Nome do Projeto
Projeto de Extensão - Museu Virtual Afro-Brasil-Sul
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
01/07/2020 - 14/11/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Sociais Aplicadas
Eixo Temático (Principal - Afim)
Comunicação / Cultura
Linha de Extensão
Patrimônio cultural, histórico e natural
Resumo
O Museu Virtual Afro-Brasil-Sul possibilitará o aprofundamento dos diálogos entre história e patrimônio cultural quando da criação de um Museu Virtual focado na Preservação do Patrimônio Histórico Imaterial do povo negro sul-brasileiro. Além de permitir o conhecimento de peculiaridades regionais, trata-se de uma possibilidade de resgatar e divulgar saberes e fazeres de comunidades que mantém, em estágios diferenciados, conhecimentos resultantes de um intercâmbio entre diferentes povos e culturas. A utilização da internet para a preservação da memória e construção da identidade bem como os estudos que envolvem a temática do Patrimônio Cultural são relativamente recentes e complexos no universo da academia. Há necessidade de formação e de capacitação de pesquisadores, interessados no ensino, pesquisa e extensão bem como na produção de espaços para sensibilização, divulgação e formação de um público interessado nos bens culturais de suas localidades além de trabalhos que permitam que as comunidades conheçam e valorizem patrimônios ancestrais ligados a cultura negra. Pretende-se, a partir do museu virtual Afro-Brasil-Sul registrar e divulgar as alterações que ocorreram nas manifestações culturais do sul do Brasil após a chegada desse contingente de pessoas retiradas da África e trazidas para serem escravizadas. Como reagiu e reage a população local? Que saberes foram permutados? Quais as contribuições que esta mescla populacional trouxe à comunidade? Quais as alterações que ocorreram na paisagem local? Que conhecimento possui a população local acerca dessas contribuições? Que conhecimentos seus descendentes possuem em relação a este legado? A implementação de um Museu Virtual focado na Memória Negra, não somente contribuirá para o resgate, preservação e disseminação desses conhecimentos, como, acima de tudo, facilitará o acesso à população como um todo, da periferia ao meio acadêmico, sem distinção, de maneira democrática.

Objetivo Geral

Criar um museu virtual composto imagens e sons, contemplando: fotografias, músicas, vídeos entre outras, tendo por temática principal em suas exposições as mais significativas expressões e manifestações culturais africanas e afro-brasileiras dos municípios que constituem a região sul do Brasil: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná;
Proporcionar aos licenciandos, bacharéis e profissionais da educação o acesso virtual à conteúdos relacionados ao patrimônio histórico material e imaterial que possibilitem o trato da História e Cultura Africana e Afro-brasileira, prática tornada obrigatória pela lei 11.645 e corroborada pelo Estatuto da Igualdade Racial;
Criar uma rede de profissionais da educação que inclua os diferentes municípios da região a fim de que os mesmos compartilhem os patrimônios encontrados pela comunidade a qual pertencem; Articular o ensino e a pesquisa viabilizando a relação transformadora entre a Universidade e a Comunidade.

Justificativa

Esse projeto tem a finalidade de divulgar patrimônios invisibilizados no cotidiano, quer nas cidades, quer no espaço midiático. Tais elementos farão parte de um acervo a ser organizado para constituição de um museu virtual, onde estarão presentes e devidamente valorizadas as contribuições da etnia negra da região sul do Brasil. Sabe-se que sua incidência é vasta, porém não contemplada nos diversos museus da região.
Se pesquisarmos pelos termos: ”museus da região sul do Brasil” encontraremos: Casa de Cultura Mário Quintana, em Porto Alegre, Museu das Missões, em São Miguel das Missões, Museu Oscar Niemeyer – MON, em Curitiba, Museu de Arte Contemporânea do Paraná – MAC, em Curitiba, O Mundo Ovo de Eli Heil, em Florianópolis, Museu Casa de Anita, em Laguna. Ou seja, nenhum deles focado na contribuição africana e afro-brasileira. Embora tenhamos um percentual de
14,8% negros na região sul do Brasil (INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE, 2007), suas memórias, usos, costumes bem como o patrimônio histórico material construído por mãos negras não encontra-se contemplado.
A UFPel embora contenha em sua comunidade alunos negros e quilombolas e uma política de ações afirmativas que garante o acesso e a permanência nos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu, não apresenta um espaço onde estejam presentes os referenciais identitários deste grupo e esta iniciativa cobrirá esta lacuna. No plano jurídico, o reconhecimento das identidades particulares no contexto nacional se configura como uma questão de justiça social e de direitos coletivos e é considerado como um dos aspectos das políticas de ação afirmativa (MUNANGA, 2014).
A religiosidade, a culinária, os clubes sociais negros, a presença na imprensa, na música e no carnaval são parcialmente conhecidas não somente pela instituição como pela população da região. Por que os livros didáticos em sua maioria contemplam a representação negra apenas no que se refere a escravidão, futebol e música? É fundamental que estejam registradas e acessíveis tantas outras heranças e contribuições desta etnia. A riqueza imaterial dos quilombos precisa ser registrada, apresentada e preservada; assim como a história do carnaval sul rio grandense; as diversas ações e conquistas do movimento negro.

Metodologia

O método de trabalho será exploratório (via Projeto de Pesquisa de mesmo nome) e colaborativo. Os membros do grupo de pesquisa irão investigar em suas comunidades os patrimônios que virão a fazer parte do acervo digital e posteriormente das coleções permanentes e temporárias do Museu.
A equipe, liderada por uma arquiteta mas que tem na sua composição: um(a) designer digital, museólogo, historiadores, fotógrafos, tecnóloga em turismo, licenciandos, e professores da rede pública de ensino, fará uso da diversidade em termos de formação para o enriquecimento da plataforma a ser criada.
Inicialmente, o grupo de pesquisa Grupo de Pesquisa CNPQ - Design, Escola e Arte - DEA - Desvendando  patrimônios, construindo conhecimento e fazendo arte CA/UFPEL começará a investigação nos municípios de Arroio Grande, Jaguarão, Pedro Osório, Pelotas, São Lourenço e Rio Grande o patrimônio imaterial resultante da contribuição negra.
A partir dos dados obtidos partiremos para a construção virtual do museu com os seguintes passos:
1) Levantamento bibliográfico e definição da proposta a partir da discussão teórica entre os componentes do grupo. Nesta fase também construiremos o seu Regimento;
2) criação da identidade visual do museu;
3) Desenvolvimento de atividades do setor de comunicação e pesquisa do museu – estudos de público, estratégias de marketing e difusão dos produtos e da própria instituição;
4) Reunião de material captado pelos colaboradores e padronização do mesmo. Nesta fase haverá criação do acervo;
5) Definição dos elementos que farão parte do setor educacional do museu – planos de ensino, ações educacionais e lúdico-pedagógicas disponibilizadas online;
6) Formatação do museu para publicação;
7) Sistematização de criação e publicação de exposições;
8) Publicação e divulgação do museu nas redes sociais e através de palestras;
9) Verificação de como decorre o processo de mediação entre o público e os objetos museológicos;
10) Avaliação e geração de relatórios em relação aos resultados de três em três meses no que se refere à usabilidade, recepção, periodicidade da visitação pelo público alvo e localização geográfica dos mesmos.

Paralelamente deverão ser desenvolvidas atividades do setor de comunicação e pesquisa do museu – estudos de público, estratégias de marketing e difusão dos produtos e da própria instituição;

Indicadores, Metas e Resultados

- Intercâmbio cultural entre os moradores da região vistos o diálogo que se pretende efetivar entre os membros das diferentes comunidades envolvidas;
- Contribuição para formação complementar de alunos do Curso de Ciência da Computação, Design Gráfico, Design Digital, História, Museologia, Licenciatura em Artes Visuais e Bacharelado em Cinema e Animação na área técnica, profissionalizante e em cumprimento a Lei 11.645/2008 e Portaria Normativa Nº 21, de 28 de agosto de 2013. Atingirá também os alunos dos Programas de Pós-Graduação da UFPel de áreas correlatas envolvidos na pesquisa e implementação do Museu;
- Intercâmbio cultural entre os moradores da região vistos o diálogo que se pretende efetivar entre os membros das diferentes comunidades envolvidas;
- Contribuição para formação complementar de alunos do Curso de Ciência da Computação, Design Gráfico, Design Digital, História, Museologia, Licenciatura em Artes Visuais e Bacharelado em Cinema e Animação na área técnica, profissionalizante e em cumprimento a Lei 11.645/2008 e Portaria Normativa Nº 21, de 28 de agosto de 2013. Cabe salientar que tal ação extensionista incluirá também os alunos dos Programas de Pós-Graduação da UFPel de áreas correlatas envolvidos na implementação do Museu;

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANIELLE CONCEIÇÃO LEMOS
ANNA GIULIA MORETTI ALVARENGA
Aurea da Paz Pinheiro
CAROLINE LEAL BONILHA
CRISTIANE MEDEIROS GOMES
Camila Caetano Ferreira
DAIANE VIEIRA MORAES
Dalton Lopes Martins
Denis Vieira Moraes
FABIANE RODRIGUES MORAES
FLAVIA GRIEP MANCINI
Fabrício da Silva Furtado
FÁBIO DOS SANTOS GONÇALVES
GIANE VARGAS ESCOBAR
HELENA GUIMARÃES DE FARIA
JESSICA OLIVEIRA DA SILVA
JOCELEM MARIZA SOARES FERNANDES
JOSE LUIZ DE PELLEGRIN
KARINE CAVALHEIRO DE LIMA
LARISSA PATRON CHAVES SPIEKER
LISIANE GOMES LEMOS
LIZANDRO ARAÚJO DE CARVALHO
LOURENÇO CEZARDA SILVA
LUCIO MENEZES FERREIRA
MARIA IOLANDA LEMOS GONÇALVES
MATHEUS BORGES
MATHEUS CRUZ2
NATHALY DE BARROS BORGES
NIKOLE MACKEDANZ DE CAMPOS LEITE
NORMELIA ONDINA LALAU DE FARIAS
RENAN GOMES LEMOS
RENATA CARDOZO PADILHA
ROSEMAR GOMES LEMOS4
Rita de Cássia dos Reis Viebrantz
Rita de Cássia moura Carvalho
Tassiele Viebrantz Cassuriaga
Tassiele Viebrantz Cassuriaga
Tassiele Viebrantz Cassuriaga
VIVIANE DA SILVA LEMOS
VIVIANE DA SILVA LEMOS
Yasmini Barros Botelho

Página gerada em 03/07/2022 17:30:27 (consulta levou 0.112497s)