Nome do Projeto
Projetos e ideias para a humanização do Pátio Jardim da Concha Acústica do IFSUL - Pelotas
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
15/08/2018 - 31/12/2019
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Multidisciplinar
Eixo Temático (Principal - Afim)
Educação / Meio ambiente
Linha de Extensão
Desenvolvimento de produtos
Resumo
Este projeto de extensão propõe a confecção e acompanhamento da execução de um Projeto de Paisagismo que tem como objetivo requalificar o Pátio Escolar Jardim da Concha Acústica do IFSUL - Campus Pelotas. Nasceu a partir de um movimento da comunidade usuária e da vontade da instituição em humanizar este lugar. Em outubro de 2017 iniciou-se um processo de discussão através de oficina realizada na semana acadêmica do Curso de Edificações. O objetivo desta oficina foi identificar os sentimentos em relação ao pátio escolar, os desejos de como deveria ser este lugar e as qualidades que deveria incorporar para proporcionar uma maior apropriação da comunidade que se constitui de diferentes coletividades. Foram feitas atividades em grupo e os resultados das dinâmicas realizadas apontaram para a importância de desenvolver um projeto mais aprofundado onde fosse possível de forma democrática reconhecer as demandas da comunidade e, através de sua execução, resgatar este lugar que tem sido pouco utilizado na instituição.

Objetivo Geral

Objetivo Geral:
Humanização e requalificação do Pátio Jardim da Concha Acústica.
Objetivos Específicos:
Identificar potencialidades e problemas do pátio escolar;
Oportunizar integração e discussão sobre o tema pátio escolar, especificamente o do Jardim da Concha Acústica, e verificar desejos e demandas da comunidade em relação a este espaço;
Ensinar os alunos de arquitetura e urbanismo a utilizar técnicas de APO (Avaliação Pós Ocupação) na etapa de reconhecimento das qualidades do lugar e dos desejos dos usuários a fim de qualificar a Concepção do Projeto de Paisagismo;
Realizar estudos e propostas para apreciação da comunidade e votação pública de alternativa mais apropriada;
Confeccionar Projeto de Paisagismo de acordo com a proposta escolhida;
Acompanhamento da execução do Projeto de Paisagismo em conjunto com a COAPROJ (Coordenadoria de apoio a projetos e obras).

Justificativa

O Pátio Jardim da Concha Acústica localizado no Campus Pelotas do IFSUL faz parte de um conjunto de três pátios que intermeiam as edificações desta instituição. Apresenta uma forma geral retangular (aproximadamente 15x60m) e um traçado simétrico que faz uso de linhas curvas e retas para subdivisão do espaço em canteiros e circulações. Nos canteiros gramados destacam-se algumas árvores, arbustos e palmeiras. Ao fundo, como ponto visual de atração, uma Concha Acústica que foi implantada posteriormente a este projeto dos canteiros. Não há espaços destinados à permanência o que dificulta a ocupação do espaço.
O pátio escolar é uma das tipologias que constituem os espaços livres da cidade. Para que se entenda a importância dos pátios em sentido mais amplo e como ele pode ser compreendido enquanto espaço aberto, Luiz Augusto dos Reis-Alves , em artigo que discute o que é um pátio interno, reflete sobre o significado deste espaço a partir do entendimento do verbo latino patéo:
“Segundo o verbo latino Patēo, os atos de expor, abrir e descobrir-se se fazem presentes neste espaço. O que é estar aberto; abrir-se? Estas ideias sugerem o conceito de relacionamento. Relacionar-se com os seus semelhantes, com a natureza, com o clima, enfim, várias possibilidades de relacionar-se. Estar exposto; estar descoberto refere-se à acessibilidade, o estar suscetível. Quem está exposto, encontra-se acessível à chuva, ao sol, aos ventos, às pessoas, ao movimento, à inquietude, ao cheio e ao vazio, ou seja, está em uma posição passiva aos acontecimentos. Os verbos manifestar-se e ser evidente, em oposição, mostram-se com uma postura ativa perante o mundo. O indivíduo se faz ser visto e adquire uma razão de ser.”

O pátio escolar enquanto espaço livre tem importante papel na dinâmica da vida escolar e da cidade. Lugar democrático que acolhe diferentes coletividades pode estar ou não preparado para exercer tal função social e possui papel coadjuvante aos espaços internos da escola. Propicia aquilo que o espaço interior não tem condições de oferecer e que nos dias atuais se faz cada vez mais urgente à sociedade – um maior contato e interação com a natureza. As pessoas ao ocupar o espaço do pátio o tornam ambiente vivo. A apropriação pelas pessoas em relação aos diferentes lugares que o pátio poderá oferecer transformará e enriquecerá a paisagem interior da escola. Portanto, “[...] é preciso neutralizar a fronteira entre o ‘lado de dentro’ – representado pelos ambientes e práticas da educação formal – e o ‘lado de fora’ - representado por brincadeira, descanso e liberdade [...]”.
Entender a importância do pátio escolar como ambiente educativo, de extensão às salas de aulas, modifica o olhar em relação a este espaço livre que se apresentar ambiências adequadas ao uso da comunidade escolar poderá promover renovação das práticas pedagógicas. Desse modo, a ideia conceitual de um espaço aberto, mais humanizado, flexível e democrático, que permita socialização, repouso, interação com a natureza, aulas ao ar livre, entre outras funções, atingiria diferentes coletividades e objetivos.
Além disto, este projeto de extensão oportuniza aos alunos de arquitetura e urbanismo conhecer e aplicar técnicas e instrumentos de APO (Avaliação Pós-Ocupação) na etapa inicial do processo de projeto onde acontece o reconhecimento do lugar e dos desejos da comunidade. A metodologia de projeto no meio acadêmico tem incorporado as técnicas de APO para a apreensão das qualidades do lugar e para uma aproximação do projetista com os usuários do local onde ocorrerá a intervenção.

Metodologia

O projeto será realizado em quatro etapas conforme detalhamento a seguir:
1ª Etapa: Reconhecimento do lugar de projeto e dos desejos dos usuários.
Levantamentos e aplicação de instrumentos para apreensão das qualidades do lugar e das demandas da comunidade. Análise dos resultados e síntese desta primeira etapa de trabalho – diretrizes projetuais e programa de necessidades.
2ª Etapa: Concepção de Projeto de Paisagismo para o Pátio Jardim da Concha Acústica
Em projetos de paisagismo é importante pensar nos vazios gerados pelos elementos construídos e naturais. As relações entre estes elementos, a composição e o espaço resultante que caracterizarão os tipos de ambiências geradas e as sensações dos usuários. Importante neste processo verificar os aspectos mais relevantes dentro do contexto do pátio escolar e elaborar um conceito para o desenvolvimento do projeto. É nesta etapa que se propõe possibilidades de projeto (humanização e requalificação do pátio escolar).
3ª Etapa: Desenvolvimento do projeto de Paisagismo – Anteprojeto e Projeto Executivo
Nesta etapa acontecerá a confecção da documentação técnica do projeto de paisagismo - implantação, planta cotada dos elementos construídos, planta de plantio das espécies vegetais, cortes, elevações, perspectivas e detalhes construtivos. Também será feita a compatibilização do projeto de paisagismo com projetos complementares desenvolvidos junto à COAPROJ.
4ª Etapa: Acompanhamento da execução do projeto de Paisagismo
Esta fase constitui-se de visitas técnicas para acompanhamento da execução do projeto no canteiro de obras e auxílio no plantio das espécies vegetais e na ambientação dos espaços do pátio com mobiliário sustentável.

Referencial teórico:
ABBUD, Benedito. Criando Paisagens: guia de trabalho em arquitetura paisagística. São Paulo: Editora Senac, 2006.
DELGADO YANES, Magali; DOMINGUEZ, Ernest Redondo. Freehand Drawing for architects and interior designers. New York: W.W. Norton and Company, 2005.
HUTCHINSON, Edward. O desenho no projeto da paisagem. Trad. Denise de Alcântara Pereira. Barcelona: Editorial Gustavo Gilli, 2012.
JORGE, Liziane de Oliveira, DAMETTO, Ana Paula de Andrea. O Pátio Universitário como Espaço Livre. Uma experiência didática. USTJ – ARQ&URB, n.19, Maio - Agosto de 2017. http://www.usjt.br/arq.urb/numero-19/1-liziane-jorge.pdf
LORENZI, Harri. Plantas ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras. 3ª ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2001.
MALAMUT, Marcos. Projetando espaços livres. Lauro de Freitas, BA: Livro.com, 2011.
MASCARO, Juan Luis (org.) Infra-estrutura da Paisagem. Porto Alegre, RS: Masquatro, 2008.
MILLS, Criss B. Projetando com maquetes. Trad. Alexandre Salvaterra. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2007.
NACCA, Regina Mazzocato. Maquetes & Miniaturas. São Paulo: Giz Editorial, 2006.
RHEINGANTZ, Paulo Afonso et al. Observando a qualidade do lugar: procedimentos para a avaliação pós-ocupação. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Pós Graduação em Arquitetura, 2009. Disponível em: . Acesso em junho de 2016.
WATERMAN, Tim. 2009. The fundamentals of landscape architecture. Lausanne: AVA Academia

Indicadores, Metas e Resultados

Espera-se com este projeto contribuir para a humanização e requalificação do Pátio Jardim da Concha Acústica do IFSUL e proporcionar aos integrantes e colaboradores a oportunidade de participar da construção democrática de um espaço de uso coletivo.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALANA RAMOS HORVATH
ALLANA DA COSTA JESKE
ANA PAULA DE ANDREA DAMETTO20
CARINA DIAS FRANCO
CAROLINE DIAS EIFLER
DEREK FORMENTIN DE OLIVEIRA
GILNEI OLEIRO CORRÊA
JULIANA ROSINHA CONZATTI
LUANA PAVAN DETONI
LUCAS DA SILVA GONÇALVES
LUCAS LOPES DA SILVA NOSKOSKI
NATALIA NAOUMOVA10
PAULO ROBERTO GROLLI8
PETRA NORNBERG GOETZKE
VANESSA BÜTTOW SIGNORINI

Página gerada em 26/01/2020 19:45:08 (consulta levou 0.108163s)