACHADO LOPES2
DANIELE GALLINDO GONCALVES2
ERICK DE MIRANDA E SILVA
FABIO VERGARA CERQUEIRA2
FERNANDO DA SILVA CAMARGO2
FRANCINE SEDREZ BUNDE
FRANCISCA MESQUITA JESUS
JÉSSICA BITENCOURT LOPES
LIDIANE ELIZABETE FRIDERICHS2
LISIANE SIAS MANKE2
LORENA ALMEIDA GILL2
MARCIA JANETE ESPIG8
NINA SANTOS MACHADO
PAULO CESAR POSSAMAI2
Rony Centeno Soares Júnior
SACHA DETTMANN ZARNOTT
VITORIA NUNES DUTRA

Página gerada em 19/09/2021 20:02:13 (consulta levou 0.135154s)