Nome da Atividade
MÚSICA, GÊNERO, RAÇA E SEXUALIDADE
CÓDIGO
05001575
Carga Horária
60 horas
Tipo de Atividade
DISCIPLINA
Periodicidade
Semestral
Modalidade
PRESENCIAL
Unidade responsável
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
4
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%
CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
4
CRÉDITOS
4
NOTA MÉDIA APROVAÇÃO
7

Ementa

Introdução aos Estudos de Gênero, Sexualidade e Relações Raciais aplicados à pesquisa em Música. Discute-se essas questões a partir da leitura crítica de textos atuais das áreas de Musicologia e Etnomusicologia, explorando contextos artísticos diversos em termos culturais e étnico-raciais. Pretende-se situar o aproveitamento das discussões do feminismo, teoria queer e estudos decoloniais para o campo da Música. Busca-se debater as implicações artísticas produzidas por certos agenciamentos de marcadores sociais da diferença tais como gênero, raça e sexualidade. Assim, pretende-se estimular a investigação das possíveis relações entre as ideias de “técnica”, “composição”, “execução”, “interpretação”, “autoria”, “escuta”, “corpo” e “performance” às questões de gênero, raça e sexualidade, entendendo que a música é também atravessada por concepções sociais hierárquicas, que interpelam a produção sonora de compositores, instrumentistas, regentes, arranjadores e cantores.

Objectives

Objetivo Geral:

Introduzir debates sobre gênero, raça e sexualidade aplicados à música.
Instrumentalizar os discentes para um debate crítico sobre a relação entre Música, Gênero, Raça e Sexualidade.
Ler criticamente textos etno/musicológicos que tratam dessas temáticas.
Fornecer elementos conceituais para uma consciência crítica do campo da pesquisa em Música.
Problematizar as relações de gênero, o racismo e as hierarquias de sexualidade no contexto Musical.
Discutir possíveis articulações entre estruturas e atividades musicais e noções normativas de gênero, raça e sexualidade.
Introduzir o debate sobre Música e Decolonialidade.

Conteúdo Programático

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • GREEN, Lucy. Music, gender, education. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.
  • DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.
  • NOGUEIRA, Isabel; FONSECA, Susan (orgs). Estudos de gênero, corpo e música. Goiânia/Porto Alegre: ANPPOM, 2013. Disponível em: https://www.anppom.com.br/ebooks/index.php/pmb/catalog/view/3/4/24-1

Bibliografia Complementar:

  • BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.
  • COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019. 480 p.
  • MCCLARY, Susan. Feminine Endings at Twenty. TRANS – Revista Transcultural de Música (15): 01-10. Barcelona: SIBE, 2011. Disponível em: https://www.sibetrans.com/trans/public/docs/trans_15_02_McClary.pdf Acesso em 29 de ago. 2023.
  • ZERBINATI, Camila; NOGUEIRA, Isabel; PEDRO, Joana Maria. A emergência do campo de música e gênero no Brasil: reflexões iniciais. Descentrada 2(1): 01-18. La Plata: FaHCE, 2018. Disponível em: https://www.memoria.fahce.unlp.edu.ar/art_revistas/pr.11200/pr.11200.pdf Acesso em 29 de ago. 2023.
  • ROSA, Laila; NOGUEIRA, Isabel. O que nos move, o que nos dobra, o que nos instiga: notas sobre epistemologias feministas, processos criativos, educação e possibilidades transgressoras em música. Revista Vórtex 3(2): 25-56. Curitiba: UNESPAR, 2015. Disponível em: https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/887/474 Acesso em 29 de ago. 2023.

Page generated on 2024-05-25 23:59:16 (query took 0.061631s)