Nome do Projeto
PROGRAMA VEM SER PELOTAS
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
01/01/2017 - 01/01/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Eixo Temático (Principal - Afim)
Saúde / Saúde
Linha de Extensão
Esporte e lazer
Resumo
Embora todas as pessoas tenham a possibilidade de praticar alguma modalidade esportiva no seu tempo de lazer, poucas estão capacitadas para o alto rendimento esportivo. Portanto, quando se planejam políticas para o esporte de alto rendimento parece lógico incluir estratégias para a seleção, mais ou menos precoce, dos futuros atletas de elite. É uma exigência econômica. Investir em pesquisas e programas capazes de identificar e promover escolares com elevada eficiência motora e neuromuscular é o que fazem os mais destacados países da elite esportiva mundial e é parte relevante nas pesquisas em ciências do esporte. Entretanto, os modelos de identificação de talentos esportivos são pouco eficientes. Devido à complexidade das relações entre os diversos indicadores de desempenho esportivo, os modelos de intervenção não dão conta de prever com a desejada antecedência e necessária eficiência, quem serão, a médio e a longo prazo os atletas de sucesso de nosso país. Nesse sentido, este programa visa a identificação de jovens com altas habilidade motoras e o desenvolvimento de jovens nas modalidades adequadas para as suas qualidades motoras.

Objetivo Geral

1. Identificar jovens matriculados na rede municipal de ensino de Pelotas, entre o 5º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio com elevado padrão de desempenho motor para a prática de modalidades de rendimento;
2. Constituir um banco de talentos motores passível de constituir-se numa base de consultas sobre jovens com elevadas possibilidades de tornarem-se atletas de alto rendimento nas diversas modalidades esportivas;
3. Criar modelos de prospecção de aptidão física por modalidade;
4. Estimular os professores de educação física do ensino formal, a realizarem avaliações sistemáticas com o intuito de identificar e acompanhar jovens com altos níveis de aptidão física para o desempenho esportivo;
5. Identificar e selecionar jovens com altos níveis de aptidão física para o rendimento esportivo para constituir os núcleos de esporte de rendimento e clubes esportivos escolares.
6. Constituir-se numa interface entre a escola e o esporte de rendimento;
7. Oportunizar ao maior número possível de crianças e jovens a possibilidade de ingressar na prática do esporte de rendimento;
8. Ampliar a base esportiva regional.

Justificativa

Embora todas as pessoas tenham a possibilidade de praticar alguma modalidade esportiva no seu tempo de lazer, poucas estão capacitadas para o alto rendimento esportivo. Portanto, quando se planejam políticas para o esporte de alto rendimento parece lógico incluir estratégias para a seleção, mais ou menos precoce, dos futuros atletas de elite. É uma exigência econômica (VAEYENS et. al., 2009; ABBOT & COLLINS, 2003; REGINIER, SALMELA & RUSSEL, 1993).
Investir em pesquisas e programas capazes de identificar e promover escolares com elevada eficiência motora e neuromuscular é o que fazem os mais destacados países da elite esportiva mundial e é parte relevante nas pesquisas em ciências do esporte. Entretanto, os modelos de identificação de talentos esportivos são pouco eficientes (VELENCZEI & ANDREA, 2011; ADLER, 2006; VAEYENS et. al., 2009; REGINIER, SALMELA & RUSSEL, 1993). Devido à complexidade das relações entre os diversos indicadores de desempenho esportivo, os modelos de intervenção não dão conta de prever com a desejada antecedência e necessária eficiência, quem serão, a médio e a longo prazo os atletas de sucesso de nosso país.
Nesse sentido, este projeto visa a identificação de jovens com altos índices de aptidão física para o desempenho esportivo serão utilizadas duas estratégias: (a) avaliação quantitativa por normas (análise univariada) e; (b) avaliação quantitativa por critérios (análise multivariada).
A avaliação quantitativa por normas (análise univariada) parte do princípio que o alto desempenho em variáveis analisadas de forma independente dá indicação da possibilidade da detecção de talentos. Portanto, acompanhando a proposta do Programa Nacional de Identificação e Desenvolvimento de Talentos Esportivos (Talent Search Program) do Instituto Australiano de Esportes (Australian Institute of Sport, s.d.) e do Programa de Detecção de Talentos Desportivos de Cuba identificamos como talentos as crianças e adolescentes que, estratificados por idade e sexo, em cada teste ou medida da bateria PROESP-Br atingem valores iguais e superiores ao percentil 98.
A avaliação por critérios é multivariada. Parte do princípio da modelação da performance. Pressupõe o arranjo entre um conjunto significativo de variáveis do desempenho para cada modalidade esportiva especificamente. A performance ou desempenho é a expressão multifacetada de um conjunto de traços do sujeito que interagem de forma ordenada e hierárquica dentro dos condicionantes de desempenho de uma determinada modalidade esportiva. Em outras palavras, através dos testes do PROESP-Br desenha-se o perfil de cada modalidade esportiva e através deste modelo identificam-se os jovens escolares com tais características de aptidão física.

Metodologia

A população é composta por jovens escolares dos dois sexos, matriculados entre o 5º ano do ensino fundamental e o 3º ano do ensino médio, das escolas municipais da zona urbana e rural da cidade de Pelotas.

Expectativa:
Avaliação de 7.000 jovens dos dois sexos e a prospecção de aproximadamente 3% de jovens com padrão motor esperado para a pratica das modalidades descritas abaixo
Individuais:
Atletismo
Ginástica Artística
Judô
Levantamento Olímpico
Remo (Remar para o Futuro)
Taekwondo (Quem luta não briga)
Tênis

Coletivas:
Handebol
Hóquei
Rugby
Voleibol

As modalidades serão oferecidas de acordo com o cronograma que será definido em conjunto pela coordenação geral, coordenação de área e representantes da Prefeitura. Assim que for definido será amplamente divulgado.

Os procedimentos metodológicos abrangem duas estratégias distintas embora integradas aos mesmos objetivos:
1) Avaliação da aptidão física relacionada ao desempenho motor dos jovens escolares de 10 a 17 anos de idade: neste âmbito os professores da ESEF/UFPel coordenadores gerais e de área, organizarão um cronograma de avaliações de acordo com a disponibilidade das escolas. As avaliações deverão ocorrer no segundo semestre de 2016. Todas as medidas e teste oferecem riscos mínimos aos participantes e são atividades comuns a rotina de jovens desta faixa etária. Após a digitação dos dados os professores de educação física da escola avaliada receberá um relatório individualizado para utilizar como referencia para a organização das suas aulas.
2) Seleção dos escolares com as características neuromotoras e antropométricas para compor as equipes de desenvolvimento esportivo da ESEF/UFPel: neste âmbito os coordenadores de área irão definir, através da sua expertise e de modelos matemáticos, as características antropométricas e de aptidão física para cada uma das modalidades. Após a definição dos modelos, serão acessados os bancos de dados e identificados os escolares com as características solicitadas para cada uma das modalidades. A seguir serão enviados os convites para os escolares (através das escolas) para a prática das modalidades para a qual o escolar possui as características solicitadas.

Abaixo apresentamos a bateria de medidas e testes selecionadas para a fase I do programa.
Medidas corporais: massa corporal, estatura, altura sentado, distância biacromial, envergadura.
Aptidão Física: cardiorrespiratória (corrida de 6 minutos); flexibilidade (sentar-e-alcançar); força explosiva de membros inferiores (salto horizontal); força explosiva de membros superiores (arremesso do medicineball 2kg);
agilidade (teste do quadrado); velocidade (sprint 20 metros); resistência muscular localizada (abdominal 1 minuto); força isométrica (preensão manual).

Execução e funções

As modalidades serão atendidas de acordo com as características supracitadas.

ESEF
• Organização, planejamento e aplicação da bateria de testes;
• Responsabilidade técnica;
• Formação acadêmica dos recursos humanos;
• Organização e planejamento do treinamento;
• Espaço para treinamento;
• Recursos humanos.

SMED
• Espaços para treinamento;
• Passagens para o deslocamento dos escolares para o treino;
• Uniformes para os escolares;
• Viabilização de competições regionais.

Indicadores, Metas e Resultados

Meta:
Avaliação de 7.000 jovens dos dois sexos;
Prospecção 3% de jovens com padrão motor semelhante a de atletas de rendimento.
Formação de 30 avaliadores Vem Ser Pelotas
Formação de 100 professores em oficinas de hóquei, rugby, handebol e lutas.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALESSANDRA DOUMID BORGES
CAMILA BORGES MÜLLER
CAMILA FERNANDES FERRO
CARINA CURTINAZ LOPES
CIANA ALVES GOICOCHEA
DOUGLAS LOBATO MACHADO
ERALDO DOS SANTOS PINHEIRO4
FABRICIO BOSCOLO DEL VECCHIO4
GABRIEL GUSTAVO BERGMANN
GUSTAVO DIAS FERREIRA2
IGOR ANDRE CORREA SILVEIRA
MARCOS PAULO DE OLIVEIRA DA SILVA
PAMELA SILVA VITÓRIA SALERNO
RICARDO BARBOSA DA SILVA
ROSE MERI SANTOS DA SILVA4
TAIRÃ GONÇALVES SOARES
VIVIAN HERNANDEZ BOTELHO

Página gerada em 14/10/2019 22:42:43 (consulta levou 0.105538s)