Nome do Projeto
XI Seminário de Pesquisa do Mestrado em Artes Visuais - SPMAV
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
19/09/2022 - 31/12/2022
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Linguística, Letras e Artes
Eixo Temático (Principal - Afim)
Educação / Cultura
Linha de Extensão
Artes visuais
Resumo
O XI Seminário de Pesquisa do Mestrado em Artes Visuais (11º SPMAV), realizado pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais (PPGAVI), do Centro de Artes da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), na edição de 2022, propõe a reflexão e o debate acerca do contexto dos reencontros, territorialidades e utopias na pesquisa em arte. No contexto geopolítico – fronteira e território – em que nos encontramos (ao sul do hemisfério sul), emergem singularidades, sonhos, desejos e afetos que perfazem as dimensões do imaginário. Através de palestras, GTs, exposições e oficinas, o seminário busca ativar os reencontros com os espaços físicos na universidade, bem como fomentar trocas entre saberes de outros lugares. Aproximações e distanciamentos que situam nossos lugares de fala, de escuta, de sonho, de afeto e de afirmação do fazer/pensar a pesquisa em arte.

Objetivo Geral

O evento visa propiciar um ambiente para compartilhar resultados de pesquisa entre pesquisadores, com a comunidade acadêmica e com o público em geral e fomentar a participação de pesquisadores de Programas de Pós-Graduação e de estudantes graduação de diferentes instituições. Pretende-se, a partir deste evento, solidificar relações interinstitucionais, que contribuem para qualificar a pesquisa artística e reflexiva, com intercâmbio de conhecimentos e experiências.
Realizar o evento em formato remoto e presencial, com intuito de fomentar o debate, a partilha das experiências e das práticas adotadas em torno da pesquisa em arte nos diferentes níveis de atuação, através de uma programação centrada nas demandas em âmbito nacional e internacional;
Ativar o intercâmbio entre as associações, instituições e grupos de arte-educadores e artistas nacionais e internacionais buscando a mobilização em torno de ações político-conceituais, envolvendo as Artes Visuais e outras áreas do conhecimento.

Justificativa

O XI SPMAV, Territórios do imaginário: dimensões e distensões utópicas é oriundo do processo de formação dos mestrandos que ingressam no PPG e que organizam o evento de pesquisa cientifica no campos das artes visuais e transversalidades a promover a partilha de processos de estudos no campo da arte e por meio da produção artística a partir do sul sul. A programação envolve palestras, comunicações de trabalhos, exposições, oficinas e publicação de anais. Pretende-se, a partir deste evento, solidificar relações interinstitucionais, que contribuem para qualificar a pesquisa artística e reflexiva, com intercâmbio de conhecimentos e experiências. A formação desta rede também deve potencializar o alcance dos resultados e a abrangência do evento e inclui a preocupação com a internacionalização, como forma de divulgação da pesquisa brasileira no exterior. A concentração de pesquisadores apresentando e discutindo suas pesquisas atuais nas áreas de poéticas, educação e teoria tem potencial de impacto pela criação de ambiente propício à atualização dos mesmos e das comunidades acadêmica e artística locais, além do adensamento das pesquisas que é proporcionado pelo debate com os pares e pesquisadores de áreas correlatas. A publicação de Anais amplia a abrangência para além da duração do evento em si, bem como as exposições e as atividades artísticas promovidas e registradas por meio das redes estendem seu impacto cultural. O seminário será dividido em três eixos temáticos: 1. Liminaridades: Os artistas como trabalhadores do dissenso e as possibilidades da trans/formação das políticas coletivas. 2. Afetos e presenças: a contemporaneidade como escolha imaginária. 3. Cosmopercepções: Pluralidades dos desejos. Eixo 1: Liminaridade como ocupar um entre/lugar, destituir-se de suas posições iniciais, não ser possível de se categorizar. Trabalhos que fujam de seus espaços originais que atravessam contamina, trocam com outros campos, existe num espaço entre o pensar e o dizer. O artista como trabalhador do dissenso, rompendo com a lógica colonial-capitalista e pensar tanto o artista nesse lugar de trabalhador, como o trabalho nesse outro lugar que não coopera com as lógicas de produção. As possibilidades de trans/formação, vivencias travestis, trans como atravessamento, como outro como o que foge da norma, e a formação como espaço de potência de educação de pedagogia e de enfrentamento, fissura da realidade instituída, e como possibilidades de transformar as políticas coletivas, coletividades e colaborações. Eixo 2: Afetos como configurações do sensível ou por metonímia, os próprios objetos de afeições e, não obstante, também aquilo que afeta; que causa tremores e abalos. Interessam escritos e pesquisas sobre experiências e percepções que (justapostos à dialética emergente que perpassa as maneiras de se fazer presente) contestam o estar no (e, dividir o) tempo presente – situadas no local entre o imaginário como possibilidade e o real como efetivamente visível. Eixo 3: Processos de (des)invisibilizações – reflexos do infra-ordinário que se manifestam em possíveis formas de se estar no mundo – que porventura alavancados pelas virtualidades, concedem aos corpos múltiplas hipóteses de presenças em um campo expandido. “Fazer-se sonho na ruína” – buscas por reconstruções do imaginário coletivo e do efetivamente visível – porquanto, tanto o educador quanto o artista, servem (amparam e afetam) ao seu próprio tempo; à sua própria contemporaneidade. Sonhos se afogam, desejos queimam: Às corporeidades em suas presenças e ancestralidades – decolonialidades e resistências. Interessam as concepções e desejos de variados grupos culturais – fora da lógica em que as estruturas sociais são representadas por uma visão ocidental e hegemônica. Direcionamentos do olhar antes às diferenças do que às similitudes – esquadrinhamentos da complexidade inerente aos procedimentos sociais e ao entendimento da cultura como organismo vivo e dinâmico – passível de abarcar os cosmogônicos saberes originários e interesses/desejos de culturas remanescentes em meio à globalização e estetização do mundo. Divagando por dentre os antropomorfismos estéticos que constituem uma ilusória noção de ordem no cotidiano – cabem aqui trabalhos e pesquisas que se configuram como elogios aos coeficientes apagados das arquiteturas do pensamento – censurados; desejos oprimidos por si ou pelo mundo à sua volta.

Metodologia

Organização do evento a partir do levantamento de temas da pesquisa em arte contemporânea. Convite a pesquisadores para integrarem o conjunto de atividades cientificas do Seminário. Sistematização de plataformas digitais de comunicação. A natureza aberta e híbrida permite operar com diferentes materiais e métodos para alcançar os objetivos propostos. Concorrem: identificação de demandas, discussão de propostas, redefinição de metas, pesquisa gráfica, divulgação, execução das ações e disseminação de resultados e produtos realizado.

Indicadores, Metas e Resultados

Formação continuada, formação global, intercâmbio de experiências para potencializar e compartilhar o conhecimento em torno do pensar, fazer,
ensinar arte, percebidos em suas dimensões pedagógicas, poéticas e processuais, relacionadas aos contextos culturais contemporâneos.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALAN CAETANO CÂNDIDO
Ana Cristina Gouvêa Dumas
Barbara Larruscahim da Costa
Bruna Vieira Dorneles
CLOVIS VERGARA DE ALMEIDA MARTINS COSTA144
Daniel Soares Marenco
Danilson Oliveira de Vasconcelos
EDIO RANIERE DA SILVA7
EDUARDA AZEVEDO GONCALVES7
Edson Luiz André de Souza
Eduardo Bruno Fernandes Freitas
FABIO ORTIZ GOULART
Felipe Dias Diaz Carvalho
GABRIEL DA SILVA MUNARO
GUSTAVO SEVERO DALLA COSTA
Guilherme Mautone
ISIS FÓFANO GAMA
Isadora Ravena Teixeira da Silva
LARISSA PATRON CHAVES SPIEKER20
LAURA BORSA CATTANI7
LETÍCIA BECK FONSECA
LUIZ HENRIQUE CANIBAL DE ANDRADE LEÃO
Larissa Schip Ferreira de Deus
Lívia Lempek Trindade Monteiro
MATEUS BRUM DE ARMAS
Mariana Coelho Penha Corrêa
Mauricio Bittencourt
Munir Klamt Souza
NADIA DA CRUZ SENNA7
NEIVA MARIA FONSECA BOHNS7
RICARDO HENRIQUE AYRES ALVES34
RODRIGO MONTERO
ROGGER DA SILVA BANDEIRA
ROSANGELA FACHEL DE MEDEIROS
ROSANGELA FACHEL DE MEDEIROS20
Roseli Aparecida da Silva Nery
STELA SOARES KUBIAKI
Thiago de Godoy Nepomuceno

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
FAPERGS / Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado Rio Grande do SulR$ 13.750,00Coordenador

Plano de Aplicação de Despesas

DescriçãoValor
339033 - Passagens de Despesas de LocomoçãoR$ 6.150,00
339014 - Diária Pessoa CivilR$ 1.600,00
339039 - Outros Serviços de Terceiro - Pessoa JurídicaR$ 6.000,00

Página gerada em 24/02/2024 17:00:38 (consulta levou 0.574618s)